Arquivo

Archive for maio \20\UTC 2009

EVENTO

20 de maio de 2009 Deixe um comentário
 

II Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial começa nesta quinta-feira

A Secretaria da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos realiza, nesta quinta-feira (21), a partir das 8h30, no auditório do Senai, no Poço, a II Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial (II Coepir), que terá como tema central “Avanços e Desafios Étnico-Racial”. A abertura contará com as presenças da secretária da pasta, Wedna Miranda, e do secretário-adjunto da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Elói Ferreira de Araújo.
O evento visa analisar e repactuar os princípios e diretrizes aprovados na I Conferência Nacional e Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, além de avaliar as diretrizes para a implementação do Plano Nacional de Promoção da Igualdade Racial. A conferência ainda pretende mobilizar os setores de governo nas instâncias estadual e municipal, para o desenvolvimento de ações coordenadas, visando à elaboração do Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial.
O encontro estadual também terá como finalidade eleger os delegados do Estado de Alagoas para participar da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, a ser realizada de 25 a 28 de junho, em Brasília.
Para a secretária Wedna Miranda, o evento oferece uma participação ampla e democrática de todos os segmentos da sociedade alagoana ligados à temática. “Discutiremos questões de gênero, raça e etnia, de acordo com nossa realidade e baseados no temário proposto pela Conferência Nacional”, lembrou a secretária.
De acordo com a programação, pela manhã haverá as palestras Análise da Realidade Brasileira a partir da Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial e o Compartilhamento da Agenda Nacional com o Plano de Ação de Durban, ministrada pela coordenadora de Criola, Jurema Werneck; Gestão Pública, Participação e Controle Social: Compartilhando o Poder de Decisão, com a doutora coordenadora do Grupo de Pesquisa e Extensão “Políticas Públicas, Controle Social e Movimentos Sociais” da Ufal Valéria Correia; assim como a Análise do Impacto das Políticas Implementadas, para além Fronteiras, com destaque na área das Relações Internacionais, para os Protocolos Firmados com os Países do Continente Africano, ministrado por Sávio de Almeida – doutor em História, sociólogo, escritor e pesquisador e a coordenadora do Projeto Raízes de África – ONG Maria Mariá- Arisia Barros.
Após as palestras, os debates sobre os temas expostos serão coordenados por Helciane Angélica, da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (COJIRA), e Carlos Martins, da UNEGRO. Em seguida haverá a mesa temática com o tema Impacto das Políticas de Igualdade Racial Implementadas no estado de Alagoas, coordenada pela superintendente de Políticas de Promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos, Josilene Lira, a partir dos eixos temáticos Educação, Saúde, Trabalho, Segurança e Terra.
A partir do meio-dia, haverá discussão e votação das propostas do Regimento da II Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial. Com os mesmos temas dos eixos temáticos, incluindo Política Internacional, os grupos de trabalho se reunirão a partir das 14h.
O tema Educação terá como facilitador o gerente Étnico Racial da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, Irani Neves. Para o tema Saúde o facilitador será o antropólogo da UFAL, Jorge Riscado; Trabalho e Renda, terá como facilitador Helcias Pereira do Centro de Cultura de Estudos Étnicos Anajô.
O presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Everaldo Patriota, ficará responsável pelo grupo Segurança; o tema Terra será coordenado pelo diretor-presidente do Iteral, Geraldo de Majella e a coordenadora do Projeto Raízes da África, Arísia Barros, será a facilitadora do grupo Política Internacional.
O encontro estadual contará com a participação de 185 delegados, com direito a voz e voto, composto por sete delegados da Comissão Executiva de Apoio ao Evento; 40 delegados titulares e suplentes da Comissão Organizadora Estadual da II Coepir; três delegados titulares parlamentares, respectivamente da Assembleia Legislativa, Câmara Municipal e Câmara dos Deputados Federais, indicados para este fim, e 135 delegados titulares, eleitos dentre os participantes na conferência regional e metropolitana, representantes de governos municipais e da sociedade civil.
O encontro nacional terá 23 delegados, sendo quatro representantes do governo estadual; três parlamentares, indicados respectivamente pela Assembleia Legislativa, Câmara Municipal e Câmara dos Deputados Federais, para este fim; oito representantes dos governos municipais e oito da sociedade civil.
A II Coepir foi precedida de conferências regionais, realizadas pela Secretaria da Mulher, da Cidadania e dos Direiros Humanos nos dias 16 e 23 de abril, nos municípios de Delmiro Gouveia e União dos Palmares, respectivamente.
A prefeitura de Maceió realizou a metropolitana, dia 7 deste mês, cujas contribuições serão consideradas na etapa estadual. Todas elas foram convocadas pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, com as participações dos segmentos das comunidades tradicionais indígenas, ciganos, quilombolas e comunidades de terreiro.
 
Fonte: Agência Alagoas
 
Categorias:Igualdade Racial

EXCURSÃO

19 de maio de 2009 Deixe um comentário

Categorias:Anajô

IGUALDADE RACIAL

16 de maio de 2009 Deixe um comentário
 

Dia 13 de maio é discutido na câmara Municipal de Maceió

 

A Câmara Municipal de Maceió por meio da vereadora Fátima Santiago realizou ontem uma sessão especial que discutiu o dia 13 de maio como o dia nacional de denúncia contra o racismo. O objetivo foi de promover um debate a cerca das questões que envolvem os 121 anos de abolição da escravatura e toda sua problemática.

Diversas autoridades e entidades representativas das questões raciais estiveram presentes à sessão e fizeram uso da palavra, como o membro executivo da FENAL, Fórum de Entidades Negras de Alagoas, Helcias Pereira, que abordou o tema remetendo ao passado de sofrimento vivido pelos negros no Brasil e divulgando alguns dados estatísticos que comprovam a desigualdade social que acomete os negros em Maceió. “De cada 10 pessoas assassinadas 8 são negras. Nas favelas a realidade é a mesma, o que demonstra nossa posição nesta sociedade”, afirmou. Já a vereadora Fátima Santiago disse que todo problema do racismo está intrinsecamente voltado a educação. “Vejo que as crianças não são racistas, elas se tornam racistas pelo incentivo dos adultos que não as educam. Vamos voltar nosso trabalho a isso. Espero que meu projeto para difundir o estudo da história dos negros e da África nas escolas municipais seja apreciado e votado o quanto antes, e que seja posto de fato em pratica” anunciou.

Valdice Gomes, presidente do sindicato dos jornalistas de Alagoas, também participou de evento usando a tribuna para explanar seu descontentamento sobre as políticas públicas voltadas as questões raciais. Já Arísia Barros, representante da Ong Maria Mariá, falou sobre a visão deturpada da sociedade de julgar o negro pela sua tonalidade de pele. “Certa vez escutei de um amigo meu negro com cabelos black power dizer: Pela cor da minha pele já sou abordado pela polícia. Ser negro nesse país já é motivo para incitar a desconfiança. Isso me dói. Precisamos de políticas públicas que minimizem essa discriminação”, finalizou.

Também fizeram parte da mesa de honra da sessão especial, a sacerdotisa Mãe Miriam, que abordou a discriminação contra a religião de origem africana e o Srº Pedro Paulo, da Fundação Afonso Arinos, que fechou seu discurso com citações de uma música de Zé Ramalho que retrata a vivência de um trabalhador que sofre com a discriminação. O evento contou ainda com as presenças dos vereadores Tereza Nelma, Heloísa Helena e Nery Almeida.

Fonte: Assessoria

ARTIGO

16 de maio de 2009 Deixe um comentário

13 de maio: Antes e depois da Lei Áurea

 

Helcias Pereira – Militante do Movimento Negro desde 1987 e atualmente encontra-se é Secretário Geral e de Comunicação do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (helcias.pereira@hotmail.com)

Bem antes do 13 de maio em meados do século XVI, raptaram nossos ancestrais africanos com argumentos de que se tratava de “incultos e desalmados”. Ignoraram suas avançadas arquiteturas para a época, suas escritas e alta tecnologia na agricultura e metalurgia. Forçaram uma tal “diáspora” a base do sequestro e persuasões de mercenários, disseminaram ódio, dor, revoltas e doenças. Ceifaram a liberdade de forma catastrófica de um povo inteiramente arraigado ao seu habitat e a sua cultura.

Bem antes do 13 de maio, dos 10 milhões de escravizados nas Américas, cerca de 4 milhões vieram para o Brasil, homens e mulheres atordoados com tantas atrocidades, buscavam em seus “muximas” (coração, âmago) formas desesperadoras de resistência. Tornou-se um povo negro de tantas etnias, e assim sendo: deu conta dos canaviais, cafezais, cacauzeirais, minas e tantas riquezas. Foram zeladores das casas grandes, damas de ganho, amas de leite e até reprodutores, de tudo foram explorados para garantirem o sistema imperialista colonial.

Apesar de todas as diferentes formas de resistência, desde revoltas individuais às coletivas, apesar inclusive das organizações quilombolas, principalmente o de maior envergadura que fora “Palmares” na Zona da Mata entre Alagoas e Pernambuco, a Lei Áurea nada mais foi se não uma grande inversão de valores, haja vista que já se achavam vitoriosas as diversas irmandades e organizações abolicionistas.

Com o advento da tal Lei Áurea, nada mais fez a princesa Isabel se não apenas confirmar o óbvio além de se submeter as pressões da Inglaterra.

Após o 13 de maio de 1888, o Brasil continuou segregacionista, negando o direito a terra e a educação aos povos afro-descendentes, cujo desemprego e inoportunidades gerais condiciono-os a uma eterna luta por dignidade humana.
A ideologia farsante da democracia racial aponta para um racismo camuflado capaz de fazer prevalecer as desigualdades econômicas, perpetuando-as até onde forem possíveis, visto que a sociedade excludente com seus preconceitos mesquinhos, mascaram-se diante da realidade e apostam na perpetuação da hegemonia branca multifacetada.
Atualmente, muito se luta por “reparações”, absorvida pelo Estado como políticas públicas de ações afirmativas, sobretudo, no âmbito da saúde, Educação, moradia, trabalho, dentre outros. E desta forma a contendo que o Brasil amenizará quatro séculos de dividas junto ao povo afro-brasileiro.
Concluo parafraseando José Tadeu Arantes: “A raiz do preconceito é o medo; e a raiz do medo é a ignorância. Discriminamos aquilo que tememos; e tememos aquilo que desconhecemos".
Categorias:Opinião

DIA DAS MÃES

10 de maio de 2009 Deixe um comentário
 
 
 
Mãe negra…
 
(Edvaldo Rosa – 02/03/2008)

Mãe negra de pura alma,

alma cheia de segredos,

mistérios e venturas…

Mãe guerreira,

como as d’outras terras

que também são as tuas…

Mãe meiga,

Mãe candura,

Mãe doçura!

Mãe mistérios,

Mãe força natural e pura!

Mãe venturosa,

Mãe força na lide de viver,

de vencer as dificuldades,

as adversidades da vida

dos tempos de agora!

Mãe querida,

que em tuas noites mais escuras,

nos dias mais tortuosos,

Oxalá lhe estenda Suas luzes radiosas!

E o banhar-se nas águas de Oxúm,

mansas e cristalinas,

lhe retire as dores de tuas costas…

E as de teu coração também possa!

Inhançã varra tuas estradas,

com suas abençoadas forças,

retirando de teus passos

as folhas mortas… Os perigos… As armadilhas…

Feitas por quem nem te entende e nem gosta!

Ossanha forre estes teus caminhos

com outras folhas novas,

mais macias e perfumosas!

Oxumaré a proteja dos inimigos

que tenham se escondido em moitas próximas…

E tanto as viboras quanto seus venenos leve embora!

Omulu cure tuas chagas,

mesmo aquelas que lhe inflingimos

com as faltas nossas!

Que sua alma possa percorrer em paz

os seus caminhos d’alma,

na procura incessante do bem para nós!

Iemanjá possa com as forças de suas vagas,

indicar-lhe sempre os caminhos

nos oceanos de vida,

que por ela existem em todos nós…

E quando teu navegar-caminhar, Mãe andarilha,

te colocar nos picos das montanhas

possa Eua insuflar em teu ser, tua alma, teu peito

o mais puro ar das montanhas…

E que se renove tuas forças!

E que renovada por ela viva…

Solta!

Plena!

Como um pássaro livre e solto,

Águia sob o firmamento,

a ofuscar o sol,

a ofuscar as estrelas!

Oh! Mãe! De minhas vidas inteiras

quando correrdes pelas pradarias,

tenha as armas de Ogúm no peito!

As de Xangô á mostra na mão direita e na esquerda!

Para que não tombes nas guerras que enfrentas!

Para enfim, num plácido e cálido momento,

sorrir,

brincar,

sentir-se Ibejí…

Sem mácula!

Sem rancor!

Sem medos!

É o tempo, o tempo que se renova…

Te renova!

No seguir inclemente das horas

sejas sempre a Mãe negra de alma pura,

que traz paz a tudo que toca

e em tudo vê luz, vida e encantamentos!

Categorias:Entretenimento