Inicial > Opinião > Especial: Mês da Consciência Negra

Especial: Mês da Consciência Negra

Identidade Cultural Nordestina

 

Edisangela Santos*

 

É Indiscutível o pluralismo cultural do Brasil, contudo, mesmo com essa pluralidade é perceptível à presença de traços bastante peculiares dos principais povos formadores de nossa cultura. Há exemplo da região sul, que tem como traços fortes a cultura européia e o norte com a riqueza indígena. Entretanto, é na região Nordeste que encontramos uma raiz muito bem firmada na cultura negra e juntamente a esses traços alguns símbolos descriminados, como o sertanejo: cabloco com feições negras, sendo a população nordestina a maior representante dessa cultura (segundo IBGE) e talvez por isso duplamente discriminada, por ser nordestina e por ser negra.

O NE está intimamente ligado à monocultura da cana-de-açúcar, à vida rural e ao monopólio dos engenhos, sendo natural que suas raízes culturais fortifiquem-se na sociedade agrária. Com a decadência do ciclo dos engenhos e com o aparecimento das usinas de cana-de-açúcar, houve uma marcante modificação na vida sócio-política do nordestino. A casa grande foi substituída pela mansão urbana. O senhor de engenho estereotipou-se de usineiro. A família senhorial mudou-se para a cidade, o cabloco virou boia fria. Afirma Carmem Dantas em “Aspectos da Cultura Popular de Alagoas” (1986).

Os traços da cultura negra se mantém presente, o mais fortemente, naqueles que não haviam como deixar a terra senhorial. É notório o não conhecer dessa cultura nordestina marcada pela influência negra e a forma como a qual os cablocos ficaram subjugados a permanecer na terra onde outrora trabalhavam de maneira servil. Ainda hoje essas características sobrevivem com a visão de agradecimento e obediência, não mais aos senhores de engenho e sim aos usineiros, permanecendo a falta de acesso à cultura, saúde e educação, ficando esses presos, não mais aos ferros e as senzalas, mais a falta de acesso a um entendimento mais amplo da cultura e da sociedade, ou seja, ainda hoje persiste a luta pela liberdade.

 

______________________________

* É Relações Públicas, Produtora Cultural e Secretária Geral e de Comunicação do Anajô

Anúncios
Categorias:Opinião
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: