Inicial > Movimento negro > ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

Por: Helciane Angélica

A
Associação Cultural Agentes de Pastoral Negros (APN’s) surgiu em 1983,
durante um processo de mudança no contexto sócio-político e econômico
no Brasil, onde também existia a redemocratização do poder nos mais
diversos setores da sociedade, principalmente, dentro da Igreja
Católica.

Os negros e negras atuantes nas igrejas queriam ter
mais espaços, serem realmente vistos e ouvidos, e ampliar a discussão
sobre teologia e negritude. “Embora o
negro fosse à missa, ao espaço evangélico, sempre teve contato com
alguma benzedeira ou um pai de santo. Enfim, tinha contato, mas não
podia ter uma abertura para se manifestar ou falar de suas raízes
”, destacou o APN Nuno Coelho.

A
entidade teve início dentro da Igreja Católica e compunha o corpo
organizacional, mas depois percebeu que precisava ampliar seus
horizontes e agregar pessoas de diversas crenças religiosas,
tornando-se um espaço para discussão política e transformação social.

De
acordo com Helcias Pereira, que já foi coordenador nacional de formação
e contribuiu para a implantação de mocambos (grupos de base) dos APN’s
em Alagoas no ano de 1988, a instituição superou muitas barreiras para
hoje se tornar uma referência nacional – “Quando
a gente levava o atabaque para a Igreja, nós éramos chamados de
macumbeiros e quando íamos para as atividades do movimento negro nós
éramos chamados de papa-ostras, foi um conflito muito grande até o povo
entender a nossa missão
”, disse o ativista alagoano.

O lema da instituição nacional é “Fé, luta, organização e conscientização” e atualmente encontra-se presente em 14 estados e o Distrito Federal, distribuídos em todas as regiões do país.

De 21 a 24 de abril de 2010, acontecerá em Goiânia (GO) o 1º Congresso Nacional da instituição com o tema “APN’s, olhando história e projetando o futuro”.
O evento já é visto como um momento de extrema importância, pois tem a
missão de discutir a linha política para os próximos 10 anos de
atuação, priorizar a organização, oxigenação de lideranças e trabalhar
o pertencimento (potencializar a identidade étnica e o compromisso com
os ideais do grupo).

A Comissão dos Jornalistas pela Igualdade
Racial em Alagoas (Cojira-AL) deseja sucesso no fortalecimento das
ações – “A felicidade do negro é uma felicidade guerreira!”.

Fonte: Coluna Axé – Tribuna Independente (22.12.09)

Anúncios
Categorias:Movimento negro
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: