CRQ

 
Quilombolas vão discutir fortalecimento étnico durante encontro estadual
 
 
 
As questões referentes às comunidades quilombolas estarão em pauta nos dias 12, 13 e 14 de novembro, quando será realizado o Encontro Estadual de Comunidades Negras Quilombolas de Alagoas, no Museu da Imagem e do Som (MISA) e na Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), em Maceió.
 
Cerca de 70 representantes de comunidades certificadas e não-certificadas oficialmente devem participar do encontro, interagir sobre a necessidade de certificação e discutir com gestores públicos a implantação de políticas que levem melhorias às comunidades.
 
Numa iniciativa do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral), com o apoio da Fundação Cultural Palmares e do Laboratório de Antropologia Visual de Alagoas (AVAL), o objetivo do evento é fortalecer a organização das comunidades quilombolas e promover o debate sobre melhoria da qualidade de vida e valorização da identidade. Durante o encontro também serão discutidos temas relacionados à territorialidade e à promoção de políticas públicas.
 
 
COMUNIDADES EM ALAGOAS
 
 
Em Alagoas existem aproximadamente 50 comunidades quilombolas. Dessas, apenas 23 já foram certificadas oficialmente pela Fundação Cultural Palmares, ligada ao Ministério da Cultura. Outras 24 foram visitadas esse ano por uma equipe do Iteral, que além de elaborar um mapa etnográfico descrevendo as comunidades, sensibilizou os moradores para a importância dessa certificação. “Mas esse número pode ser ainda maior, visto que outras comunidades ainda podem ser visitadas”, diz a gerente do Núcleo de Quilombolas do Iteral, Berenita Melo.
 
Como explica o antropólogo Christiano Barros, integrante da equipe do Iteral que fez as visitas e coordenador do Encontro Estadual, para que haja essa certificação, é preciso que a própria comunidade se defina como quilombola e queira ser certificada pela Fundação Palmares. “Não basta que um órgão público, a prefeitura ou um pesquisador diga que determinada comunidade é remanescente de quilombos para que ela seja certificada. É preciso que a iniciativa parta da própria comunidade”, comenta o antropólogo. É por esse motivo que durante o Encontro haverá um momento em que líderes de comunidades já certificadas irão debater com os representantes das comunidades ainda não-certificadas a importância desse processo.
 
Segundo Christiano Barros, hoje o conceito atual de quilombola é mais amplo para reparar uma injustiça histórica. “Quilombolas são grupos étnicos constituídos principalmente por uma população negra, que se autodefinem a partir das relações com a terra, o parentesco, o território, a ancestralidade, as tradições e as práticas culturais próprias”, explica Christiano Barros.
 
 
PROGRAMAÇÃO:
 
Quarta-feira (12/11)
15h – Misa: Solenidade de abertura e roda de discussão com a presença de representante da Fundação Palmares, do historiador Geraldo de Majella (presidente do Iteral), da antropóloga e Professora Ms. Joseline Trindade (UFPA), da geógrafa e Professora Ms. Maria Ester Ferreira (Ufal). O tema da discussão será “Comunidades Quilombolas em Alagoas: perspectivas contemporâneas”.
 
18h – Misa: Abertura da exposição fotográfica “Comunidades Negras Quilombolas em Alagoas”.
 
18h30 – Praça Dois Leões (em frente ao Misa): Atividade Cultural com Orquestra de Tambores de Alagoas.
 
 
Quinta-feira (13/11)
 
8h – Fetag:  Roda de discussão com a presença do professor Édson Moreira (historiador) e José Édson Silva (Artesão – Muquém). Tema: “O negro e as comunidades negras quilombolas em Alagoas”.
 
10h – Fetag: Roda de discussão com lideranças quilombolas. Tema: “Fortalecimento étnico e o processo de certificação pela Fundação Palmares”.
 
14h – Fetag: Roda de discussão com representantes da Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde, Funasa, Incra, Iteral, Ministério Público e Quilombolas. Tema: “Políticas Públicas e os Quilombolas”.
 
19h – Praça Dois Leões (em frente ao Misa): Atividade Cultural com Coco de roda infantil da Vila de Pescadores do Jaraguá e Roda de capoeira do Nadec (Núcleo de Apoio e Desenvolvimento da Capoeira).
 
 
Sexta-feira (14/11)
 
15h – Misa: Exibição do vídeo “1912 – O quebra de Xangô em Alagoas”, seguido de roda de discussão com o diretor Siloé Amorim (antropólogo e fotógrafo), da professora Dra. Rachel Rocha (antropóloga LACC/Ufal) e das lalorixás Vera Rodrigues e Nani Moreno.
 
18h – Misa: Roda de discussão com a presença do professor Dr. Edson Bezerra (antropólogo, sociólogo, poeta e músico/UNEAL), professora Dra. Clara Suassuna (historiadora NEAB/UFAL), professor Clébio Araújo (historiador/UNEAL) e da professora Sirlene Gomes (Centro de Estudo e Pesquisa Afro-Alagoano Quilombo). Tema: “A cultura afro em Alagoas e o Dia da Consciência Negra (20 de novembro).”
 
20h30 – Praça Dois Leões (em frente ao Misa): Atividade Cultural com Maracatu Baque Alagoano.
 
 
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: