Inicial > Notícias e política > Encontro Afro Alagoano

Encontro Afro Alagoano

Jornalista  vencedora do prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos participa de Encontro Afro-Alagoano. 
 

                 O racismo, a discriminação, o preconceito são temas que emergem polêmicos, fecundos e desafiantes nos discursos contemporâneos e sendo a escola o espaço privilegiado para a formação de identidades, seu maior desafio é fazer a transposição do discurso social para práticas pedagógicas que contextualizem um diálogo universal, onde culturas e etnias “falem entre si”.
                  Tendo como sujeitos de direito professores/professoras das três esferas governamentais, comunidade escolar, movimento negro e sociedade civil organizada a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, através da Gerência de Educação Étnico-Racial, realiza, dia 28 de setembro de 2007- Dia da Mãe Preta /Aprovação da Lei do Ventre Livre- no auditório da OAB,o  Encontro Afro Alagoano de Educação: “O Sagrado no Cotidiano da População Afro-Descendente e a Lei nº 6.814/07”, dentre os palestrantes convidados, contaremos com Stela Guedes Caputo,(Maristela Guedes-nome de batismo ), doutora em educação e graduada  em Comunicação Social pela Universidade Estácio de Sá, prêmio Vladimir Herzog de direitos humanos, em 1993, na categoria jornalismo impresso por matéria que denunciou ação de grupos de extermínio na Baixada Fluminense. Stela Caputo ministrará palestra denominada: “Educação e Religiosidade– A Relação da Escola com as  Crianças do Candomblé” que  traz como perspectiva   a criação de pontes pedagógicas que provoquem reflexões e promovam  revisão  na cultura da  dominação ideológica e cultural expressa no currículos da escola que  estabelece “o silêncio da invisibilidade” às expressões africanas de religiosidade como o candomblé, os orixás, os cantos seriados, os rituais.
               A realização do Encontro Afro atende a proposta de inserção da Lei Estadual nº 6.814/07,sancionada pelo governador Teotônio Vilela Filho em 02 de julho  de 2007(inclui nos currículos da educação básica nas redes oficiais de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira e Afro-alagoana” e  o estudo das relações inter-raciais no ambiente escolar) e a  política educacional do respeito à diversidade étnica e de gênero como  política de estado,discutindo assim   os paradigmas que norteiam o racismo brasileiro, escondido atrás do estigma da  pobreza que assola  a população negra,consolidando os  espaços da discussão da pedagogia crítica  e  construção de uma  igualdade de se ter direito ao exercício da igualdade no ambiente da escola, que ainda  permanece aprisionada em um monólogo de idéias reducionistas e as concepções pedagógicas  fechadas na ótica do Brasil Colônia repelem tudo que sai do padrão do ser homem,branco,cristão e heterossexual.   
 
Fonte: Arísia Barros 
Contatos: (82) 8815-5794 / 3315-1268 
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: