Arquivo

Archive for junho \26\UTC 2012

Nuno Coelho assume Escritório Regional da Fundação Cultural Palmares

26 de junho de 2012 Deixe um comentário

Na noite dessa segunda-feira (25.06) a Fundação Cultural Palmares, órgão vinculado ao Ministério da Cultura, oficializou a instalação do escritório no Estado de São Paulo que funcionará na Rua Formosa n° 367, 21º andar – Centro – CEP: 01049-911 – São Paulo.

Desde 2001, a FCP amplia sua missão de preservar e promover a cultura afro-brasileira por meio das representações regionais e, atualmente, encontra-se também em Alagoas, Bahia, Maranhão e no Rio de Janeiro.

O Presidente, Eloi Araújo, nomeou no último dia 1º de junho, Nuno Coelho de Alcântara Júnior como Chefe da Representação Regional. O ativista é o Coordenador Geral dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs), ainda é Membro da Subcomissão de quilombos da Assembleia Legislativa de São Paulo e do Fórum de Educação.

Na solenidade, estiveram presentes autoridades, representantes de várias entidades negras, integrantes dos APNs, além de amigos e familiares do gestor empossado. O Estado de Alagoas, foi representado pelo ativista Helcias Pereira que é Vice-Presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (Mocambo Anajô) e Diretor Nacional de Formação dos APNs.

Saiba mais:  www.palmares.gov.br

Dia Mundial de combate a violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho de 2012 Deixe um comentário

Carta Mensal – Junho/2012

2 de junho de 2012 Deixe um comentário

AGENTES DE PASTORAL NEGROS

Conscientização, Organização, Fé e Luta

Prezados/as APNs, na alegria e na esperança, minha saudação fraterna a todos e todas em mais uma Carta Mensal. Que tem apenas o objetivo de nos aproximarmos. Com muita alegria e reflexão em  nossa caminhada de Fé e Luta.

Ao aproximar-me do Aeroporto Zumbi dos Palmares, em mais uma viagem a Maceió, o ar que respirei já cheirava terras Palmarinas. Isso me remeteu a algumas lembranças históricas, seja pelos momentos em que lá estive, seja pelo significado ancestral que esse lugar nos representa, ou seja, pelas inúmeras histórias que nos contam. Mas, o que importa de fato é que levei no coração cada um de vocês que vivem espalhados por esse imenso Quilombo chamado Brasil.

Após nossa 15ª Assembleia Geral realizada em Vitória-ES, no final de abril passado, tenho refletido muito sobre nossas utopias e desejos futuros, tanto para o coletivo, como para nós individualmente. Em tempos de tantas informações negativas na política, injustiças sociais e corrupções, parece até que perdemos tempo em nossas vidas apostando num projeto de solidariedade. Isso é o que parece!

Com a aproximação das comemorações dos 30 Anos dos APNs percebemos que não estamos no fim da história, mas num começo. A pós-modernidade, o pós-socialismo, o pós-tudo “deles” pode até ser o nosso princípio de tudo. Talvez o princípio da democracia verdadeira para todos os povos, não apenas para as pessoas privilegiadas do primeiro mundo. Podemos até estar no princípio do socialismo “utópico”, o único que vale a pena tornar “real”. O sociólogo Herbert de Souza costumava dizer que a verdadeira democracia, deve tentar conjugar, simultaneamente, com paixão utópica e, em realizações diárias, a participação, a igualdade, a pluralidade, a solidariedade, a liberdade. É esse sentimento que tem nos tornado cada dia mais militantes e sonhadores.

Com essa reflexão tenho encontrado algumas respostas, também, no sentido de ser APNs. O que mais tem me impulsionado a seguir lutando é aquele selo místico que nossa entidade possui, e aparece sem dúvida, nos muitos rostos, confusão para alguns e  diálogo para os que a frequentam. A fé se refrata em mil nomes e mil buscas, e a fé convivida fraternalmente será o grande suporte da esperança humana.

Outra boa nova, que percebi para todos e todas, é que estamos avançando cada vez mais na execução das resoluções do Congresso de Goiânia. O nosso objetivo é ocupar o espaço de poder, chegar longe e com igualdade. Fazer dos sonhos de Nelson Mandela, Martin Luther king, Abdias Nascimento, Mário Mendes, Pe. Toninho, Pe. Françoi, enfim, de tantos mártires da nossa luta que sonharam um sonho que parecia impossível, mas, que hoje, sob nossa responsabilidade, fazermos a cada dia esse sonho uma realidade, urge um novo modo de ser, de pessoa, de família, de social, de político e de espiritual. Nasceu um novo modo de ser APNs. Hoje quase 30 anos depois deixamos de ser um mito para ser uma realidade.  Como diz a nossa Aninha em sua mensagem na rede, “estamos em tempos de boa colheita.”

Nos dias 5 e 6 de junho, estaremos investindo na formação de 20 lideranças APNs dos 13 estados do Brasil e o Distrito Federal no Simpósio de Formação Político. De 25 a 27 de julho estaremos realizando mais uma etapa da Escola Nacional de Formação em Belo Horizonte – MG, e Alagoas que nos espera linda, formosa e ardente de 1 a 5 de maio de 2013 para a grande kizomba dos 30 anos, a  presença de todos e todas serão bem vinda.

Aproveito a oportunidade para dar as boas vindas aos novos Mocambos recém-instalados de Cinelândia-DF e Presidente Prudente-SP (Nzinga).

Para encerrar quero partilhar com vocês um compromisso que acabo de assumir, em nome desta entidade, ao estar novamente na direção. Reafirmando o símbolo da aliança com as causas históricas de Fé e Luta dos APNs, a opção pelos pobres, a terra, os povos quilombolas, as Comunidades tradicionais, a juventude sonhadora, as mulheres lutadoras pela vida e pelas sobrevivências de muitos, os Mártires Palmarinos, enfim, por você malungo e por você malunga, passo a usar para sempre o Anel de Tucum.

Agradeço também as inúmeras manifestações de carinho, apreço e motivação que recebi dos mais diversos cantos e recantos deste Brasil, da família APNs pela nomeação na Representação da Fundação Cultural Palmares. Esse é mais um passo na direção que construímos em Goiânia, nossa entidade é forte, é grande, é pujante, e oferece ao Brasil cada vez mais lideranças preparadas e capacitadas para fazer uma boa gestão de ação afirmativa, de uma eficaz política de igualdade racial e de seguir combatendo todas as formas de preconceito.

Um beijo no coração e fé na luta!

“Eu também sou vítima de sonhos adiados,  de esperanças dilaceradas, mas, apesar disso,  eu ainda tenho um sonho, porque a gente não pode desistir da vida.”

(Martin Luther King)

 

Nuno Coelho

Coordenador Nacional