Arquivo

Archive for março \31\America/Maceio 2008

Serra da Barriga

31 de março de 2008 Deixe um comentário
 

Sociedade civil evidencia a importância da Serra da Barriga

 

Lideranças do movimento negro de Alagoas, professores, gestores e moradores discutiram propostas favoráveis ao Patrimônio Nacional

 

 

 

Por: Helciane Angélica

Jornalista (1102 MTE-AL)

 

 

A Serra da Barriga é o maior patrimônio histórico-cultural e de resistência para o povo afro-brasileiro, localizada no município de União dos Palmares, Zona da Mata de Alagoas, foi o local escolhido para a execução do II Debate Estadual sobre a Serra da Barriga e o Parque Memorial Quilombo dos Palmares. A atividade aconteceu no último sábado (29.03) nas dependências do Parque, das 10 às 16hs.

A programação foi iniciada com o acolhimento afro e o mushaká (momento de reflexão) coordenado pelo Babalorixá Célio Rodrigues. Destacou-se a importância de exaltar o orixá exú – orixá mensageiro, o que abre caminhos e tem o dom da palavra – para energizar todos os participantes e garantir que o encontro tivesse decisões coesas e movidas pela união.  

Para dar continuidade aos trabalhos realizou-se um resumo do I Debate Estadual (maio de 2007) e a leitura do texto-base. Já a mesa-redonda, contou com a explanação do Secretário Estadual de Turismo, Virgínio Loureiro; da Prefeitura de União dos Palmares, representada por Emanuel Cabral – membro do Conselho Municipal de Cultura; e Maria Aparecida Moura, 2ª Coordenadora Geral do Fórum de Entidades Negras de Alagoas (FENAL).

Ao todo estiveram presentes 32 instituições, dentre: representantes dos diversos segmentos afros (capoeiristas, religiosos de matriz africana e grupos culturais), professores, estudantes, sindicalistas, gestores e moradores da Serra da Barriga. Também contou com a presença de órgãos competentes como o 2º Batalhão da Polícia Militar de Alagoas, a Câmara dos Vereadores de União dos Palmares, Comissão de Defesa das Minorias da OAB-AL e a Secretaria Estadual de Cultura de Alagoas.

Devido à forte chuva e a neblina no período da tarde, a estrada que possui vários trechos de barro, ficou escorregadia e impossibilitou a visita à comunidade remanescente de quilombo Muquém, a 5Km da cidade de União dos Palmares. Para a execução do II Debate Estadual contou-se com o apoio da Prefeitura de União dos Palmares; Casa da Indústria; Lojas Paulinas; Sinteal; Sindjornal; Sebrae; a vereadora de Maceió, Fátima Santiago; e os Deputados Estaduais Judson Cabral e Paulo Fernando (Paulão).

 

 

Encaminhamentos

 

O encontro in loco proporcionou o intercâmbio sócio-étnico-cultural entre os participantes, fomentando uma ampla discussão sobre a realidade da Serra Barriga, dificuldades e suas potencialidades no âmbito cultural, histórico, político, educacional e turístico. Além disso, analisaram-se a importância do movimento negro, suas dificuldades e avanços para o fortalecimento da identidade étnica.

Devido à ausência de um representante da Fundação Cultural Palmares, órgão responsável pela administração da Serra da Barriga, muitos questionamentos permanecem latentes e necessitam de respostas imediatas. Para exemplificar, as principais dúvidas referem-se à divulgação do Edital que selecionará a instituição para administrar o Parque; o número exato dos membros (titulares e suplentes) no comitê gestor e suas incumbências; políticas de sensibilização ambiental a serem adotadas; e as condições de sustentabilidade para garantir emprego e a auto-estima dos moradores da Serra e os quilombolas de Muquém.

Sendo assim, será sistematizado um Documento com as perguntas e propostas anunciadas pelos participantes durante as intervenções. O material será encaminhado para o Ministério da Cultura, o comitê gestor do Parque, Ministério Público, Governo de Alagoas, lideranças do movimento negro nacional e os meios de comunicação, além de solicitar uma audiência com a FCP para garantir que a sociedade civil de Alagoas seja escutada.

Na mobilização do Debate estiveram: o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL), Ponto de Cultura Quilombo dos Orixás, Associação de Grupos e Entidades Negras de União dos Palmares (AGRUCENUP), Centro de Cultura e Cidadania Malungos do Ilê, Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado de Alagoas (SINTEP), Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro e o Conselho de Mestres de Capoeira de Alagoas.

Quilombolas

31 de março de 2008 Deixe um comentário

 

Casa do Estudante Quilombola
 
 
Os Agentes de Pastoral Negros (APNs) da Bahia implantaram no dia 20 de fevereiro a Casa do Estudante Quilombola Zumbi dos Palmares, em Vitória da Conquista
 
 
Dezesseis estudantes universitários e pré-universitários já estão residindo na Casa, que foi totalmente equipada com verba de subsídio social destinada aos APNs pelo deputado Waldenor Pereira. Em seu discurso, o deputado ressaltou a parceria entre seu mandato e os agentes, ressaltando a importância do projeto para inclusão sócio-educacional dos estudantes quilombolas.
O secretário Luiz Alberto, que veio a Conquista especialmente para o ato de inauguração, afirmou que o Estado da Bahia deve dar também sua parcela de contribuição para o avanço de políticas públicas voltadas para a comunidade negra, historicamente marginalizada. “O ano passado foi dedicado à arrumação de nossa secretaria”, informou para destacar que alguns projetos serão adotados pela pasta para garantir os direitos de raça e gênero.
O líder comunitário e administrador de empresas Luciano Joaquim, da comunidade quilombola de Barra, no município de Rio de Contas, traçou um histórico da luta desenvolvida na localidade pela garantia dos direitos à educação e saúde, afirmando que a Casa do Estudante Quilombola vai propiciar condições objetivas de permanência dos alunos na universidade. “Temos aqui pessoas que não poderiam dar continuidade aos estudos”, disse.
 
Elizabeth Ferreira (Beta), conselheira nacional da Igualdade Racial e coordenadora estadual de Assuntos Quilombolas, afirmou que a Casa é “um sonho” antigo. Ela lembrou que durante os últimos 20 anos tem desenvolvido ações junto às comunidades quilombolas de toda a região, tendo observado que uma das principais carências dos estudantes que concluem o 2° grau é prosseguir nos estudos em função da falta de condições financeiras para se ficar na cidade. “Acredito que estamos dando um passo inicial, mas vamos precisar do apoio de outras instituições e pastas do governo para dar manutenção ao nosso projeto”, finalizou. 
 

Capoeira

31 de março de 2008 Deixe um comentário

 

Avanços da capoeira em Alagoas

 

            Cerca de 30 mestres de capoeira se organizaram para criar o Conselho Estadual de Mestres de Capoeira de Alagoas. Dentre os principais objetivos estão: discutir a implementação de políticas públicas direcionadas a capoeira em Alagoas; promover formação continuada para mestres; participar das discussões em torno da implementação das Leis Federal 10.639/03 e Estadual 6.814/07 que tratam da obrigatoriedade do ensino da história da África e da cultura afro-brasileira nas escolas públicas; a inclusão de forma específica da capoeira em editais estaduais e municipais de cultura, a exemplo dos publicados pelo Ministério da Cultura.

            A proposta do Conselho é transformar o ensino da capoeira numa disciplina formal nas escolas públicas está baseada nas Leis Federal e Estadual, em experiências isoladas, como a de Arapiraca que já aprovou, através da Câmara Municipal, a obrigatoriedade da capoeira nas escolas do município.

            O I Encontro de Mestres do Estado já está confirmado para o dia 3 de abril, às 14h, no Memorial da República, no bairro do Jaraguá. A atividade conta com o apoio logístico da Secretaria Estadual de Cultura. Nesse encontro, serão discutidos o estatuto e regimento do Conselho de Mestres, os critérios para a composição da diretoria, além dos objetivos e estratégias de atuação do mesmo.

 

Midia

31 de março de 2008 Deixe um comentário
 

Cojira investe na mídia afro

 

                                                                                   

 

Por: Helciane Angélica (Jornalista – 1102 MTE/AL)

 

 

 

Já foi o tempo que as questões étnico-raciais tinham visibilidade apenas nos meses de maio e novembro, com notícias sobre a abolição da escravatura e o Dia Nacional da Consciência Negra. O movimento negro fortalece suas ações a cada dia e se ramifica em vários segmentos, porém ainda sente dificuldades na divulgação das suas atividades.

 Pensando nisso, a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL) desenvolve a interlocução entre os ativistas e os meios de comunicação de Alagoas. Hoje, a sua principal ferramenta de trabalho é o blog: WWW.cojira-al.blogspot.com, que apresenta notícias diversificadas sobre a realidade da população negra produzidas pelos seus membros ou retiradas dos principais meios de comunicação, além de divulgar as atividades políticas-culturais dos segmentos afros, fotos, poesias, artigos e outros.

Alagoas foi o quinto Estado da Federação e o primeiro do Nordeste a implantar a Cojira. É interligada ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal), e a instalação ocorreu no dia 24 de novembro de 2007. Para obter mais informações e enviar seu material, basta entrar em contato com: cojira.al@gmail.com.

 

MOBILIZAÇÃO

26 de março de 2008 Deixe um comentário
 

 

Movimento Negro discute políticas-culturais para a Serra da Barriga

 

O II Debate Estadual in loco reunirá representantes de segmentos afros, professores, estudantes, gestores e quilombolas no dia 29 de março

 

 

 

Por: Helciane Angélica

Jornalista (1102 MTE-AL)

 

 

A Serra da Barriga localizada no município de União dos Palmares, Zona da Mata de Alagoas é considerada um palco sagrado e de resistência para o povo afro-brasileiro. È também o centro de homenagens, pesquisas, romarias e encontros como o II Debate Estadual sobre a Serra da Barriga e o Parque Memorial Quilombo dos Palmares, que será realizado no dia 29 de março nas dependências do Parque.   

O debate in loco promoverá o intercâmbio sócio-étnico-cultural entre lideranças dos segmentos afros (capoeiristas, religiosos de matriz africana, grupos culturais, organizações políticas), representantes da comunidade quilombola Muquém, professores, estudantes, gestores e sociedade civil. Tem com objetivo a discussão de propostas favoráveis ao Patrimônio Nacional, além de definir o real papel do movimento negro alagoano junto ao comitê gestor do Parque – recentemente anunciado pela Fundação Cultural Palmares, órgão do Ministério da Cultura.

A programação será composta por um acolhimento afro, mesa-redonda, debate e visita a comunidade remanescente de quilombo Muquém, a 5km da cidade de União dos Palmares. O encontro conta com o apoio da Prefeitura de União dos Palmares; Casa da Indústria; Lojas Paulinas; a vereadora de Maceió, Fátima Santiago; e os Deputados Estaduais Judson Cabral e Paulo Fernando (Paulão).

Na mobilização deste Debate encontram-se a comissão organizadora composta pelo: Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL), Ponto de Cultura Quilombo dos Orixás, Associação de Grupos e Entidades Negras de União dos Palmares (AGRUCENUP), Centro de Cultura e Cidadania Malungos do Ilê, Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado de Alagoas (SINTEP), Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro e o Conselho de Mestres de Capoeira de Alagoas.

 

Programação

07h00 – Concentração na Praça Sinimbú, Centro de Maceió. 

07h30 – Saída dos participantes (ônibus disponibilizado para os inscritos)

10h00 – Acolhimento afro e momento de reflexão (mushaká) coordenado pelo Babalorixá Célio Rodrigues.

10h15 – Lanche

10h30 – Leitura expositiva do Relatório sobre o I Debate Estadual (realizado em maio de 2007) e texto-base produzido pela comissão organizadora.

10h50 – Mesa-redonda

11h50 – Debate

13h30 – Almoço

15h00 – Visita a comunidade remanescente de Quilombo Muquém e apresentações culturais coordenadas pela Agrucenup.

17h00 – Encerramento das atividades

 

 

Serviços

 

II Debate Estadual – políticas favoráveis a Serra da Barriga

Local: Parque Memorial Quilombo dos Palmares, localizado no platô da Serra da Barriga em União dos Palmares.

Quando: 29 de março de 2008 (sábado)

Custo: R$ 10,00 (dez reais) para a alimentação.

Contatos: 8831-3231 (Helciane), 9999-1301 (Valdice), 8823-6646 (Madalena) e 8819-6762 (Amaurício), 3336-7464 (Sintep).

 

 

OPINIÃO

19 de março de 2008 Deixe um comentário
 
21 de Março – DIA DE REFLEXÃO
 
Há 45 anos o Brasil assinou uma carta de compromisso pela eliminação da prática do racismo, cuja época houve uma campanha internacional dado ao vergonhoso acontecimento três anos antes na África do Sul, quando o poder militar hegemonicamente branco massacrou centenas de manifestantes. O Mundo ou pelo menos parte dele, passou a ter ciência que no dia 21 de março de 1960, o Regime do APARTHAID da África do Sul, massacrara covardemente uma população indefesa e demonstrara que o racismo é como uma “doença contagiosa” capaz de levar ao extremo as bestialidades do etnocentrismo segregacionista.
No caso do Brasil que assinou o documento em 27 de março de 1963, é fato que o seu racismo tanto na sociedade, quanto de forma institucional ainda vigora na contemporaneidade. Não é incomum sabermos que pessoas sem padrão europeu são vítimas constantes dessa prática dentro das instituições e fora delas, principalmente em se tratando no campo de emprego, saúde, segurança, educação e outros. O preconceito de cor reafirma cotidianamente que a ideologia do branqueamento é vigente e muito ainda haveremos de lutar para extinguir está lástima que degenera a humanidade.
Estamos a 48 anos do massacre de Shaperville na África do Sul onde foram ceifadas sessenta e nove vidas de pessoas indefesas e mais de uma centena de feridos entres homens, mulheres e crianças sob a óptica indiferente de um regime político segregacionista e desumano. Em verdade, as atrocidades do APARTHEID demonstrou o que nos dias atuais ainda se confirma como uma prática vergonhosa, ainda mantida por pessoas que lastimavelmente acreditam em superação de uma raça sobre outra, considerando sobretudo a cor da pele, dos olhos, do tipo de cabelo e nível sócio-cultural e religioso.
É sabido que nas últimas três décadas aconteceram importantes intervenções internacionais contra a prática do racismo, a exemplo; das Conferências Mundiais ocorridas em Genebra em 1978 e 1983 respectivamente; da Declaração de Viena e o Programa de Ação, adotados pela Conferência Mundial de Direitos Humanos em junho de 1993 e da Conferência de Durban – África do Sul, realizada em 2001, o qual se transformou no Ano Internacional de Mobilização Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. O Brasil inteiro foi mobilizado para discutir a temática anti-racista e propor ações inerentes. Alagoas inclusive fez a sua parte.
Lamentavelmente ainda termos de assistir vários tipos de agressão, munidas de preconceitos e discriminações às tantas pessoas negras e indígenas no Brasil, Principalmente quando nas entrelinhas constatam-se uma prática que aposta na impunidade, proveniente de total ignorância ou desrespeito as leis existentes em favor desses povos.
Atualmente, tanto os segmentos do Movimento Negro, quanto parlamentares, gestores públicos, magistrados, educadores e a sociedade em geral, precisam atentamente fomentar e implementarem ações permanentes contra essa prática vergonhosa que assola o mundo a exemplo da nação brasileira.
Que no dia 21 de março – Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial – cada pessoa, independente da sua etnia, religião ou condição social, esteja atento e consciente para uma reflexão que o faça perceber que discriminar ou outro por não estar dentro do seu entendimento de padrão é sobretudo uma prática ensimesmada, vergonhosa, abominável e criminosa.
 
Helcias Pereira
  • Membro do Centro de Cultura e Estudos Étnicos – ANAJO
  • Membro do Conselho Diretor do Instituto Magna Mater
Categorias:Opinião

INFORME

19 de março de 2008 Deixe um comentário

 

Governo federal altera data de realização da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial para maio de 2009

 

 Foi publicado no último dia 13 de março no Diário Oficial da União, um decreto do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que altera a data de realização da II Conapir – Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

 De acordo com o documento, a conferência acontecerá no período de 13 a 15 de maio de 2009 sob a coordenação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República e do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial, com o objetivo de analisar e repactuar os princípios e diretrizes aprovados na I Conferência Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e avaliar a implementação do Plano Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

 O decreto de 12 de março de 2008 dá nova redação somente ao artigo 1o do Decreto de 19 de outubro de 2007, que convoca a II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

 Fonte: Assessoria de Comunicação Social Seppir/PR

Categorias:Informes

Notícia

17 de março de 2008 Deixe um comentário
 

Movimento Negro realiza II Debate Estadual sobre a Serra da Barriga

 

 

*Helciane Angélica

Jornalista (1102 – MTE/AL)

 

 

Lideranças de diversos segmentos do movimento negro alagoano (capoeiristas, religiosos de matriz africana, grupos culturais, organizações políticas); professores; estudantes; gestores; quilombolas e sociedade palmarina participarão do II Debate Estadual sobre a Serra da Barriga e o Parque Memorial Quilombo dos Palmares. A atividade acontecerá no dia 29 de março, das 10 às 14hs nas dependências do Parque.

O encontro in loco tem como objetivo o intercâmbio sócio-étnico-cultural entre os participantes; a discussão sobre o papel do movimento negro nas ações políticas-culturais favoráveis a Serra da Barriga; e a necessidade de uma interação permanente entre o poder público responsável pelo Patrimônio Nacional e a sociedade civil organizada.

O primeiro debate ocorreu em maio do ano passado e foi liderado pela organização não-governamental Anajô, que serviu para esclarecer as dúvidas sobre a implantação e funcionalidade do Parque Memorial Quilombo dos Palmares – primeiro projeto paisagístico arquitetônico dentro da contextualidade afro-ameríndia no Brasil e o único no continente americano.

Na articulação do II Debate Estadual encontram-se o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL), Ponto de Cultura Quilombo dos Orixás, Associação de Grupos e Entidades Negras de União dos Palmares (Agrucenup), Centro de Cultura e Cidadania Malungos do Ilê, Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado de Alagoas (SINTEP), Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro e Conselho de Mestres de Capoeira de Alagoas.

Para participar é necessário contribuir com uma taxa de R$10,00 (dez reais) e preencher a ficha de inscrição. As inscrições acontecem no período de 17 a 26 de março, das 9h às 12h e das 15h às 18h no SINTEP, localizado na Rua Lourival Vieira Costa, 32, Prado – próximo a Praça da Faculdade. Contatos: 3336-7464 (Sintep) / 8831-3231 (Helciane) / 8823-6646 (Madal) / 8819-6762 (Amaurício) / 8862-3942 (Filó).

 

Serra da Barriga

A Serra da Barriga situada na cidade de União dos Palmares, zona da mata do Estado de Alagoas, encontra-se a 500 metros acima do nível do mar, no então Planalto da Borborema e próximo ao Rio Mundaú. Também conhecida como Cerca Real dos Macacos, foi a sede administrativa do Quilombo dos Palmares, berço de liberdade para guerreiros e guerreiras quilombolas.

Considerada um palco sagrado e de resistência do povo afro-brasileiro, teve seu reconhecimento quando foi tombada em 1985 como Patrimônio Histórico, Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Trata-se de um local de grande importância política-cultural – é o centro de homenagens, oferendas, pesquisas, encontros, romarias e grandes concentrações no Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro).

 

___________________________________________

Helciane Angélica – (82) 8831-3231/ 3356-5049

helciane.angelica@gmail.com

É Jornalista; Presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô; e integrante da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de Alagoas (Cojira/AL)

CAPACITAÇÃO

17 de março de 2008 Deixe um comentário
 

REPRESENTAÇÃO NORDESTE – MINISTÉRIO DA CULTURA BOLETIM EXTRAORDINÁRIO

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM PROJETOS CULTURAIS
Realização: Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura – SEFIC

Parcerias: Serviço Social da Indústria – SESI; Banco do Nordeste – BNB

O QUE É
Dedicado a gestores, empreendedores e agentes culturais da Região Nordeste, neste primeiro momento, o Programa de Capacitação me Projetos Culturais oferece aos participantes noções conceituais sobre elaboração e desenvolvimento de projetos culturais; políticas públicas de cultura e economia da cultura, com foco nas experiências brasileiras; orientação quanto as principais fontes de financiamento existentes, bem como instrumentalização para o uso das Leis de Incentivo à Cultura. Esta é uma ação pioneira no campo cultural que, por meio de uma aliança estratégica, integra esforços DOS setores público, privado e Financeiro, articulando competências das instituições envolvidas, objetivando fomentar o desenvolvimento cultural do país, reduzindo desigualdades regionais no acesso a recursos, bens, produtos e serviços Culturais.

QUEM SÃO OS INTERLOCUTORES
A Coordenação-Geral de Orientação e Integração – CGOI, a qual integra esta SEFIC, é a unidade coordenadora desta ação, tendo como titular a Srª Teresa Cristina Rocha Azevedo de Oliveira. Esta realização conta também com a participação da Representação Regional do MinC – Nordeste, que tem como titular Tarciana Portella.

COMO FUNCIONA
O Programa prevê a realização de cursos, me estrutura modular com 2 (dois) dias de duração, e inclui seminários e rodadas de negócios, que não possuem limite de participantes.

COMO PARTICIPAR
As inscrições devem ser feitas com a informação de Nome Completo e número de RG enviadas para o e-mail curso.mincne@gmail.com, até às 18 horas do último dia do período de inscrição, conforme abaixo.

Maceió/AL
Local do curso: Sala do Mini Auditório (1º andar) – SENAI/AL – Casa da Indústria –Napoleão Barbosa Fernandes Lima, 385, Farol- Maceió/AL
Fone: (82) 2121.3087/ 9308.0711 (Jorge)
jorge@
al.sesi.org.br
Inscrição: 17/03 a 24/03/2008
Realização: 31/03 e 1º/04/2008


PROGRAMA DO CURSO
1º dia:

Manhã (8h30 às 12h)
8h30 – Credenciamento
9h – Apresentação sobre a dinâmica DOS trabalhos
MÓDULO I – Gestão Empreendedora – Parte I
10h45 – Coffee break
11h – Economia da Cultura, com foco nas experiências brasileiras (MinC)
12h – Almoço

Tarde (13h30 às 18h)
MÓDULO I – Gestão Empreendedora – Parte II
13h30 – Tecnologia SESI de investimento me cultura – (SESI)

15h30 – Coffee break
15h45 – Lei de Incentivo à Cultura (MinC)
17h – Debate
18h – Encerramento


2º dia:

Manhã (9h às 12h)
MÓDULO II – Planejamento e Financiamento Capacitação técnica/profissionalização
9h – O desafio de elaborar e viabilizar projetos culturais (SESI)
10h45 – Coffee break
11h – Como encaminhar propostas culturais ao Ministério da Cultura (MinC)
12h – Almoço

Tarde (13h30)
14h- MÓDULO III – Política e Programas do BNB para apoio à Cultura (BNB)
17h– Rodadas de negócios (BNB)
18h – Encerramento com Coffee break.

DÚVIDAS E OUTRAS INFORMAÇÕES
Andréa Pereira: Representação Regional Nordeste do MinC
Telefones: (81) 3424.7611 , 3224.1899
E-mail: andrea.pereira@minc.gov.br

Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura
Rua do Bom Jesus, 237, Bairro do Recife
Recife – Pernambuco – CEP 50030-170
Tel-fax: (81) 3424.7611
nordeste@minc.gov.br

 

Categorias:Informes

Notícia

17 de março de 2008 Deixe um comentário
 

FENAL tem nova Diretoria: “Resistência Negra”

 

 

*Helciane Angélica

Jornalista (1102 – MTE/AL)

 

 

No último dia 15 de março foi realizada a eleição da nova Diretoria do Fórum de Entidades Negras de Alagoas (FENAL), que ocorreu no auditório do Museu de Imagem e Som (MISA) no bairro do Jaraguá em Maceió. Na ocasião, foram discutidos aspectos estatutários e administrativos da entidade, além da apresentação da chapa única Resistência Negra , eleição e apuração de votos.

Atualmente, o Fórum possui cerca de 35 grupos afro-culturais e políticos filiados, e tem como meta a adesão de novas entidades. Na Assembléia eletiva participaram 12 entidades, porém na condição de observadores estiveram o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô e Abasá de Angola (casa de religião afro). Não foi registrada a presença de grupos oriundos de União dos Palmares.

Dentre as entidades que estiveram presentes e aptas para votar, foram: Federação de Capoeira de Alagoas (FALC); Orquestra de Tambores (grupo percussivo); Civilização Roots (banda de reggae); Arca de Zambo (banda afro); Timbatuk (grupo percussivo); Ojú Omin Omoriwa (grupo de dança afro); Tambores do Trapiche (grupo percussivo);  Núcleo de Cultura Afro-Brasileiro Iyá Ogun-té (casa de religião afro); Centro de Cultura e Cidadania Malungos do Ilê; Centro de Estudos e Pesquisas Afro-alagoano Quilombo.

O FENAL foi fundado em outubro de 2005 e na sua administração constam 12 membros, sendo seis diretores e seis conselheiros fiscais. Veja os integrantes da gestão Resistência Negra (2008-2010):

 

Diretores

1ª Coordenadora Geral: Ana Paula da Silva

2ª Coordenadora Geral: Maria Aparecida dos Santos Moura

1º Secretário: Amaurício de Jesus

2º Secretária: Silvana de Souza Santos

1º Tesoureiro: Otávio de Souza Rocha

2º Tesoureiro: Denivam Costa de Lima

 

Conselho Fiscal

Titulares: José Wilson dos Santos, Wellington Santana dos Santos e Agantângelo de Souza Rocha.

Suplentes: Roberto Albuquerque Júnior, Jadilson Domingos Serafim dos Santos e José Robson da Silva.

 

De acordo com a 1ª Coordenadora Geral eleita, Ana Paula da Silva, “o nome Resistência Negra surge como uma idéia de renovação e resgate de cidadania da população afrodescendente, numa proposta que venha ser participativa, buscando parcerias que corroborão nesse processo histórico e democrático”, afirmou. Sobre as metas da entidade destacou: “Vamos lutar para virar Lei o Estatuto da Igualdade Racial, vamos trabalhar junto às instâncias de educação e na implementação da Lei 10.639/03 (…) combater o racismo em todas as suas esferas, tendo como eixo a organização, mobilização e resgate dessa identidade que a tantos anos foi negada. Buscar essa identificação em cada comunidade, que atua no anonimato para tornar cada uma e cada um protagonista dessa ação cidadão”, disse Ana Paula.