Arquivo

Archive for julho \30\UTC 2008

CAPOEIRA

30 de julho de 2008 Deixe um comentário
 

Alagoas sedia Encontro Internacional de Capoeira

 

De 31 de julho a 03 de agosto, acontece nos municípios de Maceió e União dos Palmares o I Muzenzumbi – “Capoeira na Terra de Zumbi”

 

 

Texto: Helciane Angélica (Jornalista – 1102 MTE/AL)

Foto: Divulgação

 

               

Já faz uma semana do reconhecimento da capoeira como Patrimônio Nacional, mas a festa ainda continua. Alagoas sediará o I Muzenzumbi Capoeira Internacional – “Capoeira na Terra de Zumbi”, nos dias 31 de julho a 03 de agosto, nas cidades de Maceió e União dos Palmares. A atividade é organizada pelo Grupo Muzenza.

Participam Mestres, professores e alunos de capoeira de Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Bahia, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Israel. A estimativa é reunir 500 participantes, as inscrições são gratuitas e também estão disponíveis para simpatizantes.

A programação inicia com uma palestra sobre “Religião de Matriz Africana” ministrada pelo historiador e babalorixá Célio Rodrigues, às 20h, no Centro de Treinamento (sede) – localizado na Rua da Saudade, nº 60, Clima Bom 1. E na sexta-feira, acontecem rodas de capoeira às 17h no calçadão do comércio de Maceió, e às 20h, na sede do Muzenza.

Durante o final de semana, as atividades continuam em União dos Palmares. No sábado (02) às 18h, será inaugurado no bairro Jatobá o Centro de Treinamento do município. Os participantes terão a oportunidade de visitar à Serra da Barriga, local sagrado e palco da resistência negra, no domingo pela manhã. O encontro encerra às 15h, na Praça Basiliano Sarmento, com aulão de capoeira, batizado e trocas de cordas.

De acordo com Marcelo Cardoso (Mestre Girafa), coordenador do Grupo Muzenza em Alagoas, o encontro estimulará o intercâmbio sócio-desportivo e cultural. “Iremos mostrar um pouquinho da capoeira alagoana para o mundo”. Afirmou ainda a importância do evento para o crescimento da capoeira local. “Esse evento tem grande importância porque fortalece a capoeira de Alagoas, ao trazer mestres e contra-mestres de vários Estados que possuem experiência nacional e internacional. A maioria dos mestres que estão vindo, ministram cursos em diversos países do mundo. O Mestre Burguês (coordenador nacional do grupo) chega no sábado, vem direto da Europa”, declarou.

            O evento conta o apoio da Fundação Cultural Palmares/Ministério da Cultura; Secretaria Estadual da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos; Fundação Municipal de Ação Cultural de Maceió; e a Prefeitura de União dos Palmares.

 

                                                                    

 

             Muzenza

            A Associação Muzenza de Capoeira é um dos grupos mais conhecidos e tradicionais da modalidade. Fundado em 05 de maio de 1972, busca desenvolver o nível técnico, teórico e didático-pedagógico dos capoeiristas, além de valorizar os Mestres experientes.

            Encontra-se em todo território nacional e 45 países (04 continentes), introduziu a capoeira em clubes, quartéis, escolas, academias, comunidades carentes e negras. Já realizou 03 campeonatos mundiais, 06 Opens de capoeira e diversos eventos no Brasil e no mundo.

            No estado de Alagoas, o grupo encontra-se em Maceió (Clima Bom, Complexo do Benedito Bentes, Jacintinho, Chã da Jaqueira, Feitosa, Pestalozzi) e nos municípios de União dos Palmares, Delmiro Gouveia e Arapiraca. Há 13 anos utiliza a capoeira como ferramenta de inclusão social e educacional, realizando um amplo trabalho na periferia, em escolas das redes particulares e públicas; inclusive, com portadores de necessidades especiais.

 

            Capoeira

A capoeira é uma das principais riquezas da cultura afro-brasileira une dança, música e luta. Praticada em mais de 150 países, por capoeiristas das mais variadas classes sociais e faixas etárias, sem discriminação quanto à religião, raça e gênero. Divide-se em dois estilos angola e regional, além de ter outras manifestações como: Maculelê, Puxada de Rede, Samba Duro e de Roda.

No dia 15 de julho, a capoeira foi eleita Patrimônio Cultural, pelo Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Entrou na lista dos 14 patrimônios culturais do País, e o processo de registro inclui a roda de capoeira no Livro das Formas de Expressão e a criação de um plano de previdência especial para os "velhos mestres".

 

 

SERVIÇOS

 

Associação Muzenza de Capoeira – AL

Rua da Saudade, Nº 60, Clima Bom I. Tabuleiro Dos Martins. Cep: 57071-870 / Maceió-AL

Contatos: (82) 3033-3833 / 8814-4366 / 8816-6143 / 8808-9366

ARTIGO

30 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
 A afirmação da capoeira 

Zulu Araújo
Presidente da Fundação Cultural Palmares 


Ao registrar a capoeira como patrimônio cultural, o Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan) deu uma enorme contribuição à história do Brasil, no que tem de mais singular na herança do povo negro. A formação da identidade cultural brasileira é construída todos os dias pela conscientizaçã o de cada cidadão, que, nesses muitos séculos, vem protagonizando histórias em que se afirma a rica diversidade cultural na qual se formou este país. Ainda é preciso muito para romper a fronteira da intolerância. Mas ao nos defrontarmos com uma ação política dessa envergadura, só temos a comemorar.

O reconhecimento da capoeira como patrimônio cultural aproxima o Brasil, segundo disse Juca Ferreira, secretário-executivo do Ministério da Cultura, do ideal da democracia racial. Isso leva em conta o resgate e a valorização das raízes africanas na cultura brasileira, conduzida pela Fundação Cultural Palmares, que, desde sua criação, há vinte anos, destaca-se pela produção e divulgação dos saberes culturais afro-brasileiros. O registro da capoeira como bem imaterial é apenas uma das muitas batalhas em que se envolveu a Fundação Palmares nesse processo permanente de assegurar as condições de igualdade ao proporcionar visibilidade às manifestações culturais da comunidade negra.

De origem remota e controversa, é verdade que a capoeira é brasileira. Foi aqui que fincou suas raízes e criou mitos e lendas, como a que envolve o mestre Besouro e tantos outros, na afirmação da resistência contra a opressão. A capoeira, hoje, é parte do cenário urbano. Perseguida por quase trezentos anos, era praticada às escondidas. Marginalizada, era jogo que se jogava por alguns corajosos. Era apenas uma tradição dos negros.

Herança deixada pelos negros bantos, vindos de Angola como escravos, foi cultivada e praticada por escravos fugitivos que, ameaçados de recaptura, defendiam-se, usando a técnica. Para não levantar suspeitas, os movimentos da luta foram adaptados às cantorias africanas para que parecessem uma dança.

A proposta de registro foi aprovada por aclamação pelos conselheiros do Iphan, que souberam reconhecer o valor dessa arte, que chegou a ser criminalizada e, hoje, é símbolo da identidade afro-brasileira. Foi mestre Pastinha que enfatizou o lado lúdico e artístico da capoeira, destacando os treinos de cantos e toques de instrumentos. Como o era para ele, também é para nós: a capoeira é um esporte, uma luta, mas também uma reza, lamento, brincadeira, dança, vadiagem e um momento de comunhão.

A benção Mário de Andrade que inspirou Aloísio Magalhães, à frente do Iphan na década de 1980, que concluiu, assim como o escritor, que o conceito de bem cultural no Brasil não deveria ficar restrito aos bens móveis e imóveis. Para Magalhães, é a partir do fazer popular "que se afere o potencial, se reconhece a vocação e se descobrem os valores mais autênticos de uma nacionalidade" . Hoje, o nosso olhar se volta para os mestres da capoeira, para as baianas do acarajé, para o samba de roda do Recôncavo Baiano, para a Feira de Caruaru, para os pés dos pernambucanos dançando o frevo, para a delícia do queijo de Minas e tantos outros fazeres populares, já tornados patrimônios culturais, que fazem essa rica nação brasileira.

A cultura brasileira não ficou mais rica do que já é. Eis o desafio: valorizar esses saberes e dar-lhes a dimensão exata do que é. Não é o exótico, nem a folclorização. Não é o que o turista estrangeiro vem ver. Mas reavivar esses saberes como manifestos de resistência contra a violência das desigualdades, que ainda mancham a nossa história.

É a ação que vence a resistência dos que não querem conviver com as transformações que o país exibe em toda a sua pujança. Graças a essa vitalidade e resistência de um povo destemido é que o futuro se apresenta melhor.

O Brasil está mais alegre ao som dos berimbaus, que soam nas praças, nas rodas de capoeira, no bailado dos corpos negros. É a estética da resistência. É o mostrar-se ao mundo, com dignidade. É o saber cultural de um povo forjado na luta que está inscrito para sempre na história da identidade brasileira.

A benção mestre Pastinha, mestre Bimba, mestre João Pequeno ….
 
___________
artigo publicado originalmente no jornal A Tarde, 19/07/2008

Categorias:Opinião

CINE-FÓRUM

27 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
 

                                        Teatro do Oprimido – Anajô

 

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do movimento negro, é uma das agentes multiplicadoras do Teatro do Oprimido em Alagoas. Neste sábado (02) às 9h, na Escola Estadual Pedro Teixeira (Feitosa), acontece mais uma oficina do teatro com alunos de escolas públicas e um cine-fórum sobre racismo na escola. Será um importante momento para a integração dos participantes do projeto, membros do Anajô, professores e convidados.

Na atividade de formação, será exibido o vídeo: “Rompendo o silêncio – Desconstruindo racismo e violência na escola” (2003). Com aproximadamente 30 min ressalta o papel do professor na abordagem étnica-racial, a importância da formação desses profissionais e sensibilização maior sobre a temática. O documentário foi uma promoção da Secretaria Especial dos Direitos Humanos / Governo Federal e realização da Guela Cine Produções; contou com a coordenação geral de Elza Berquó e roteiro de Eduardo Duó.

 

 

Categorias:Anajô

CAPOEIRA

27 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
 

 

Estão abertas as inscrições para o I Muzenzumbi Capoeira Internacional – Capoeira na Terra de Zumbi, promovido pelo Grupo Muzenza.  Contatos: 8814-4366 / 8816-6143.

Categorias:Informes

SINDJORNAL

25 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
 

   A jornalista Valdice Gomes, Vice-Presidente do Anajô, é a nova Presidente do  Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal). A posse festiva  da gestão “Quem luta conquista” (2008-2011), aconteceu no dia 19 de julho, durante o Congresso Estadual da categoria em Arapiraca (AL). Trata-se de mulher íntegra e guerreira, que possui vasta experiência no meio sindical e profissional. Comprometida com as questões étnicos-racias, ajudou na instalação e integra a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL).

 

Categorias:Informes

AVANÇO

24 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
Maceió já tem Dia Municipal contra a intolerância religiosa
 
 
O Ponto de Cultura – Núcleo de Cultura Afro Brasileira Iyá Ogun-té através do Vereador Galba Novaes, sanciona a Lei nº 5.871/2008 e torna o dia 02 de fevereiro como DIA MUNICIPAL DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA DE MATRIZ AFRICANA.
 
"O dia foi escolhido pela carga histórica, quando em 1912 as casas foram perseguidas e destruídas, hoje acreditamos que será um dia de luta e reflexão para todos os religiosos de matriz africana", comentou o Professor e Babalorixá Célio Rodrigues.
 
A lei é apenas uma das ações para conquistas de políticas públicas. O Núcleo foi apenas o interlocutor entre religiosos, federações e o poder público.
 
"Temos uma demanda de ações para serem conquistadas e realizadas", afirmou Amaurício de Jesus, produtor cultural do Núcleo.
 
Axé para todos

ANO XVI

Maceió – Terça-feira, 22 de Julho de 2008

Nº 3097

Atos e Despachos do Prefeito

JOSÉ CíCERO SOARES DE ALMEIDA

Prefeito

LEI N° 5.711, DE 21 DE JULHO DE 2008.

Projeto de Lei n° 5.87 1/2008

Autor: Ver. Galba Novaes

Dispõe sobre a instituição do Dia de Combate a Intolerância Religiosa de Matriz Africana

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ

Faço saber que a Câmara Municipal de Maceió decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1°- Fica instituído O DIA MUNICIPAL DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA DE MATRIZ AFRICANA, a ser comemorado anualmente no Município de Maceió no dia 02 de fevereiro.

Art. 2° – A data fica incluída no Calendário Civil do Município para efeitos de comemoração oficial.

Parágrafo Único – As atividades a serem realizadas por ocasião deste dia ficarão sob responsabilidade do Núcleo de Cultura Afro Brasileira Iyá Ogun-té, das Federações e Governo Municipal.

Art. 3º – Esta Lei entrará em vigor, na data de sua publicação revogadas as disposições em contrário.

Categorias:Informes

REUNIÃO

23 de julho de 2008 Deixe um comentário
 
  
Reunião Nacional dos APNs
 
Prezad@s Quilombolas,
 
 
A coordenação nacional dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil convoca a todos e todas para a reunião ampliada nacional que acontecerá nos dias 25, 26 e 27 de julho cidade de São Paulo. Nesta reunião queremos contar com a presença de uma representação dos APNs de cada Estado. Lembramos que será garantida a estadia (parceria com a SEPPIR) para todos e todas, embora cada um deverá bancar a sua passagem para o deslocamento até São Paulo, uma vez que não temos recursos financeiros para tal.
 
Solicitamos que você nos dê uma resposta até dia 20, enviando também o seu nome completo, o número do RG e o CPF. Local da hospedagem e da reunião será enviado em breve. A reunião acontecerá no Hotel Normandie (http://www.hotelnormandie.com.br/index.aspx), Av. Ipiranga, 1187, próximo ao Metrô República.
 
 
A pauta da reunião será:
 
* Avaliação da XII Assembléia Nacional (25 anos)
* Plano de ação para o Biênio 2008-2009
* Agenda APNs para 2008 e 2009
* Congresso APNs para 2010
* Articulação e organização nos Estados
* Sustentabilidade para as ações APNs
* Congresso Nacional da Negra e do Negro do Brasil (CONNEB)
 
 
Os contatos deverão ser feitos com:
 
Nuno Coelho
Telefone: (11) 8451-2467
 
João Carlos Pio de Souza
E-mail: joaopio@brfree.com.br  e joao.pio@oi.com.br
Telefone (31)3396-5396 / 8658-5396 ou 8851-4338
 
 
APNs nacional
 
 
 
Categorias:Informes