Arquivo

Archive for setembro \28\America/Maceio 2008

DENÚNCIA

28 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 
Serra da Barriga: acesso permitido?
 

  Para ter acesso a Serra da Barriga, palco da resistência negra e solo sagrado do Quilombo dos Palmares, é preciso ter paciência e sorte

 


Texto e fotos: Helciane Angélica *
Jornalista / Cojira-AL


 
Parafraseando Carlos Drummond de Andrade, “no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho”, a frase famosa pode referenciar as muitas dificuldades de acesso a Serra da Barriga em União dos Palmares, distante 92 km da capital alagoana.


Às vésperas do mês da Consciência Negra, turistas dos mais diversos locais e admiradores do solo sagrado, para chegar ao destino tem que torcer para não chover. Pois durante todo o percurso, os trechos oscilam entre o barro, paralelepípedos e buracos.

Na estrada principal, justamente, onde um "braço" do rio Mundaú passa, tem uma pequena depressão com pedras e são poucos os carros que conseguem atravessar. Outra opção é pela Usina Lajinha, no barro, em meio ao canavial. No período de chuva, prepare-se para momentos emocionantes, pois o trecho lembra um circuito de rali.

Os problemas de acesso persistem devido à indefinição quanto aos recursos. A Prefeitura, o Governo de Alagoas e o Governo Federal realizam uma intensa "corrida de reverzamento" para o cumprimento da responsabilidade.
 


No Parque Memorial Quilombo dos Palmares – primeiro complexo arquitetônico de inspiração africana das Américas – há quatro meses apenas um dos seis pontos de áudio está funcionando, curiosamente, é justamente o texto que foi interpretado pelo alagoano Djavan. Em abril, no período de muitas chuvas, um raio atingiu o transmissor e até agora o conserto não foi providenciado. Os bancos de madeira são tomados pela poeira e começam a ficar esverdeados, por causa da exposição ao sol e a intensa umidade.

Quanto às boas notícias, são: ampliação da equipe de limpeza e a entrada de novos agentes florestais. Esses são os preparativos para recepcionar os visitantes, pois as viagens já começaram a se intensificar. Fica a expectativa que as mudanças não ocorram somente para o mês de novembro, mas que a manutenção seja cotidiana, pois o local histórico e contemplativo merece esse respeito.

Serra da Barriga

A Serra da Barriga situada na cidade de União dos Palmares, na zona da mata do Estado de Alagoas, encontra-se a 500 metros acima do nível do mar no então Planalto da Borborema e próximo ao Rio Mundaú. Também conhecida como Cerca Real dos Macacos, foi a sede administrativa do Quilombo dos Palmares, berço de liberdade para guerreiros e guerreiras quilombolas.

Considerada um palco sagrado e de resistência do povo afro-brasileiro, teve seu reconhecimento quando foi tombada em 1985, como Patrimônio Histórico, Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Trata-se de um local de grande importância político-cultural, centro de homenagens, oferendas, pesquisas, encontros, romarias e grandes concentrações no mês da Consciência Negra.

 

* Também é Presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô / O texto foi publicado no blog da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de Alagoas (www.cojira-al.blogspot.com)

 

ELEIÇÕES 2008

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Maceió tem debate político pela diversidade

 

Texto e foto: Helciane Angélica

(Jornalista; Presidente do Anajô e integrante da Cojira-AL)

 

 

                              

 

A cidade de Maceió teve pela primeira vez, o Debate Democrático Pela Diversidade: “Meu Voto tem Cor. A Cor do Compromisso Cidadão”, executado na manhã da segunda-feira (22), no Cine Sesi Pajuçara. A atividade foi uma realização do Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial em parceira com a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas.

 Dentre os candidatos à administração da Prefeitura de Maceió, compareceram (foto): Mário Agra (PSOL), Manoel de Assis (PSTU), Solange Jurema (PSDB) e Judson Cabral (PT). O atual prefeito e candidato à reeleição, Cicero Almeida, justificou sua ausência afirmando que já tinha compromissos agendados para a data.

Segundo Arísia Barros, Gerente Étnico Racial da SEE e Coordenadora do Fórum Permanente, Alagoas foi um dos quatro estados que realizou um debate com essa temática e criticou a falta de participação de alguns ativistas no debate. “É preciso que o povo tenha consciência da sua participação na política, é preciso mobilização”, declarou ainda “Esse debate é um avanço, pois observamos que a temática negra sempre ficava excluída do processo, e as políticas públicas pedem adesão independente de quem ganhe”, ressaltou.

Dividido em cinco blocos, os candidatos puderam apresentar políticas públicas a serem adotadas nos planos de governo que beneficiem a população afro-maceioense e responderam perguntas da platéia. Destacaram-se a efetivação da Lei 10.639/03 no currículo escolar, combate ao racismo institucional, tratamento diferenciado para as doenças que atingem na sua maioria os negros, fortalecimento das manifestações afro-culturais, dentre outros.

 

Conheça alguns posicionamentos e propostas:

 

Judson Cabral: “Defendo as cotas, não como um processo para combater o preconceito racial, mas como processo para resgatar o direito às oportunidades”

·         Implantação da Secretaria Municipal da Igualdade Racial;

·         Instalação de escolas em regime integral em áreas de risco social;

·         Sensibilização dos professores para a propagação da história e cultura afro.

 

Manoel de Assis: “Como a sociedade diz que não existe racismo se os piores índices atingem os negros. (…) Esses governos estão comprometidos com os mais ricos e os grandes empresários, e a população socialmente prejudicada continua na mesma”

·         Implantação de postos de saúde;

·         Criação de uma empresa pública de transporte;

·         Redução da jornada de trabalho e o enfrentamento com o poder econômico.

 

Mário Agra: “A opressão é milenar. Na sociedade capitalista é possível excluir o racismo? Só com uma sociedade sem classe a exploração será extinta”

·         Investimento para pontos de cultura;

·         Ampliação do diagnóstico e tratamento da anemia falciforme;

·         Implantação de conselhos municipais.

 

Solange Jurema: “As mulheres negras foram as primeiras a reivindicar seus direitos e dar força ao movimento (…) No entanto, se fosse fazer um levantamento do ‘pobre + pobre’, o perfil seria uma mulher negra, nordestina e trabalhadora rural”

·         Oferecer tratamento diferenciado para as doenças que atingem a população negra: anemia falciforme, miomatose, hipertensão, etc.

·         Investir na auto-estima da população negra, e nas escolas fortalecimento das manifestações culturais;

·         Implantação de creches.

CULTURA

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Teatro do Oprimido: Arte e realidade em discussão

 

Por: Helciane Angélica

(Jornalista; Presidente do Anajô e integrante da Cojira-AL)

 

 

 

                              

Fotos: Turminha do Anajô … não deu tempo de apresentar uma cena, mas foram prestigiar o trabalho dos outros grupos. A maioria deles esteve pela primeira vez em um teatro.

 

 

 

Entidades multiplicadoras do Teatro do Oprimido em Alagoas, integrantes e convidados participaram dos Diálogos Teatrais no domingo (21), no Teatro Linda Mascarenhas localizado no bairro do Farol. As atividades foram iniciadas com apresentação do projeto, dinâmicas interativas e uma roda de coco de roda para descontrair.

Na ocasião, quatro entidades multiplicadoras apresentaram os trabalhos produzidos, baseados em fatos verídicos e que utilizam material reciclado na infra-estrutura. As histórias são apresentadas no teatro-fórum, o público é convidado a interagir com as personagens, além de ser estimulado a propor soluções para os problemas em questão.

A primeira cena apresentada foi "Preconceito um, justiça zero" do Grupo Aldeia Jovem com adolescentes da grota Aldeia do Índio (Jacintinho), que abordaram a desigualdade social, agressão física e o descumprimento da lei contra a discriminação racial. O cenário, o enredo e a música foram desenvolvidos coletivamente.

Outro tema polêmico foi a homossexualidade e o conflito familiar, retratada na peça "Toda forma de amor vale amar" do SINDPREV. Conta-se a situação real vivida por uma das integrantes que descobre outra forma de amar, repudiada pela família é expulsa de casa e os amigos da igreja condenam como pecadora.

O grupo Quintal Cultural (Cambona) trouxe ao palco "O Linchamento", demonstrando um dos maiores problemas sociais que é a violência urbana, também promoveu a reflexão sobre os estereótipos impregnados nos conceitos de muitas pessoas: “negro + favela = bandido”.

Para finalizar, o público prestigiou e se comoveu com a produção "Toda criança tem direito de ser feliz" do Projeto Mundaú, coordenado pelo Grupo Revolucionarte, que demonstrou a dura realidade de muitas crianças que sofrem com a violência doméstica e a exploração.

A atividade foi encerrada com o lanche coletivo e a apresentação cultural da banda Guerreiros da Vila. O próximo encontro acontecerá na Mostra Alagoana, nos dias 11 e 12 de outubro, no Teatro Jofre Soares (Sesc-Centro).

 

Mais informações: (82) 8865-5520 (Helcias) / 9329-5922 (Andréia)

Categorias:Entretenimento

INTEGRAÇÃO

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Os integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (moradores e ex-moradores do bairro) prestigiaram a terceira edição do Festival de Cultura do Jacintinho, realizada nos dias 19 e 20 deste mês. A atividade surpreendeu não só pela qualidade, como também, pela riqueza de ritmos e estilos.

 

Pessoas das mais diversas idades estiveram presentes, ora na platéia, ora como protagonistas das manifestações culturais. E mesmo com a chuva que insistia em ir e vir, o público se manteve presente.

 

Tivemos a oportunidade de prestigiar a renovação cultural com as crianças ditando o ritmo no coco de roda; a vitalidade das senhoras ao dançar as Baianas; o protesto em forma de música do hip hop; a riqueza da mpb interpretado pelo talentoso Igbonan Rocha; a vibração do forro pé de serra; a paz do reggae e outras atrações.

 

Enfim, queremos parabenizar a Associação Comunitária Cultural e Esportiva Juventude e o Centro de Estudos e Pesquisa Afro-Alagoano Quilombo pela iniciativa e dizer que espaços como esse só fortalecem nossa luta, para a propagação da cultura e o combate à exclusão social.

 

Força sempre!!!

 

 

 

Observação:

Confira as fotos e outras informações no site www.accej.com.br

Categorias:Anajô

Eleições 2008

21 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

Debate pela Diversidade em Alagoas

 

O Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial realizará o 1º Debate Democrático Pela Diversidade: “Meu Voto tem Cor. A Cor do Compromisso Cidadão”. A atividade recebe o apoio da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, acontecerá amanhã (22), das 9 às 12h, no Cine Sesi Pajuçara.
 
Os candidatos à Prefeitura de Maceió foram convidados para expor suas propostas de inserção e benefícios à população afro-maceioense nos planos de governo.
 
Outras informações: (82) 3315-1268 / 8815-5794 / 9924-6549.

CULTURA

19 de setembro de 2008 Deixe um comentário
  

Diálogos teatrais no domingo

 

As entidades multiplicadoras do Teatro do Oprimido em Alagoas e seus integrantes participarão de um encontro neste domingo (21), a partir das 9h, no Teatro Linda Mascarenhas (ao lado do Instituto Zumbi dos Palmares – IZP e do CEPA) localizado na Av. Fernandes Lima, no bairro do Farol.

Na ocasião serão discutidos os avanços das ações no Estado, e o público poderá conferir a interagir na apresentação das peças. Estão confirmadas: “Guerreiros da Vida” do Ponto de Cultura São Bartolomeu; "Toda forma de amor vale amar" do SINDPREV; "Toda criança tem direito de ser feliz", do Projeto Mundaú – Grupo Revolucionarte; "Preconceito um, justiça zero" do Grupo Aldeia Jovem (AISCJ); e Grupo Teatral Sol Nascente com a cena "O Linchamento".

O Anajô é uma das entidades multiplicadoras, realiza oficinas na Escola Estadual Pedro Teixeira no bairro do Feitosa. Infelizmente, a entidade não conseguiu concluir a peça "Preconceito não tá com nada", mas os participantes terão a oportunidade de prestigiar o trabalho dos outros grupos e entrar, pela primeira vez, em um teatro. Fomos uma das entidades que se empenhou na construção desse evento,por meio do nosso Diretor de Cultura, Helcias Pereira.

       Teatro do Oprimido

O Teatro do Oprimido tem quase quatro décadas de existência, foi criado por teatrólogo e escritor Augusto Boal. É praticado em cerca de 70 países e em 19 estados brasileiros. Em Alagoas encontra-se no seu primeiro ano com 40 multiplicadores.

O método reúne exercícios, jogos e técnicas teatrais que objetivam a desmecanização física e intelectual de seus praticantes. A democratização do teatro estabelece condições práticas para que o oprimido se aproprie dos meios e amplie suas possibilidades de expressão, estabelecendo uma comunicação direta, ativa e propositiva entre espectadores e atores.

Dentre as técnicas, a mais praticada em todo o mundo é o teatro-fórum. O espetáculo baseado em fatos reais, no qual personagens oprimidos e opressores entram em conflito de forma clara e objetiva na defesa de seus desejos e interesses.

Com uma metodologia lúdica, atraente, e de fácil aplicação, possui potenciais extraordinários de multiplicação, onde não exige custos altos de investimento e alcança resultados eficientes. Trata-se de um instrumento fundamental para o desenvolvimento de programas sócio-culturais em áreas com recursos escassos.

 

Contatos: (82) 8865-5520 (Helcias) / 9329-5922 (Andréia)

Categorias:Entretenimento

MOBILIZAÇÃO

17 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

 

Anajô realiza encontro de formação

 

 

 

Os integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô reuniram-se ontem (16), no feriado estadual, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) para um encontro de formação e reflexão sobre o papel do povo negro no desenvolvimento da humanidade. A atividade já foi uma prévia da contribuição político-cultural que a entidade realizará no mês da Consciência Negra.

 

De acordo com Helciane Angélica, Presidente do Anajô, a atividade estimula o intercâmbio cultural e de conhecimentos. "Não se trata de palestras! Estamos nos reunindo para realizarmos a troca de informação, onde um irá contribuir com o outro e  assim garantiremos o fortalecimento do grupo. Ninguém é obrigado a saber de tudo, mas precisamos ter uma noção da maior parte dos temas relacionados às questões étnicos-raciais, pois teremos mais segurança em nossas ações e seremos agentes colaboradores para a propagação da História e Cultura Afro-Brasileira", ressaltou.

 

A atividade teve início às 10h e se estendeu até às 16h. Pela manhã, foram exibidos slides sobre a trajetória do Anajô e sobre a contribuição do continente africano para o desenvolvimento da humanidade, encerrou-se com debate. Após o almoço teve a dinâmica "floresta dos sons", trabalhada no Teatro do Oprimido Anajô, que estimula a concentração, além de garantir a integração e  o relaxamento.

 

No restante da tarde, desenvolveu-se a tempestade de idéias sobre a importância do Quilombo dos Palmares, principais guerreiros, métodos de organização e aspectos culturais. Foram espalhadas várias palavras importantes, que estavam interligadas aos acontecimentos históricos e todos os membros falavam o que sabiam ou o que haviam pesquisado. Depois, o Secretário de Cultura do Anajô, Helcias Pereira, fez as explanações necessárias.

 

Valdice Gomes – Presidente do Sindjornal, integrante da Cojira-AL e também do Anajô – manifestou sua satisfação em participar da atividade. "Fico muito feliz de receber vocês e discutir esse tema de grande importância, principalmente aqui, na Casa da Comunicação. Precisamos fortalecer esses momentos e o conhecimento sobre a temática", disse.

 

A partir de outubro, a entidade iniciará suas ações de formação e identidade étnico-racial com estudantes, educadores, profissionais das mais diversas áreas por meio do projeto Palmares in loco (passeio étnico) na Serra da Barriga e cine-fórum em escolas.

 

 

Veja as fotos da atividade estão no álbum.

Para obter mais informações: (82) 8831-3231 / 8865-5520

 
Categorias:Anajô

HOMENAGEM

16 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

 

Emancipação Política de Alagoas e avanços étnicos-raciais

 

Texto e foto: Helciane Angélica
Jornalista, Presidente do Anajô e integrante da Cojira-AL
helci_angel@hotmail.com / (82) 8831-3231
 
 
 

Alagoas completa nesta terça-feira, 16 de setembro, o 191º aniversário de Emancipação Política do Estado. O segundo menor território do Brasil, ocupa uma área de 27. 767 km² e está situado na Região Nordeste.

Tem esse nome devido as muitas lagoas existentes no seu território. Porém, também é conhecida como "Terra dos Marechais", porque os dois primeiros presidentes do país foram alagoanos (Marechal Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto). Outro termo, mais valorizado, é "Terra da Liberdade", devido a importância do Quilombo dos Palmares e por ter abrigado a sede administrativa (Serra da Barriga) neste território.

A diversidade das belezas naturais, a riqueza cultural e o potencial histórico encontram-se distribuídos nos 102 municípios existentes. Além disso, alagoanos ilustres como Graciliano Ramos, Nise da Silveira, Aurélio Buarque de Holanda, Théo Brandão, Jorge de Lima, Ledo Ivo, Linda Mascarenhas, Arthur Ramos, Jofre Soares, Vera Arruda, Djavan, Cacá Diegues, Hermeto Paschoal, Marta Vieira da Silva e Zumbi dos Palmares contribuíram, e ainda contribuem, na divulgação do que existe de melhor do Estado.

Entretanto, muitas ações ainda precisam ser efetuadas para transformar a realidade da população afro-alagoana. Conheça alguns avanços que merecem destaque:

* Instalação do Parque Memorial Quilombo dos Palmares – primeiro complexo arquitetônico de inspiração africana das Américas – localizado no platô da Serra da Barriga em União dos Palmares.

*Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL), desenvolve a interlocução entre os segmentos afros e os meios de comunicação. Foi o primeiro núcleo do Nordeste a trabalhar as questões étnico-raciais no movimento sindical.

* Ponto de Cultura Quilombo Cultural dos Orixás, o primeiro ponto de cultura ligado a uma Casa de Axé no Brasil.

* Gerência Étnico Racial da Secretaria Estadual de Educação e Esporte, realiza mensalmente encontros afro-alagoanos para educadores, estudantes e demais interessados.

* Gerência Afro-Quilombola da Secretaria Estadual da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos – responsável em atender as demandas dos segmentos afros e garantir melhorias nas comunidades quilombolas.

* Alagoas possui 22 comunidades remanescentes de quilombo, com certidões de registro emitidos pela Fundação Cultural Palmares/Ministério da Cultura.

* O Governador Teotonio Vilela Filho sancionou no dia 02 de julho, a Lei nº6.814/07, que estadualiza a Lei 10.639/03 para a inclusão da Históra e Cultura Afro-Brasileira e Africana no currículo escolar.

* Maceió já tem o Dia Municipal de Combate à Intolerância Religiosa de Matriz Africana, que será comemorado no dia 02 de fevereiro (Lei nº5.871/2008).

* Temos uma diversidade de grupos de capoeira no Estado, e duas instituições que se revezam na defesa dos direitos e propagação dessa importante manifestação afro-brasileira, são elas: Federação Alagoana de Capoeira (Falc) e Conselho Estadual de Mestres de Capoeira de Alagoas.

* Existe uma Comissão de Defesa das Minorias Étnicos Sociais na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AL) .

* Possui uma Pastoral da Negritude dentro de uma Igreja Batista, desenvolve a releitura da Bíblia a partir da ótica étnico-racial.

* A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) possui um convênio com o continente africano, fomenta o intercâmbio-cultural e o desenvolvimento dos países que falam o português. Tem vários acadêmicos oriundos de Guiné Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, e São Tomé e Prícipe.

* O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) da Ufal desempenha um intenso trabalho de formação, pesquisa e fortalecimento da auto-estima dos alunos cotistas.

* Coluna Axé – Pela primeira vez no Estado de Alagoas, uma entidade (Cojira-AL) conquistou um espaço periódico para abordar a temática afro, foi implantada em maio de 2008, no Jornal Tribuna Independente. Publicada semanalmente (todas as terças-feiras) ocupa meia página colorida no formato stand, é preenchida com editorial, notas informativas e fotos.

* O Movimento Negro alagoano é diversificado. Possui grupos culturais em várias áreas, entidades de cunho político, religioso e de formação, que enfrentam as inúmeras dificuldades e lutam por mudanças sociais.

Os negros e negras que diariamente contribuem para o desenvolvimento sócio-cultural, econômico e anti-racista em Alagoas, são os que verdadeiramente merecem às homenagens.

……………………………………………………………………………………………………………………………..

Hino de Alagoas

Letra: Luiz Mesquita / Música: Benedito Silva

Alagoas, estrela radiosa,
Que refulge ao sorrir das manhãs,
Da República és filha donosa,
Magna estrela, entre estrela irmãs,
Alma pulcra dos nossos avós,
Como bênção de amor e paz
Hoje paira, a fulgir sobre nós,
E maiores e mais fortes nos faz,
Tu, liberdade formosa,
Gloriosa hosana entoas:
– Salve, ó terra vitoriosa,
– Glória à terra de Alagoas
Salve, ó terra que entrando no templo,
Calma e avante de indústria te vás,
Dando às tuas irmãs este exemplo,
De trabalho e progresso na paz!
Sus! Os hinos de glória já troam!…
A teus pés os rosais vêm florir!…
Os clarins e as fanfarras ressoam,
Te levando em triunfo ao porvir!
Tu, liberdade formosa,
Ao trabalho hosana entoas:
– Salve, ó terra futurosa,
– Glória à terra de Alagoas

Observação: A estudante Izabela Olimpio representa na foto, com perfeição, a beleza afro-alagoana.

INFORME

13 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

 

Programação:

 

 

sexta-feira (19/09):
 

·      LIGA DO BUMBA-MEU-BOI DE MACEIÓ

·      GRUPO DE RAP REFLEXÃO NORDESTE

·      GRUPO DE BAIANA FLOR DE LIZ

·      BANDA DE ROCK DIA 5

·      BANDA DE REGGAE REPÚBLICA NEGRA

·      BANDA BANDA AFRO MANIA

·      OJU OMIN OMOREWA – DANÇA AFRO

·      COCO-DE-RODA DA VILA DE PESCADORES

·      GRUPO DE HIP HOP QUESTÃO DE ALMA

 

 

sábado (20/09):
 

·      EDGAR DOS 8 BAIXOS, MINHOCÃO DO FÓRRO E CHAU DO PIFE

·      FEDERAÇÃO ALAGOANA DE CAPOEIRA – FALC

·      BANDA CIVILIZAÇÃO ROOTS

·      AFOXÉ ODÔ IYÁ

·      BANDA GUERREIROS DA VILA

·      IGBONAN ROCHA- VOZ E VIOLÃO

·      GRUPO FÊNIX NEGRA

·      GRUPO DE DANÇA DA UFAL (DÉBORA E SÁVIO)

·      GRUPO SHOW DA ESCOLA DE SAMBA ARCO-ÍRIS

 

Serviços:

O festival será realizado na Rua Manoel Porciúncula, esquina com a Av. Coronel Paranhos. (próximo a TV Alagoas).

Para obter mais informações: (82) 9146-7762 (Gilson Félix), 8858-6771(Denivan Costa) e 3033-2093 (Viviane Rodrigues). E ainda pelos emails: denisangola@gmail.com / vi_magnifica@hotmail.com.

 

Categorias:Entretenimento

INFORME

13 de setembro de 2008 Deixe um comentário

 

Olá pessoas

 

         A diretoria do Anajô se reuniu na quarta-feira (10.09) às 10h, e encaminhou as seguintes ações:

 

1.   Encontro de Formação

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos terá um encontro de formação na próxima terça-feira (16), no feriado, para discutir sobre o papel do povo negro no desenvolvimento da humanidade e a importância do Quilombo dos Palmares.

A atividade já é uma prévia da contribuição político-cultural que a entidade realizará no Mês da Consciência Negra. Será realizada na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais (Sindjornal) – localizado na Rua Sargento Jaime, 370, Prado (esquina com a Av. Assis Chateaubriand) – a partir das 8h30.

É importante a presença de todos os integrantes, também, é preciso contribuir com uma taxa mínima de R$5,00 (cinco reais) para as despesas com a alimentação.

 

2.   Projeto Palmares in loco

 

Todos os anos, o Anajô realiza atividades político-culturais, que se intensificam durante o mês da Consciência Negra. Já foram realizados encontros de formação na Serra da Barriga, cine-fórum, palestras e debates.

Neste ano teremos o prazer de executar o projeto Palmares in loco (Passeio Étnico), que busca oportunizar visitas coletivas  à Serra da Barriga no município de União dos Palmares (AL), com um público heterogêneo formado por: educadores, estudantes, ativistas, pesquisadores, jornalistas e demais profissionais.

A proposta é apresentar o Parque Memorial Quilombo dos Palmares (PMQP) – primeiro complexo arquitetônico com inspiração africana nas Américas – de forma lúdica e com aprofundamento teórico, além de proporcionar aos visitantes uma nova visão da história do povo negro no Brasil e a importância do Patrimônio Nacional.

Em breve, novas informações sobre essa atividade!

 

Axé!

Para mais informações: (82) 8831-3231 (Helciane), 8865-5520 (Helcias), 8882-0364 (Madalena) e 9999-1301 (Valdice).

 

Categorias:Anajô