Arquivo

Posts Tagged ‘Abdias Nascimento’

Convite: Catálogo do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento

28 de março de 2012 Deixe um comentário

Recebemos esse convite especial dos malung@s da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL), vinculado ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal).

 

Anúncios

Cerimônia afro

15 de novembro de 2011 3 comentários

Por: Helciane Angélica – Integrante da Cojira/AL (*)

O dia 13 de novembro de 2011 entrou para a história! A Serra da Barriga em União dos Palmares, na zona da mata alagoana, foi palco de mais um evento que mexeu com o coração de várias pessoas e exaltou a memória do líder negro Abdias do Nascimento (14/03/1914-24/05/2011), que ainda em vida desejou que suas cinzas fossem depositadas no local.

“Abdias deu uma contribuição enorme ao Brasil e ao mundo, um legado de luta contra a intolerância religiosa, racismo e todas as formas de discriminação. E suas cinzas irão encontrar com todos os quilombolas que derramaram seu sangue em busca de liberdade”, disse Eloi Ferreira de Araújo, Presidente da Fundação Cultural Palmares/Ministério da Cultura, ao dar boas-vindas às pessoas que vieram de várias partes do Brasil e do exterior.

A Ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Luiza Bairros, também prestigiou a cerimônia e destacou que “Abdias é uma das figuras mais importantes para a história do Brasil, porque antecipou a luta política em defesa das questões étnicorraciais, traçou naquela época, a pauta do movimento negro”, afirmou.

Um dos momentos mais emocionantes da celebração foi a oferenda aos ancestrais realizada pelo professor Anani Dzidzenyo, percussionistas nigerianos e os filhos de Abdias: Abdias Filho, Henrique Garcia e Osiris Nascimento – os dois primeiros filhos com a atriz Léa Garcia, e o outro com a psicóloga Elsa Larkin, que também estavam presentes. Juntos, ofereceram o rum jamaicano representando a diáspora africana; a cachaça do Brasil; vinho, bebida preferida do ativista; e a água, símbolo de paz – foi um momento de muita paz e energia, abrilhantado com a chuva. Também teve a leitura do poema “Escalando a Serra da Barriga” interpretado por Chico de Assis e Debora Almeida.

Dentre as autoridades presentes, estiveram: Kátia Born, Secretária de Estado da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos; Osvaldo Viégas, Secretário de Estado de Cultura; Genisete Sarmento, representante do escritório da FCP em Alagoas; Elson Davi, Secretário Municipal de Cultura de União dos Palmares; Isabel Gomes; Secretária Municipal de Turismo; ex-Deputado Estadual Paulão; Fátima Santiago, representando a Câmara Municipal de Maceió.

As cinzas de Abdias Nascimento foram depositadas no alto da Serra da Barriga em União dos Palmares junto com mudas de árvores sagradas como a gameleira e o baobá. A cerimônia contou com a presença de ialorixás e babalorixás de várias casas de axé de Alagoas, lideranças do movimento negro local e nacional (APNs, Conen, Unegro, MNU e Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará-Cedenpa), pesquisadores, estudantes, artistas, admiradores de vários países e veículos de comunicação.

A cerimônia foi encerrada como o povo negro gosta, celebrando a vida e a morte, ao som dos tambores com a apresentação do grupo baiano Ilê Aiyê, dança-afro e roda de capoeira. Abdias foi merecidamente homenageado com pompas de rei. Axé!

(*) Fonte: Coluna Axé – nº176 – Jornal Tribuna Independente (15.11.11)

Acesse também: www.cojira-al.blogspot.com e  www.helciane-angelica.blogspot.com

Anajô/APNs na homenagem a Abdias Nascimento

14 de novembro de 2011 1 comentário

Serra da Barriga - solo sagrado e palco da resistência (foto: Helciane Angélica)

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (APN-AL) locou uma van para realizar uma edição especial do projeto “Palmares in loco”, assim como, para prestigiar neste domingo (13.11.11) a cerimônia de deposição das cinzas de Abdias Nascimento na Serra da Barriga em União dos Palmares. Na ocasião, participaram integrantes do grupo e amigos, a exemplo, da médica e vereadora Fátima Santiago (PP) que representou a Câmara Municipal de Maceió.

A homenagem ao ativista negro Abdias Nascimento foi emocionante e contou com a presença de autoridades, ialorixás e babalorixás de várias casas de axé de Alagoas, além de lideranças do movimento negro local e nacional (APNs, Conen, Unegro, MNU e Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará-Cedenpa), pesquisadores, estudantes, artistas, admiradores de outros países e veículos de comunicação.

Abdias foi dramaturgo, pintor, escritor, jornalista, professor, deputado e senador da República. Um dos maiores defensores da cultura e cidadania para afrodescendentes, na elaboração de políticas públicas e no combate do racismo e outras formas de discriminação. Saiba mais: www.abdias.com.br.

Confira abaixo algumas imagens da presença do Anajô na celebração afro:

ARTIGO: ABDIAS NASCIMENTO “NA SERRA DA BARRIGA”

11 de novembro de 2011 3 comentários

Abdias do Nascimento (Franca/SP, 14 de março de 1914 — Rio de Janeiro/RJ, 24 de maio de 2011) dedicou toda uma vida pela efetivação da igualdade racial.

 

Texto escrito por: Helcias Pereira (*)

 

Era noite de sábado no dia 14 de maio de 1988. Cheguei animado na casa de meus pais comentando sobre a participação em um novo grupo do Movimento Negro, chamado Mocambo ANAJÔ que ajudei em sua idealização. Meu pai à época um babalorixá pernambucano e sem muita leitura como ele mesmo se alto afirmava, puxou assunto sobre a questão e me fez uma pergunta um tanto inusitada e embaraçosa: “Isso tem haver com a FRENTE DOS NEGROS que Getúlio acabou?”, indagou. “Que frente dos negros? Que Getúlio?” Também perguntei sem jamais esperar de meu pai tal pergunta. “Não sei dizer muito filho, só sei que era um movimento dos negros que foi cassado por Getúlio”. Claro, depois de pensar rapidamente, entendi que se tratava do ex-presidente da República Getúlio Vargas lembrando-me de uma breve leitura que fiz sobre a nova República. Tal situação ficou arraigada em minha memória.

Tempos depois, durante as comemorações do “20 de novembro” – Dia Nacional da Consciência Negra, em pleno platô da Serra da Barriga, percebi no meio de tantos militantes e personalidades, certo homem negro vestindo um abadá colorido de fina elegância. Tinha barba e cabelos ligeiramente alongados, cuja altivez no olhar abrilhantava-se com um leve sorriso, certamente, pela satisfação de estar junto aos seus, pisando aquele solo sagrado. Não custou e na primeira oportunidade fui apresentado ao mesmo, que me cumprimentou e também abraçou com cordialidade, foi quando constatei que se tratava de Abdias Nascimento, um dos baluartes do Teatro Experimental do Negro do Rio de Janeiro e membro da Frente Negra Brasileira.

Pronto! Como num estalar de dedos, lembrei do meu velho pai: “tem haver com a FRENTE DOS NEGROS que Getúlio acabou?”… Eu tinha pouca consciência da história, mas soube perceber naquele momento quão grande era a simbologia e importância daquele apertar de mão. Abdias assim como Zumbi, tornou-se para mim, mais uma referência no avivar de minha militância, ainda que no seu primórdio.

Através dos AGENTES DE PASTORAL NEGROS DO BRASIL (APNs) – entidade esta considerada por Abdias – tive a oportunidade de nos momentos de formação, ler, ouvir e aprofundar temas sobre a história do Quilombo dos Palmares e seus desdobramentos na contemporaneidade. Foi com essa maneira diferenciada dos APNs em fazer movimento negro, que pude ler coletivamente e debater sobre as várias formas de resistência do povo negro brasileiro.

Também foi nessa caminhada que tomei conhecimento das grandes lutas e revoltas coletivas, a exemplo da balaiada, revolta da chibata, malês; da resistência dos grupos afro-culturais a exemplo dos Filhos de Ghandi; das resistências das comunidades de fé de matriz africana na luta contra o intolerantismo religioso; dos grandes jornais da imprensa negra nos anos 20 e 30 como o Clarim da Alvorada; das sesmarias e sociedades beneficentes de negros visando auto-valorização e ascensão sócio-cultural; das agremiações recreativas; e ainda: saber sobre o CCP – Centro Cívico Palmares, criado em 1926 em Campinas, que certamente fomentou a criação da FRENTE NEGRA BRASILEIRA – cujo 15 de setembro tornou-se também uma data no mínimo reflexiva mediante a sua importância histórica.

Hoje, ao saber que o malungo Abdias Nascimento está prestes a ser unificado ao solo sagrado da Serra da Barriga, outrora banhada pelo sangue dos guerreiros quilombolas palmarinos, nos resta aprofundar inerentes conhecimentos acerca dos bravos ativistas que fizeram valer a FRENTE NEGRA BRASILEIRA pelas suas intervenções políticas em sua década de existência, sobretudo, organizando, fomentando e politizando o povo negro brasileiro e toda sociedade afim.

Além dos diversos ativistas baluartes, Abdias é uma representação incontestável e vital para a dinamicidade dessa história. Seu nome será incontestavelmente agregado aos guerreiros de Palmares, e digo mais, sua história de imensuráveis contribuições já transforma-o como o nosso GANGA contemporâneo!

VALEU ABDIAS!

SARAVÁ MALUNGO…

 

 

  (*)  Helcias Roberto Paulino Pereira

Membro Diretor do ANAJÔ/APNs-AL

Membro da Equipe Técnica do CEASB/AL

Coordenador Nacional de Formação dos APNs

Conselheiro Nacional de Promoção da Igualdade Racial – CNPIR/SEPPIR

 

HOMENAGEM A ABDIAS NASCIMENTO‏

27 de maio de 2011 Deixe um comentário

FILHOS DE N´ZAMBI

N´Zambi sabe a luta do povo de palmares,

Dos sonhos de Aqualtune

Ao atravessar os mares,

Dos guerreiros que sonharam

Com o apogeu da liberdade.

Desde Dambrabanga à Amaro,

Sabalangá a Subupira,

Ozenga que seria atalho,

A Cucaú zona de ira.

E nas bandas do Sumidouro,

Onde se ouvia os adulfes,

Das armadilhas de Andalaquituche

Gritou-se em guerra um só coro.

Viva Ganga-Zumba o rei primeiro,

Cujo sangue reinou hereditário,

Nas veias de Acaiúba e Tocúlo grandes corsários,

Guerreiros que fortaleceram outros guerreiros.

Viva Acotirene que mexe em nossa memória,

Das poucas mulheres que viveram a poliandria,

Dos homens unidos que sustentaram essa história,

Das crianças livres que gozaram essa alegria.

Viva os quilombolas que lutaram até aqui,

Salve os Mocambos antes e ainda resistentes,

Axé para o povo que continua a luta dessa gente,

Viva! Viva, o nosso grande Rei Zumbi!

VIVA OS GUERREIROS TODOS QUE LUTARAM ATÉ A MORTE

QUÃO TÃO GRANDES, FORTES, FIRMARAM-SE ATENTOS

MALUNGOS BALUARTES, PRIMÓRDIOS, CONTEMPORÂNEOS

DESDE OS GANGAS DE PALMARES À ABDIAS NASCIMENTO.

AXÉ MALUNGOS!

Helcias Roberto Paulino Pereira

Ativista Negro Alagono / Mocambo ANAJÔ

Arte-Educador do Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu – CEASB

Coord. NacIonal de Formação dos APNs do Brasil

Conselheiro do CNPIR / SEPPIR

Nota de pesar pelo falecimento de Abdias do Nascimento

26 de maio de 2011 Deixe um comentário

Ao manifestar seu pesar pela morte de Abdias do Nascimento poeta, artística plástico, jornalista, ator, diretor teatral, ex-senador da República e principal ícone vivo do Movimento Negro brasileiro,, ocorrida na manhã desta terça-feira, 24,no Rio de Janeiro, os Agentes de Pastoral Negros do Brasil-APNs eleva a Deus uma prece em favor deste grande líder da luta contra o racismo e um dos maiores expoentes da política de ações afirmativas no Brasil e no Exterior chamado agora a participar da glória da Ressurreição. Depois de voltar do exílio, em 1.978, entrou na vida política, onde se elegeu deputado Federal de 1.983 a 1.987, e senador da República, de 1.997 a 1999, pelo PDT.

Foi um dos incentivadores da criação do Movimento Negro Unificado, em 1.978. É Doutor Honoris Causa pela Universidade de Brasília e autor de vários livros, entre os quais “Sortilégio”, “Dramas para Negros e Prólogo para Brancos” e “O Negro Revoltado”.

Foi professor Benemérito da Universidade do Estado de Nova York e Doutor Honoris Causa também pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Neste momento de tristeza e de dor, mas também de esperança, fazemos chegar nossa solidariedade à Elisa Larkin, sua esposa e aos filhos e familiares bem como aos membros do PDT Afro, que pranteiam sua morte.

Anime-nos a todos a palavra do Evangelho: “Se o grão de trigo que cai na terra não morre, fica só. Mas, se morre, produz muito fruto” (Jo 12,24).

São Paulo, 24 de maio de 2011

Nuno Coelho
Coordenador Nacional dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil – APNs
 
 
Fonte: http://apnsbrasil.org/