Início > Opinião > OPINIÃO

OPINIÃO

 
 

RUMO A UMA NOVA SERRA DA BARRIGA

 

 

Helcias Pereira*

 

 

Como todos sabemos a Serra da Barriga passou por várias situações nas últimas duas décadas, cujo movimento negro tanto local quanto nacional desenvolveu um importante trabalho em sua defesa e valorização, haja vista, a conquista do seu tombamento e reconhecimento do IPHAN quanto a sua importância histórica, paisagística e arqueológica.  No entanto, apesar dessas conquistas, tornou-se evidente que na ultima década a Serra da Barriga deixou de ser o foco principal e amargou o crivo do abandono, cujos sítios arqueológicos foram irresponsavelmente violados e contaminados, além do desmatamento e uma conseqüente destruição da sua fauna e flora, mediante todo uma generalizada omissão por parte daqueles que poderiam transformar sua realidade e mantê-la permanentemente vitalizada até os dias atuais.

 

Mesmo sendo um patrimônio tombado e sob responsabilidade da Fundação Cultural Palmares a qual tem sido alvo de críticas por quem se acha no direito de fazê-las, entendo que o papel do Movimento Negro, ou pelo menos, dos segmentos que se preocupam com uma Serra verdadeiramente vitalizada e respeitada na sua essência, deve ser, sobretudo, um papel de fomento, interatividade, unicidade e comprometimento pelo seu avivamento. Nesse tocante, entendo que a FCP tem o dever de escutar e acolher nossas inquietações, e para isso, concomitantemente, precisamos necessariamente ser criteriosos e coerentes com relação às críticas, dado a nossa meia culpa em não acompanhar de fato o dia-a-dia da histórica Serra e principalmente pela inoperância da maioria em não apresentar propostas viáveis em favor da mesma, uma vez que muitos “militantes” sequer visitam a Serra a não ser no dia 20 de novembro. Preocupo-me inclusive pelos muitos que só sabem discursar e fazer políticas sem ao menos conhecer a história propriamente dita.

 

Não há espaço, e nem podemos deixar que façam da Serra da Barriga, um trampolim político-eleitoreiro e meramente aproveitador, por isso desde maio de 2007, o Centro de Cultura e Estudos Étnicos – ANAJO vem “provocando” com seriedade todas as possíveis lideranças dos segmentos e instituições governamentais quanto às questões inerentes a Serra da Barriga considerando toda sua contextualidade. Temos visitado de forma ordinária o PMQP, ouvido turistas, moradores, técnicos institucionais e ativistas de vários recantos do Brasil, e quase sempre nos defrontamos com duas avaliações: A beleza e importância do PMQP, bem como, a necessidade de uma política séria em favor da Serra da Barriga.

 

Quando o INSTITUTO MAGNA MATER conseguiu captar recursos e construir na área do platô o PARQUE MEMORIAL QUILOMBO DOS PALMARES, contribuiu efetivamente na transformação dessa história e consolidou parte de um sonho que vigorava há mais de 20 anos para muitos alagoanos e brasileiros. Quem for visitar a Serra da Barriga hoje, e assim sendo, se dirigir diretamente ao seu “platô” de onde sempre acontecem homenagens durante a Semana da Consciência Negra, constatará que mesmo ainda sem a presença de um administrador, o PMQP está sendo cuidado na medida do possível, inclusive com o importante apoio dos gestores municipais de União dos Palmares que mantêm pelo menos quatro moradores sendo assalariados para esse fim, além da Guarda Florestal que presta serviço a FCP e tem se desdobrado para cobrir sua extensão geográfica.

 

No entanto, uma coisa é a consolidação do Parque que mudou definitivamente o ambiente e a estada de seus visitantes e que precisa urgentemente de alguém de fato administrando-o e funcionando como um todo, outra coisa é discernir e englobar toda dimensão da Serra da Barriga que vez ou outra sofre queimadas e quase sempre desmatamento, mesmo com a ação incansável dos poucos guardas florestais ali presentes. É claro que olhar a Serra como um todo é muito mais complexo e infelizmente fora do conhecimento e alcance óptico de muitos que abrem a boca para falar da Serra da Barriga como se fossem detentores da sua história e nada fazem a não ser discursos e críticas.

 

Evidentemente houve companheiros que lutaram bravamente para manter a Serra sempre em evidência e livre de transtornos, mas que na maioria das vezes ficaram sozinhos na luta, por isso, é que estamos promovendo esses debates, e buscando ampliar com seriedade e transparência as parcerias e responsabilidades para que de fato, possamos encaminhar todas as demandas em favor dessa causa.

 

Entendo que com a presença do PARQUE MEMORIAL QUILOMBO DOS PALMARES, todos haveremos de ganhar e ainda poderemos ampliar essa vitória, sobretudo, dimensionando o foco nas políticas públicas que possibilitem a consolidação de novos projetos e ações em favor da Serra da Barriga em sua contextualidade.

 

Não é muito dizer que queremos uma SERRA literalmente livre, respeitada, vitalizada, e presente na vida e nos sonhos de cada um de nós. Não é muito sonharmos a hipótese de uma comunidade negra e não negra unida em seu entorno, e que todos conscientemente juntos, possamos vivenciar uma forma contemporânea de experiências, donde o verdadeiro sentido de vida do HEROI ZUMBI DOS PALMARES e todos os mártires quilombolas estejam presentes nas nossas vidas.

 

Conclamo a todos para refletirmos e nos comprometermos com coerência e discernimento nessa nova etapa de luta, e juntos possamos construir uma consistente e importante página da história.

 

 

*Helcias Pereira

Militante Negro desde 1988

Membro do Centro de Cultura e Estudos Étnicos – ANAJO

Membro do Conselho Diretor do Instituto Magna Mater

Categorias:Opinião
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: