Arquivo

Archive for setembro \28\UTC 2007

Desabafo

28 de setembro de 2007 Deixe um comentário

Com os recursos da nossa “interatividade virtual”, só ficaríamos alheios aos fatos se de fato determinássemos fechar os olhos e direcionar nossa audição para a voz do mundo, no que melhor existe nela, a exemplo do canto dos pássaros, da dança das árvores sob orquestra dos ventos e ainda do canto constante e misterioso das ondas do mar…

Faço questão de começar assim, de forma poética, pois como exclamou a Profª Denise Botelho da UNB, em visita à Maceió: “Só um coração amoroso pode agüentar tantas injustiças”.

Tenho acompanhado atentamente algumas informações via internet, algumas dignas de respostas, outras nem tanto, tamanho são suas bestialidades. No entanto, sem citar nomes, seja de entidade ou principalmente de pessoas, gostaria de expressar meus sentimentos mediante os fatos que hora acontecem no “MOVIMENTO NEGRO DE ALAGOAS”. 

Aprendi que: “o grande mau de quem comete injustiças ou bestialidades, é a certeza absoluta que suas ações são justas ou normais”, e nem sempre, ou quase sempre são capazes de reconhecer seus erros e pedir desculpas, por exemplo. 

Há quem pense que fazer Movimento Negro é sair por aí discursando ideologias pessoais, arrotando arrogâncias, acirrando o etnocentrismo, entre outros, e quanto a isso, acredito piamente que se perderão com as próprias palavras…

Tenho refletido as perguntas abaixo, e gostaria sincero e honestamente que todos possam fazer o mesmo.

·   QUAL A MINHA CONCEPÇÃO DE MOVIMENTO NEGRO NA CONTEMPORANEIDADE?

·   QUAIS ELEMENTOS SÃO E/OU SERÃO CAPAZES DE TRANSFORMAR A VIDA DA COMUNIDADE NEGRA EM GERAL, HOJE?

·   Ou ainda:  O MN É UM MOVIMENTO POLÍTICO? ESTUDANTIL? RELIGIOSO? SINDICAL?… OU O  QUE MESMO?

  • QUAL O MEU PAPEL NESSE CONTEXTO? Entre outras indagações nas entrelinhas.

Sarava N´Zambi!

Grande abraço!

Helcias Pereira

 

(Militante do movimento negro alagoano há 20 anos, atualmente, encontra-se como Secretário de Cultura da ONG Anajô)

Categorias:Opinião

COMUNICADO

27 de setembro de 2007 Deixe um comentário
 

COMUNICADO DA COMISSÃO – PMQP

 

 

Prezadas(os),

Devido a ausência dos representantes da Comissão de encaminhamentos da Carta Aberta sobre o a inauguração do Parque Memorial Quilombo dos Palmares (PMQP) na última reunião, segunda-feira (24.09) no CENARTE, considerando alguns pronunciamentos e respostas via email, os coordenadores presentes do Centro de Cultura e Cidadania Malungos do Ilê e Centro de Cultura e Estudos Étnico Anajô, entenderam que os próximos encaminhamentos, deverão fazer parte da Plenária do FENAL, bem como, outras demandas correlatas.
No qual reforçamos que todos se façam presentes na citada plenária que acontecerá no dia 29 de setembro (sábado) às 9h.

Lembrando que tanto a CARTA ABERTA, já conta com entidades assinantes e comprometidas na articulação. E o ATO AFRO-CULTURAL terá nova data estabelecida.

Certo da compreensão,

Comissão criada no Encontro de Articulação (11.09)

Categorias:Organizações

Capoeira

27 de setembro de 2007 Deixe um comentário
 

 

Núcleo de Apoio e Desenvolvimento da Capoeira é instalado em Alagoas

 

Por: Helciane Angélica

(Jornalista: 1102-MTE/AL)

 

 

 Praticantes alagoanos de capoeira terão mais um espaço para a exaltação e debate desta luta que se disfarça de dança. O Núcleo de Apoio e Desenvolvimento da Capoeira (NADEC), entidade de fomento e debate da capoeira, será instalado oficialmente neste sábado (29.09) a partir das 16hs na escola Alfredo Gaspar de Mendonça, localizada no conjunto Eustáquio Gomes de Melo.

Na ocasião, serão ministradas palestras sobre: “A conjuntura da capoeira em Alagoas” e “A participação do negro no contexto sócio-político alagoano”, respectivamente conduzidas pelo mestre de capoeira Marcelo Cardoso (Girafa) do Grupo Muzenza e por Helcias Pereira, militante do movimento negro há 20 anos e Secretário de Cultura da ONG ANAJÔ. Às 17h, acontecerá a roda de confraternização entre os presentes.

De acordo com José Carlos Pereira da Silva, historiador e professor de capoeira, a entidade iniciou suas atividades em 2003, busca incentivar a formação dos capoeiristas e perpetuar as informações repassadas por militantes do movimento negro e mestres de capoeira experientes. “O NADEC nasceu da necessidade que um grupo de capoeiristas tinha em discutir a capoeira além dos limites da roda e das academias, ou seja, explorar as diversas vertentes de trabalho que a capoeira oferece, bem como buscar mais informações das relações entre capoeira e sociedade em forma de pesquisa e leitura”, afirmou o coordenador do núcleo.

O NADEC é formado por historiadores; enfermeiros; professores universitários e da rede pública de ensino; estudantes; capoeiristas de vários grupos de Maceió e outros municípios, além de simpatizantes. Dentre as atividades já desenvolvidas destacam-se a realização de palestras, debates, oficinas de capoeira e encontro de capoeiristas.

A Federação Alagoana de Capoeira (Falc) é a instância superior dos grupos de capoeira, no entanto, a presença do NADEC só vem para contribuir no desenvolvimento da capoeira no estado. “Nossa relação com a FALC é saudável, já que temos entre nós um dos diretores dela, e buscamos preencher uma lacuna deixada por ela no que diz respeito a formação e integração dos capoeiristas em Alagoas, mas sem espírito de competição e sim de colaboração com a entidade maior da capoeira”, afirmou José Carlos Pereira da Silva.

A capoeira é uma das principais riquezas da cultura afro-brasileira, uma mistura de dança, música, esporte, arte, brincadeira, enfim, considerada uma filosofia de vida para muitas pessoas. Praticada em 164 países, a capoeira é dividida em estilos: angola, regional e contemporânea (criada recentemente) – executados por capoeiristas das mais variadas classes sociais e faixa etária, sem descriminação quanto à religião, raça e gênero.

  

Contatos:

José Carlos Pereira da Silva: 8844-4838

Contra-mestre Leto: 9381-7765

Monitor Carlinhos (Grupo Muzenza): 8823-0299

Encontro Afro-Alagoano de Educação

27 de setembro de 2007 Deixe um comentário

Jornalista lança livro em Encontro Afro

 

               Acontece amanhã, sexta-feira, 28 de setembro de 2007, às 15 horas , dentro da pauta de programação do Encontro Afro Alagoano de Educação: O Sagrado no Cotidiano da População Afro-Descendente e a Lei nº 6.814/07”, o lançamento do livro: Educação Intercultural e Cotidiano Escolar. Rio de Janeiro, 7 Letras, 2006, da doutora em educação (PUC-Rio)Vera Candau. No livro há um capítulo de Stela Caputo denominado: “Educação em terreiros de candomblé – contribuições para uma educação multicultural crítica.” O livro reproduz a discussão que a jornalista fará em palestra no citado encontro. 
 

Serviços: 

Encontro Afro Alagoano de Educação: “O Sagrado no Cotidiano da População Afro-Descendente e a Lei nº 6.814/07” 

Realização: Secretaria de Estado da Educação e do Esporte/Gerência de Educação Étnico Racial 

Local: Audittório da OAB/AL

Horário: 08 às 17 horas 

Preço do livro: R$ 25,00 (vinte e cinco reais) 
Contato: Arísia Barros- 8815-5794

 

Plenária – FENAL

27 de setembro de 2007 Deixe um comentário
                                                
Convocatória

 
 
Do: Fórum de Entidades Negras de Alagoas – FENAL
Para: Entidades Filiadas e militantes do Movimento Negro
 
 
O Fórum de Entidades Negras de Alagoas – Fenal através do seu coordenador geral em uso de suas atribuições vem convidar todos os grupos de base filiado ao Fenal, bem como todos os militantes do Movimento Negro de Alagoas a participar de uma Plenária que acontecerá no próximo dia 29 de setembro, das 9:00 ás 13:00 horas, no CENARTE, localizado á Rua Pedro Monteiro, Centro.
 
A Plenária terá os seguintes pontos de pauta:
 
Eleições Fenal – periodo 2007/2009 – encaminhamentos;
– Preparação da Semana do 20 de Novembro;
– Retirada de delegados p/ o Congresso Nacional de Negros;
– Outros
 
 
Atenciosamente,
 
Fórum de Entidade Negras de Alagoas (Fenal)

Contatos: Sirlene (82) 8823-2517 / Denis (82) 8803-6206
Categorias:Organizações

Encontro Afro Alagoano

26 de setembro de 2007 Deixe um comentário
Jornalista  vencedora do prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos participa de Encontro Afro-Alagoano. 
 

                 O racismo, a discriminação, o preconceito são temas que emergem polêmicos, fecundos e desafiantes nos discursos contemporâneos e sendo a escola o espaço privilegiado para a formação de identidades, seu maior desafio é fazer a transposição do discurso social para práticas pedagógicas que contextualizem um diálogo universal, onde culturas e etnias “falem entre si”.
                  Tendo como sujeitos de direito professores/professoras das três esferas governamentais, comunidade escolar, movimento negro e sociedade civil organizada a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, através da Gerência de Educação Étnico-Racial, realiza, dia 28 de setembro de 2007- Dia da Mãe Preta /Aprovação da Lei do Ventre Livre- no auditório da OAB,o  Encontro Afro Alagoano de Educação: “O Sagrado no Cotidiano da População Afro-Descendente e a Lei nº 6.814/07”, dentre os palestrantes convidados, contaremos com Stela Guedes Caputo,(Maristela Guedes-nome de batismo ), doutora em educação e graduada  em Comunicação Social pela Universidade Estácio de Sá, prêmio Vladimir Herzog de direitos humanos, em 1993, na categoria jornalismo impresso por matéria que denunciou ação de grupos de extermínio na Baixada Fluminense. Stela Caputo ministrará palestra denominada: “Educação e Religiosidade– A Relação da Escola com as  Crianças do Candomblé” que  traz como perspectiva   a criação de pontes pedagógicas que provoquem reflexões e promovam  revisão  na cultura da  dominação ideológica e cultural expressa no currículos da escola que  estabelece “o silêncio da invisibilidade” às expressões africanas de religiosidade como o candomblé, os orixás, os cantos seriados, os rituais.
               A realização do Encontro Afro atende a proposta de inserção da Lei Estadual nº 6.814/07,sancionada pelo governador Teotônio Vilela Filho em 02 de julho  de 2007(inclui nos currículos da educação básica nas redes oficiais de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira e Afro-alagoana” e  o estudo das relações inter-raciais no ambiente escolar) e a  política educacional do respeito à diversidade étnica e de gênero como  política de estado,discutindo assim   os paradigmas que norteiam o racismo brasileiro, escondido atrás do estigma da  pobreza que assola  a população negra,consolidando os  espaços da discussão da pedagogia crítica  e  construção de uma  igualdade de se ter direito ao exercício da igualdade no ambiente da escola, que ainda  permanece aprisionada em um monólogo de idéias reducionistas e as concepções pedagógicas  fechadas na ótica do Brasil Colônia repelem tudo que sai do padrão do ser homem,branco,cristão e heterossexual.   
 
Fonte: Arísia Barros 
Contatos: (82) 8815-5794 / 3315-1268 

Mobilização

19 de setembro de 2007 Deixe um comentário

INFORME

 
 
              Na última segunda (17.09) a COMISSÃO definida no Encontro de Articulação entre representantes de entidades e organizações negras de Alagoas se reuniu para dar encaminhamento às propostas definidas pelos participantes.
              Foi produzida a CARTA ABERTA e o ABAIXO ASSINADO, que receberá os ajustes finais hoje (19.09). A idéia é que esse material seja assinado pelas entidades concordantes e pessoas físicas interessadas.
              Para dar visibilidade na mídia e no próprio movimento negro, o objetivo é fazer um ATO POLÍTICO CULTURAL no calçadão do comércio, além de adquirir mais assinaturas. E outro objetivo é a entrega do material (carta aberta, abaixo assinado, fotos e recortes de jornal sobre a mobilização) para o Governador de Alagoas e à Fundação Cultural Palmares/Ministério da Cultura.
              É isso!
 
       Helciane Angélica
       (Jornalista e Presidente da ONG Anajô)