CRQ

 
 
Boleiras do Quilombo nos festejos juninos de Maceió
 
 

Texto e fotos: Helciane Angélica

Jornalista, Presidente do Anajô e integrante da Cojira/AL

As boleiras do Quilombo, comunidade remanescente de Santa Luzia do Norte, abrilhantaram os festejos juninos do Jaraguá. De 21 a 30, das 18 às 2h da manhã, na Praça Marcílio Dias, elas comercializaram os deliciosos quitutes como: tapioca, pé-de-moleque, canjica, bolos de macaxeira, massa-puba e milho, a preço popular.
Integrantes do projeto Boleiras do Quilombo, utilizam as principais matérias-primas da comunidade, o milho e a mandioca, para produzir comidas típicas do segmento afro. Também já passaram por cursos de capacitação fornecidos pelo Sebrae e pela Secretaria de Trabalho.
 

 
Para manter a barraca, as boleiras contaram com o apoio da Prefeitura de Maceió e da Secretaria Estadual da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos. De acordo com Elis Lopes, gerente quilombola de Alagoas, a participação dessas mulheres na programação é extremamente importante. "Foram elas mesmas que demonstraram interesse em participar da programação e mostrar o trabalho da comunidade. E a importância deve-se principalmente pela valorização dessa produção tradicional, além de dar uma oportunidade de renda para os quilombolas", afirmou.
 
 
 
 
A comunidade foi reconhecida em 2005 pela Fundação Cultural Palmares. Possui 300 famílias que levam a sério a herança cultural deixada pelos antepassados: investem na agricultura familiar, principalmente, na plantação de mandioca; e também sobrevivem da pesca e dos mariscos na Lagoa Mundaú.
As denominações quilombos, mocambos, terra de preto, comunidades remanescentes de quilombos, comunidades negras rurais e comunidades de terreiro, não caracterizam os "descendentes de escravos" (termo pejorativo). E sim, representam os grupos sociais afros-descendentes  que resistiram ou, manifestamente, se rebelaram contra o sistema colonial e contra sua condição de cativo, formando territórios independentes onde a liberdade, o trabalho e o companheirismo se diferenciava do regime de trabalho adotado pela metrópole. Ao todo, existem 46 comunidades remanescentes em Alagoas e 22 receberam as certidões de reconhecimento, publicadas no Diário Oficial da União.

 
 
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: