Arquivo

Archive for setembro \28\UTC 2008

DENÚNCIA

28 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 
Serra da Barriga: acesso permitido?
 

  Para ter acesso a Serra da Barriga, palco da resistência negra e solo sagrado do Quilombo dos Palmares, é preciso ter paciência e sorte

 


Texto e fotos: Helciane Angélica *
Jornalista / Cojira-AL


 
Parafraseando Carlos Drummond de Andrade, “no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho”, a frase famosa pode referenciar as muitas dificuldades de acesso a Serra da Barriga em União dos Palmares, distante 92 km da capital alagoana.


Às vésperas do mês da Consciência Negra, turistas dos mais diversos locais e admiradores do solo sagrado, para chegar ao destino tem que torcer para não chover. Pois durante todo o percurso, os trechos oscilam entre o barro, paralelepípedos e buracos.

Na estrada principal, justamente, onde um "braço" do rio Mundaú passa, tem uma pequena depressão com pedras e são poucos os carros que conseguem atravessar. Outra opção é pela Usina Lajinha, no barro, em meio ao canavial. No período de chuva, prepare-se para momentos emocionantes, pois o trecho lembra um circuito de rali.

Os problemas de acesso persistem devido à indefinição quanto aos recursos. A Prefeitura, o Governo de Alagoas e o Governo Federal realizam uma intensa "corrida de reverzamento" para o cumprimento da responsabilidade.
 


No Parque Memorial Quilombo dos Palmares – primeiro complexo arquitetônico de inspiração africana das Américas – há quatro meses apenas um dos seis pontos de áudio está funcionando, curiosamente, é justamente o texto que foi interpretado pelo alagoano Djavan. Em abril, no período de muitas chuvas, um raio atingiu o transmissor e até agora o conserto não foi providenciado. Os bancos de madeira são tomados pela poeira e começam a ficar esverdeados, por causa da exposição ao sol e a intensa umidade.

Quanto às boas notícias, são: ampliação da equipe de limpeza e a entrada de novos agentes florestais. Esses são os preparativos para recepcionar os visitantes, pois as viagens já começaram a se intensificar. Fica a expectativa que as mudanças não ocorram somente para o mês de novembro, mas que a manutenção seja cotidiana, pois o local histórico e contemplativo merece esse respeito.

Serra da Barriga

A Serra da Barriga situada na cidade de União dos Palmares, na zona da mata do Estado de Alagoas, encontra-se a 500 metros acima do nível do mar no então Planalto da Borborema e próximo ao Rio Mundaú. Também conhecida como Cerca Real dos Macacos, foi a sede administrativa do Quilombo dos Palmares, berço de liberdade para guerreiros e guerreiras quilombolas.

Considerada um palco sagrado e de resistência do povo afro-brasileiro, teve seu reconhecimento quando foi tombada em 1985, como Patrimônio Histórico, Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Trata-se de um local de grande importância político-cultural, centro de homenagens, oferendas, pesquisas, encontros, romarias e grandes concentrações no mês da Consciência Negra.

 

* Também é Presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô / O texto foi publicado no blog da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de Alagoas (www.cojira-al.blogspot.com)

 

ELEIÇÕES 2008

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Maceió tem debate político pela diversidade

 

Texto e foto: Helciane Angélica

(Jornalista; Presidente do Anajô e integrante da Cojira-AL)

 

 

                              

 

A cidade de Maceió teve pela primeira vez, o Debate Democrático Pela Diversidade: “Meu Voto tem Cor. A Cor do Compromisso Cidadão”, executado na manhã da segunda-feira (22), no Cine Sesi Pajuçara. A atividade foi uma realização do Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial em parceira com a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas.

 Dentre os candidatos à administração da Prefeitura de Maceió, compareceram (foto): Mário Agra (PSOL), Manoel de Assis (PSTU), Solange Jurema (PSDB) e Judson Cabral (PT). O atual prefeito e candidato à reeleição, Cicero Almeida, justificou sua ausência afirmando que já tinha compromissos agendados para a data.

Segundo Arísia Barros, Gerente Étnico Racial da SEE e Coordenadora do Fórum Permanente, Alagoas foi um dos quatro estados que realizou um debate com essa temática e criticou a falta de participação de alguns ativistas no debate. “É preciso que o povo tenha consciência da sua participação na política, é preciso mobilização”, declarou ainda “Esse debate é um avanço, pois observamos que a temática negra sempre ficava excluída do processo, e as políticas públicas pedem adesão independente de quem ganhe”, ressaltou.

Dividido em cinco blocos, os candidatos puderam apresentar políticas públicas a serem adotadas nos planos de governo que beneficiem a população afro-maceioense e responderam perguntas da platéia. Destacaram-se a efetivação da Lei 10.639/03 no currículo escolar, combate ao racismo institucional, tratamento diferenciado para as doenças que atingem na sua maioria os negros, fortalecimento das manifestações afro-culturais, dentre outros.

 

Conheça alguns posicionamentos e propostas:

 

Judson Cabral: “Defendo as cotas, não como um processo para combater o preconceito racial, mas como processo para resgatar o direito às oportunidades”

·         Implantação da Secretaria Municipal da Igualdade Racial;

·         Instalação de escolas em regime integral em áreas de risco social;

·         Sensibilização dos professores para a propagação da história e cultura afro.

 

Manoel de Assis: “Como a sociedade diz que não existe racismo se os piores índices atingem os negros. (…) Esses governos estão comprometidos com os mais ricos e os grandes empresários, e a população socialmente prejudicada continua na mesma”

·         Implantação de postos de saúde;

·         Criação de uma empresa pública de transporte;

·         Redução da jornada de trabalho e o enfrentamento com o poder econômico.

 

Mário Agra: “A opressão é milenar. Na sociedade capitalista é possível excluir o racismo? Só com uma sociedade sem classe a exploração será extinta”

·         Investimento para pontos de cultura;

·         Ampliação do diagnóstico e tratamento da anemia falciforme;

·         Implantação de conselhos municipais.

 

Solange Jurema: “As mulheres negras foram as primeiras a reivindicar seus direitos e dar força ao movimento (…) No entanto, se fosse fazer um levantamento do ‘pobre + pobre’, o perfil seria uma mulher negra, nordestina e trabalhadora rural”

·         Oferecer tratamento diferenciado para as doenças que atingem a população negra: anemia falciforme, miomatose, hipertensão, etc.

·         Investir na auto-estima da população negra, e nas escolas fortalecimento das manifestações culturais;

·         Implantação de creches.

CULTURA

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Teatro do Oprimido: Arte e realidade em discussão

 

Por: Helciane Angélica

(Jornalista; Presidente do Anajô e integrante da Cojira-AL)

 

 

 

                              

Fotos: Turminha do Anajô … não deu tempo de apresentar uma cena, mas foram prestigiar o trabalho dos outros grupos. A maioria deles esteve pela primeira vez em um teatro.

 

 

 

Entidades multiplicadoras do Teatro do Oprimido em Alagoas, integrantes e convidados participaram dos Diálogos Teatrais no domingo (21), no Teatro Linda Mascarenhas localizado no bairro do Farol. As atividades foram iniciadas com apresentação do projeto, dinâmicas interativas e uma roda de coco de roda para descontrair.

Na ocasião, quatro entidades multiplicadoras apresentaram os trabalhos produzidos, baseados em fatos verídicos e que utilizam material reciclado na infra-estrutura. As histórias são apresentadas no teatro-fórum, o público é convidado a interagir com as personagens, além de ser estimulado a propor soluções para os problemas em questão.

A primeira cena apresentada foi "Preconceito um, justiça zero" do Grupo Aldeia Jovem com adolescentes da grota Aldeia do Índio (Jacintinho), que abordaram a desigualdade social, agressão física e o descumprimento da lei contra a discriminação racial. O cenário, o enredo e a música foram desenvolvidos coletivamente.

Outro tema polêmico foi a homossexualidade e o conflito familiar, retratada na peça "Toda forma de amor vale amar" do SINDPREV. Conta-se a situação real vivida por uma das integrantes que descobre outra forma de amar, repudiada pela família é expulsa de casa e os amigos da igreja condenam como pecadora.

O grupo Quintal Cultural (Cambona) trouxe ao palco "O Linchamento", demonstrando um dos maiores problemas sociais que é a violência urbana, também promoveu a reflexão sobre os estereótipos impregnados nos conceitos de muitas pessoas: “negro + favela = bandido”.

Para finalizar, o público prestigiou e se comoveu com a produção "Toda criança tem direito de ser feliz" do Projeto Mundaú, coordenado pelo Grupo Revolucionarte, que demonstrou a dura realidade de muitas crianças que sofrem com a violência doméstica e a exploração.

A atividade foi encerrada com o lanche coletivo e a apresentação cultural da banda Guerreiros da Vila. O próximo encontro acontecerá na Mostra Alagoana, nos dias 11 e 12 de outubro, no Teatro Jofre Soares (Sesc-Centro).

 

Mais informações: (82) 8865-5520 (Helcias) / 9329-5922 (Andréia)

Categorias:Entretenimento

INTEGRAÇÃO

25 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 
 

Os integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (moradores e ex-moradores do bairro) prestigiaram a terceira edição do Festival de Cultura do Jacintinho, realizada nos dias 19 e 20 deste mês. A atividade surpreendeu não só pela qualidade, como também, pela riqueza de ritmos e estilos.

 

Pessoas das mais diversas idades estiveram presentes, ora na platéia, ora como protagonistas das manifestações culturais. E mesmo com a chuva que insistia em ir e vir, o público se manteve presente.

 

Tivemos a oportunidade de prestigiar a renovação cultural com as crianças ditando o ritmo no coco de roda; a vitalidade das senhoras ao dançar as Baianas; o protesto em forma de música do hip hop; a riqueza da mpb interpretado pelo talentoso Igbonan Rocha; a vibração do forro pé de serra; a paz do reggae e outras atrações.

 

Enfim, queremos parabenizar a Associação Comunitária Cultural e Esportiva Juventude e o Centro de Estudos e Pesquisa Afro-Alagoano Quilombo pela iniciativa e dizer que espaços como esse só fortalecem nossa luta, para a propagação da cultura e o combate à exclusão social.

 

Força sempre!!!

 

 

 

Observação:

Confira as fotos e outras informações no site www.accej.com.br

Categorias:Anajô

Eleições 2008

21 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

Debate pela Diversidade em Alagoas

 

O Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial realizará o 1º Debate Democrático Pela Diversidade: “Meu Voto tem Cor. A Cor do Compromisso Cidadão”. A atividade recebe o apoio da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, acontecerá amanhã (22), das 9 às 12h, no Cine Sesi Pajuçara.
 
Os candidatos à Prefeitura de Maceió foram convidados para expor suas propostas de inserção e benefícios à população afro-maceioense nos planos de governo.
 
Outras informações: (82) 3315-1268 / 8815-5794 / 9924-6549.

CULTURA

19 de setembro de 2008 Deixe um comentário
  

Diálogos teatrais no domingo

 

As entidades multiplicadoras do Teatro do Oprimido em Alagoas e seus integrantes participarão de um encontro neste domingo (21), a partir das 9h, no Teatro Linda Mascarenhas (ao lado do Instituto Zumbi dos Palmares – IZP e do CEPA) localizado na Av. Fernandes Lima, no bairro do Farol.

Na ocasião serão discutidos os avanços das ações no Estado, e o público poderá conferir a interagir na apresentação das peças. Estão confirmadas: “Guerreiros da Vida” do Ponto de Cultura São Bartolomeu; "Toda forma de amor vale amar" do SINDPREV; "Toda criança tem direito de ser feliz", do Projeto Mundaú – Grupo Revolucionarte; "Preconceito um, justiça zero" do Grupo Aldeia Jovem (AISCJ); e Grupo Teatral Sol Nascente com a cena "O Linchamento".

O Anajô é uma das entidades multiplicadoras, realiza oficinas na Escola Estadual Pedro Teixeira no bairro do Feitosa. Infelizmente, a entidade não conseguiu concluir a peça "Preconceito não tá com nada", mas os participantes terão a oportunidade de prestigiar o trabalho dos outros grupos e entrar, pela primeira vez, em um teatro. Fomos uma das entidades que se empenhou na construção desse evento,por meio do nosso Diretor de Cultura, Helcias Pereira.

       Teatro do Oprimido

O Teatro do Oprimido tem quase quatro décadas de existência, foi criado por teatrólogo e escritor Augusto Boal. É praticado em cerca de 70 países e em 19 estados brasileiros. Em Alagoas encontra-se no seu primeiro ano com 40 multiplicadores.

O método reúne exercícios, jogos e técnicas teatrais que objetivam a desmecanização física e intelectual de seus praticantes. A democratização do teatro estabelece condições práticas para que o oprimido se aproprie dos meios e amplie suas possibilidades de expressão, estabelecendo uma comunicação direta, ativa e propositiva entre espectadores e atores.

Dentre as técnicas, a mais praticada em todo o mundo é o teatro-fórum. O espetáculo baseado em fatos reais, no qual personagens oprimidos e opressores entram em conflito de forma clara e objetiva na defesa de seus desejos e interesses.

Com uma metodologia lúdica, atraente, e de fácil aplicação, possui potenciais extraordinários de multiplicação, onde não exige custos altos de investimento e alcança resultados eficientes. Trata-se de um instrumento fundamental para o desenvolvimento de programas sócio-culturais em áreas com recursos escassos.

 

Contatos: (82) 8865-5520 (Helcias) / 9329-5922 (Andréia)

Categorias:Entretenimento

MOBILIZAÇÃO

17 de setembro de 2008 Deixe um comentário
 

 

Anajô realiza encontro de formação

 

 

 

Os integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô reuniram-se ontem (16), no feriado estadual, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) para um encontro de formação e reflexão sobre o papel do povo negro no desenvolvimento da humanidade. A atividade já foi uma prévia da contribuição político-cultural que a entidade realizará no mês da Consciência Negra.

 

De acordo com Helciane Angélica, Presidente do Anajô, a atividade estimula o intercâmbio cultural e de conhecimentos. "Não se trata de palestras! Estamos nos reunindo para realizarmos a troca de informação, onde um irá contribuir com o outro e  assim garantiremos o fortalecimento do grupo. Ninguém é obrigado a saber de tudo, mas precisamos ter uma noção da maior parte dos temas relacionados às questões étnicos-raciais, pois teremos mais segurança em nossas ações e seremos agentes colaboradores para a propagação da História e Cultura Afro-Brasileira", ressaltou.

 

A atividade teve início às 10h e se estendeu até às 16h. Pela manhã, foram exibidos slides sobre a trajetória do Anajô e sobre a contribuição do continente africano para o desenvolvimento da humanidade, encerrou-se com debate. Após o almoço teve a dinâmica "floresta dos sons", trabalhada no Teatro do Oprimido Anajô, que estimula a concentração, além de garantir a integração e  o relaxamento.

 

No restante da tarde, desenvolveu-se a tempestade de idéias sobre a importância do Quilombo dos Palmares, principais guerreiros, métodos de organização e aspectos culturais. Foram espalhadas várias palavras importantes, que estavam interligadas aos acontecimentos históricos e todos os membros falavam o que sabiam ou o que haviam pesquisado. Depois, o Secretário de Cultura do Anajô, Helcias Pereira, fez as explanações necessárias.

 

Valdice Gomes – Presidente do Sindjornal, integrante da Cojira-AL e também do Anajô – manifestou sua satisfação em participar da atividade. "Fico muito feliz de receber vocês e discutir esse tema de grande importância, principalmente aqui, na Casa da Comunicação. Precisamos fortalecer esses momentos e o conhecimento sobre a temática", disse.

 

A partir de outubro, a entidade iniciará suas ações de formação e identidade étnico-racial com estudantes, educadores, profissionais das mais diversas áreas por meio do projeto Palmares in loco (passeio étnico) na Serra da Barriga e cine-fórum em escolas.

 

 

Veja as fotos da atividade estão no álbum.

Para obter mais informações: (82) 8831-3231 / 8865-5520

 
Categorias:Anajô