Arquivo

Posts Tagged ‘Artigo’

ANGOLA JANGA, ANCESTRALIDADES E HONRAS

7 de fevereiro de 2019 Deixe um comentário

Helcias Roberto Paulino Pereira
Membro do Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJÔ
Militante do Movimento Negro desde 1988

 

Poderia ser apenas um ato ou sentimento nostálgico de identificar a nova terra como “Pequena Angola”, ou simplesmente a sensação literal de “voltar pra terrinha”, ou ainda, remeter tudo isso ao passado na forma indubitável e singular de ser, de se organizar, resistir, lutar e viver. Angola Janga passou a ser de maneira imensurável uma utopia vital para se galgar uma longínqua experiência rumo ao inimaginável apogeu da liberdade.

A princípio tornaram-se imprescindíveis os rompimentos dos grilhões, tantos físicos, quanto psicológicos. Era preciso insurgir-se contra os opressores para terem de volta o mínimo necessário de dignidade humana, aliás, nem assim eram considerados (as) visto suas condições miseráveis de homens e mulheres escravizados (as), tratados (as) abruptamente como animais de carga, moedas de barganha, objetos de escambos, etc. etc. Lutar era mais que preciso!

Depois de aproximadamente trinta e três anos de resistência (1597-1630) e busca incansável por resiliência, o Quilombo dos Palmares finalmente mostrava-se aos governantes de Pernambuco que sua existência estava sem sombra de dúvidas sedimentada na Zona da Mata, cujos malungos desta feita aquilombados e livres, poderiam deleitar-se em Xirês (rodas e danças invocando Orixás, N´kises e Vodus) e Quizombas (grandes festas) por ser essa, uma expressão cultural eminentemente africana, considerando sua complexidade continental.

E assim, entre tempos de paz e alguns de guerra, Palmares que se tornou República livre, mesmo que edificada em montes íngremes repletos de “cafuas” e pequenos Mukambus, e se fortificou a cada dia ampliando sua população e se fazendo valer como um Estado independente dentro do Estado de Pernambuco.

Durante algumas décadas, seus habitantes passaram de três mil em média para mais de vinte mil, constituídos por agricultores, ferreiros, lenhadores, caçadores, conselheiros, guerreiros, e outros, cuja participação feminina apesar de em menor quantidade se fez forte e certamente com indiscutível equanimidade. As pindobas ou pindoramas assim chamadas pelos indígenas (grande quantidade de palmeiras) foram determinantes quanto a origem do nome do quilombo, mas foi a Serra do outeiro que se chamou Macacos, hoje SERRA DA BARRIGA a capital inconteste do grande Quilombo (Mukambu) dos Palmares, cuja extensão geográfica se expandiu para um raio superior a duzentos quilômetros quadrados em toda Zona da Mata, hoje, entre Pernambuco e Alagoas. Palmares, o grande Quilombo conseguiu manter-se organizado por um século quando sofreu sua grande derrocada na madruga do dia seis de fevereiro de 1694, entretanto, mesmo com o tombo fatal do seu último Comandante-em-chefe ZUMBI em vinte de novembro de 1695, ainda assim em meados de 1704, em pleno século XVIII Camuanga, Banga e Souza tentavam corajosamente fazer resistir a Saga de Palmares.

Subir o SOLO PALMARINO em vigília na madrugada do seis de fevereiro, tem sido uma forma singular do Movimento Negro Contemporâneo em todas as suas faces organizativas e representativas, enquanto momento de honras e homenagens aos ancestrais que sonharam, vivenciaram, resistiram e lutaram até o ultimo momento de suas vidas, pela verdadeira liberdade, aquela que se entranhou no solo tornando-o sagrado ao ser fecundado com todo sangue derramado dos guerreiros e guerreiras ali tombados.

Ancestralmente, não é motivo de choro nem lamento por causa da derrocada inaceitável, é de fato uma oportunidade impar de se refletir, entender e saudar todos os guerreiros e guerreiras ali martirizados e materializados no chão das entranhas da barriga da Serra, a qual se constitui hoje numa forma de Muxima, pulsando em cada um de nós que naturalmente nos deixamos enveredar pelas mesmas utopias do passado, na certeza que nossa liberdade está dentro de nossas mentes e corações. Sejamos guerreiros na luta e fortaleçamos a coletividade.

Viva Aqualtune dos Palmares e todos os Gangas, Viva Zumbi, Dandara e Andalaquituche.  Saravá N´Zambi!

 

MACRO CRISTIANISMO

7 de março de 2016 Deixe um comentário

Por: Helcias Pereira

Ao longo dos meus quase 53 anos, sendo mais da metade atuando e militando inicialmente na Pastoral da Juventude do Meio Popular – PJMP e Comunidades Eclesiais de Base – CEBs, seguindo-se no Movimento Negro através dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil – APNs, entidade pela qual tenho a honra de ser Coordenador Nacional na atualidade. Igualmente honra-me dizer que durante essa caminhada pude desfrutar dos mais memoráveis momentos de reflexão e confraternização intitulados em virtude do pertencimento étnico, como: Kizombas, Mushakás, Xirês de Malungos ou mais recentemente Tambores Falantes… Pude presenciar e vivenciar situações tanto desafiadoras quanto agradabilíssimas no tocante as relações étnicas, culturais, políticas e macrorreligiosas. E todas elas tornaram-se naturalmente momentos impares para se “beber da sabedoria” dos malungos e malungas que se fizeram sujeitos dessa história. Motivos pelos quais ainda continuo acreditando que vale a pena atuar e pertencer de fato e de direito. Pois bem, a narrativa acima serve apenas para atentar, positivamente é lógico, a um fato que pude recentemente VIVENCIAR. Vamos lá!…
No ultimo domingo de fevereiro de 2016 acompanhei minha esposa Marluce no culto da IGREJA BATISTA DO PINHEIRO em Maceió, após quase um mês em que ela se encontrava hospitalizada. Sabia do carinho e do amor que muitos daquela Comunidade de Fé demonstrariam com seu retorno, o que de fato constatou-se. No entanto, algo mais estaria prestes a acontecer para ampliar meu acervo de vivências extraordinárias.
Naquela manhã, anunciou-se que haveria durante o culto uma ASSEMBLEIA para que a Igreja tomasse uma importante decisão, e durante a pregação da Pastora Ódja Barros pude perceber quão iluminada foi ao reportar a todos sobre as primeiras Comunidades Cristãs no Ato dos Apóstolos. Suas palavras me provocaram imediata reflexão e lembranças do que um dia li sobre essas primeiras comunidades, suas articulações, confraternizações, conflitos e dificuldades em geral. No entanto, fez-me a Pastora Ódja reinteirar que tais comunidades eram verdadeiramente constituídas por grupos de seguidores de Jesus, a exemplo dos doze apóstolos.

Posteriormente outros grupos passaram a se reunir identificando seus dirigentes reconhecidos pelos demais, cujas localidades de oração também serviam para as reuniões e todos buscavam praticar a comunhão reforçada pela fé, sobretudo, partilhando seus bens. Essas comunidades uníssonas conviviam fraternalmente distribuindo seus serviços e aceitando os demais que a ela se apresentavam. Elas não se fechavam em si mesmas, mas ao contrário, em nome da sua maior liderança Jesus Cristo haveriam de testemunhar recorrentemente a Boa Nova com a presença do Espírito Santo. Não me cerceei em parabenizar a ilustre Pastora.
Continuando vi em pleno culto, o jovem Pastor Wellington na qualidade de Presidente declarar aberta a Assembleia, cujos membros efetivos da Igreja haveriam de referendar ou não, através do voto aberto uma RECOMENDAÇÃO do corpo diretivo daquela Comunidade de Fé. Leia-se, na presença de visitantes e/ou não associados como Eu por exemplo. A referida recomendação tratava-se de: SE A IGREJA BATISTA DO PINHEIRO DEVERIA OU NÃO ACEITAR MEMBROS HOMO-AFETIVOS NA SUA COMPOSIÇÃO ORGÂNICA. Pronto! Imaginei coisas e logo me questionei quando e em quais lugares seria possível isso acontecer, mediante tamanhas ideologias secularizadas, reforçadas pelo racismo, machismo, homofobia, e outros preconceitos correlatos.
Passei a observar os movimentos da equipe que conferia os votos, o olhar comedido do presidente que atentamente conduzia os trabalhos; o silêncio da maioria, bem como a inquietude de alguns, e no momento certo diante de um tema considerado historicamente complexo, evidenciado e debatido ao longo dos anos, abre-se a votação, e o que vi foi surpreendente. Uma comunidade unida através de um gesto, cuja grande maioria DELIBERAVA positivamente não apenas a inclusão, mas o acolhimento fraterno desses novos membros. Posteriormente quem usou a palavra para se referir ao resultado da votação, classificou-a como vitória incontestável do Amor de Deus.
Dizia um membro em sua cadeira de rodas: “Agradeço à Deus por está aqui neste dia. Pois para mim era uma questão de honra me fazer presente. O resultado da votação não é apenas pelos “meninos” ou pelas “meninas”, o resultado representa a verdadeira importância do amor e do respeito ao próximo”.
Ao término e bastante impactado com tudo o que vi e ouvi, cumprimentei algumas pessoas parabenizando pelo belíssimo resultado, pode constatar também surpreendentemente varias pessoas com os olhos encharcados de lágrimas dado a importância do acontecimento sem dúvida nenhuma, histórico e inabitual.
Sai maravilhado em saber que nem sempre a arrogância, a ignorância e a estupidez humana prevalecem em relação aos desafios de aceitação ao que é diferente ou mesmo inusitado. A Igreja Batista do Pinheiro que já tem uma Pastoral da Negritude como organismo interno, e tantos compromissos sócio-religiosos com várias comunidades carentes, inclusive no Sertão Alagoano, merece todo respeito e admiração. Merece o carinho e o reconhecimento enquanto uma verdadeira COMUNIDADE DE FÉ, sinergicamente aludida as primeiras Comunidades Cristãs. Isso para mim, que sou extremamente leigo, me faz ousar ao chamar de Macro Cristianismo.

Vida longa a Igreja Batista do Pinheiro!

Olorum Kolofé Axé!

* HELCIAS ROBERTO PAULINO PEREIRA
Coordenador de Formação do Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJO / APNs-AL
Coordenador Nacional dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil – APNs
Membro do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial – CONEPIR

PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL, UMA POLÍTICA NECESSÁRIA.

11 de agosto de 2013 Deixe um comentário

mestre claudioPor: Claudio Figueiredo (Mestre Claudio)

Professor de Educação Física e Mestre de Capoeira

Integrante do Conselho Fiscal do Anajô

Representa o Anajô no Conepir, na condição de membro titular

 

 

Hoje (10.08.13) uma amiga me perguntou o que significava Promoção da Igualdade Racial, pensei um pouco e relatei um episódio:
Ontem pela manhã participei de um edital para eleição de um Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial, onde se fizeram presentes, negros, quilombolas, índios, ciganos, religiosos de matriz africana e Capoeiristas.

Quando, na entrada do espaço onde se deu o evento, a militante do movimento negro, capoeirista, negra e uma das três únicas Professoras de Capoeira no estado de Alagoas, que por sinal foi votada e eleita a titular do segmento da Capoeira, foi barrada por estar usando uma saia que julgaram estar curta demais. Imaginem se as índias tivessem vindo com suas roupas típicas, seriam presas por atentado ao pudor. A questão não é essa, e sim, o fato de terem outras mulheres brancas, com saias do mesmo tamanho e ninguém as DISCRIMINOU.

Para explicar pra que serve esse Conselho, basta olhar em nossa volta e ver a desigualdade existente entre os povos, sem nenhuma qualidade de vida, sem água potável, sem casa de alvenaria, sem saúde, sem escolas, sem acesso a sua comunidade, sem nenhuma expectativa de vida e sem o que eu julgo ser o mais importante e indispensável, que é o conhecimento de seus direitos humanos, que devido a isso, a sua maioria se encontram abaixo da linha da pobreza.

Se fôssemos descrever tudo o que existe de desigualdade na nossa sociedade, levaria páginas e páginas denunciando a discriminação e os descasos contra esse povo.

Por fim, nesse momento me sinto muito feliz e com um grande peso nas costas ao ter sido eleito Conselheiro pelo Movimento negro, que com certeza cobrará minha atuação em prol da luta pela igualdade racial e social que teremos que enfrentar com a máxima urgência.

Graças a Deus, não estarei só, o Conselho é riquíssimo em diversidade e de pessoas que como eu, foram eleitos pela sua luta pelos nossos irmãos de cor e de outras etnias que como nós, sofrem pelo abandono e falta de políticas públicas afirmativas.

Obrigado ANAJÔ pela confiança depositada em mim, mas vamos trabalhar juntos em comunhão de ideias e ideais. Um abraço a todos e todas que fazem parte da minha história no Estado de Rede Socialista Alagoas.

TER CONSCIÊNCIA NEGRA … VIVA ZUMBI E TODOS OS GANGAS!

18 de novembro de 2012 Deixe um comentário

 

Por: Helcias Pereira

Membro do Mocambo ANAJÔ /APNs-AL
Membro da Coordenação Nacional dos APNs do Brasil
Conselheiro Nacional de Promoção da Igualdade Racial / CNPIR-SEPPIR-PR
(82) 9600-9941 – helcias.pereira@hotmail.com

 

É de suma importância que todos nos unamos em torno das lutas diárias do povo afro-ameríndio. No mínimo, unir forças, promover ações que edifiquem a consciência conjunta das lideranças, democratizando proposta é fortalecendo as realizações. Mas é preciso também ter cuidados, usar a consciência como fomentadora da inteligência para não fazer o jogo do inimigo, ou ser engabelado por ele no percurso da história, aliás, história essa muitas vezes deturpada ou esquecida por gente que só se enxerga em nome do seu bel prazer, etnocêntrico ou não.

Temos que ter consciência que o povo de Palmares lutou por um século nas mais adversas intempéries, no entanto, através da união, superaram a fome e o infortúnio da escravidão. Zumbi conviveu e herdou dos seus a CONSCIÊNCIA da luta pela vida, e vida com dignidade. Foi martirizado como tantos outros pelos algozes do colonialismo. Seu nome hoje resgatado como último ganga-comandante-em-chefe, inscrito no Tombo como Herói Nacional, herói do povo brasileiro.

Certamente diria Zumbi hoje: Estamos bem, estamos no caminho certo, está na hora de inculturar o necessário e politizar muito mais a luta para que nossa vitória seja completa. Temos um Estatuto da Igualdade Racial que é Lei; fomos vitoriosos sobre as cotas no STF por dez a zero, ganhamos no Senado Federal 50% das vagas para escolas públicas dentro das Universidades. Nossos cotistas provaram na pratica que são competentes nos estudos, apesar de todas as faltas de oportunidades, ou simplesmente, apesar de tudo que lhe foi negado, roubado, esteriotipado. Temos um Negro presidente do Supremo Tribunal Federal, Temos muito para refletir, analisar, fortalecer e comemorar.

É isso… Eu diria que nosso herói Zumbi quer mesmo é que fiquemos atentos como atalaias, para sermos sujeitos da história fazendo a sua parte sem esquecer o coletivo, não apenas das entidades negras, dos grupos culturais, das casas religiosas de matrizes africanas, dos quilombolas… Mas sim, de toda COMUNIDADE NEGRA E AFRO-AMERÍNDIA, sobretudo, as esquecidas nas favelas, nos lixões, nos grotões, nos cárceres, nas pedras do IML, nas esquinas sem futuro, nas salas de aula eurocêntricas, nos discursos equivocados e nas posturas egoístas.

Para que nossa CONSCIENCIA NEGRA seja completa precisamos enlaçar nossas mentes, nossas mãos, nossos pés e nossos corações em favor do nosso povo e em nome do Heroi Nacional Zumbi dos Palmares.

AXÉ POVO DE ZUMBI! SARAVÁ N’ZAMBI!

 

………………………………………………………………………………..

O conteúdo abaixo faz parte de um texto já publicado em alguns sites desde 2010.
“Considerando que a ÁFRICA é o berço da humanidade, defendo que SER NEGRO é ser antes de tudo, filho da África, homens e mulheres descendentes geneticamente de diferenciados grupos étnicos e culturas como os Yorubás, Gêges, Bantos e tantos outros, cuja ancestralidade está presente no nosso jeito de falar, andar, dançar, vestir, cozinhar, etc. Está na força da nossa oralidade, intrínseco na nossa epiderme, nos traços faciais, no encarapinhado de nossos cabelos, na consciência sócio-histórico-cultural e religiosa, sobretudo, correlacionados às raízes de matizes africanas. Mas também, está na consciência cidadã de dizer não ao racismo e combatê-lo junto a outras formas de preconceito, independente da quantidade de melanina.
Ser negro é ter CONSCIÊNCIA NEGRA = consciência ÉTNICORRACIAL, que por sua vez implica em alto-identificação, sentimento de pertencimento, de ser afro-brasileiro e sentir na grande contextualidade a importância de se assumir afro-ameríndio.

Ter consciência negra é não aceitar comportamentos e ações racistas, discriminatórias e muito menos segregacionistas, é não acirrar e ainda se opor a qualquer tipo de sentimento de superioridade diante do outro por causa das diversidades, é dizer não ao ETNOCENTRISMO que oprime e segrega da mesma forma.

Ter consciência negra é não aceitar a intolerância religiosa que humilha e agride individual e institucionalmente as comunidades de fé de matriz africana; É não aceitar discriminações correlatas a exemplo dos diversos casos de homofobias e xenofobias, principalmente no tocante a prática do eurocentrismo.

Ter consciência negra é defender permanentemente a causa do povo negro, cuja comunidade ainda vivencia os infortúnios do colonialismo e da exploração de mão de obra barata e semiescrava.

Ter consciência negra é lutar por políticas de promoção da igualdade racial. Defender as mulheres e crianças negras dos estereótipos e abusos etnocêntricos, capazes de esmorecer sua alto-estima, fruto de todas as importunidades causadoras de extremas desigualdades socioculturais e econômicas.

Ter consciência negra é lutar igual e simultaneamente por direito à terra, educação com qualidade, segurança alimentar permanente, cultura, esporte e lazer, inclusive resgatando e avivando os cantos e as brincadeiras circulares ancestrais, garantia de direitos a moradia com dignidade e ainda um olhar com ações direcionadas as comunidades tradicionais remanescentes de quilombos e de matriz africana. Enfim, garantir políticas públicas reais de ações afirmativas que promovam a igualdade racial e, sobretudo, estabeleça o compromisso de combater as injustiças sociais causadas pelo RACISMO AMBIENTAL que promove sistematicamente a excludência, a vulnerabilidade e a negação de direitos daqueles que se condicionam em formar favelas e sobreviver nas lamúrias das serras, vales, grotões e ao lado dos lixões das grandes cidades.”
Só unidos vamos vencer nossas batalhas e realizar nossos propósitos coletivos.

ARTIGO: ABDIAS NASCIMENTO “NA SERRA DA BARRIGA”

11 de novembro de 2011 3 comentários

Abdias do Nascimento (Franca/SP, 14 de março de 1914 — Rio de Janeiro/RJ, 24 de maio de 2011) dedicou toda uma vida pela efetivação da igualdade racial.

 

Texto escrito por: Helcias Pereira (*)

 

Era noite de sábado no dia 14 de maio de 1988. Cheguei animado na casa de meus pais comentando sobre a participação em um novo grupo do Movimento Negro, chamado Mocambo ANAJÔ que ajudei em sua idealização. Meu pai à época um babalorixá pernambucano e sem muita leitura como ele mesmo se alto afirmava, puxou assunto sobre a questão e me fez uma pergunta um tanto inusitada e embaraçosa: “Isso tem haver com a FRENTE DOS NEGROS que Getúlio acabou?”, indagou. “Que frente dos negros? Que Getúlio?” Também perguntei sem jamais esperar de meu pai tal pergunta. “Não sei dizer muito filho, só sei que era um movimento dos negros que foi cassado por Getúlio”. Claro, depois de pensar rapidamente, entendi que se tratava do ex-presidente da República Getúlio Vargas lembrando-me de uma breve leitura que fiz sobre a nova República. Tal situação ficou arraigada em minha memória.

Tempos depois, durante as comemorações do “20 de novembro” – Dia Nacional da Consciência Negra, em pleno platô da Serra da Barriga, percebi no meio de tantos militantes e personalidades, certo homem negro vestindo um abadá colorido de fina elegância. Tinha barba e cabelos ligeiramente alongados, cuja altivez no olhar abrilhantava-se com um leve sorriso, certamente, pela satisfação de estar junto aos seus, pisando aquele solo sagrado. Não custou e na primeira oportunidade fui apresentado ao mesmo, que me cumprimentou e também abraçou com cordialidade, foi quando constatei que se tratava de Abdias Nascimento, um dos baluartes do Teatro Experimental do Negro do Rio de Janeiro e membro da Frente Negra Brasileira.

Pronto! Como num estalar de dedos, lembrei do meu velho pai: “tem haver com a FRENTE DOS NEGROS que Getúlio acabou?”… Eu tinha pouca consciência da história, mas soube perceber naquele momento quão grande era a simbologia e importância daquele apertar de mão. Abdias assim como Zumbi, tornou-se para mim, mais uma referência no avivar de minha militância, ainda que no seu primórdio.

Através dos AGENTES DE PASTORAL NEGROS DO BRASIL (APNs) – entidade esta considerada por Abdias – tive a oportunidade de nos momentos de formação, ler, ouvir e aprofundar temas sobre a história do Quilombo dos Palmares e seus desdobramentos na contemporaneidade. Foi com essa maneira diferenciada dos APNs em fazer movimento negro, que pude ler coletivamente e debater sobre as várias formas de resistência do povo negro brasileiro.

Também foi nessa caminhada que tomei conhecimento das grandes lutas e revoltas coletivas, a exemplo da balaiada, revolta da chibata, malês; da resistência dos grupos afro-culturais a exemplo dos Filhos de Ghandi; das resistências das comunidades de fé de matriz africana na luta contra o intolerantismo religioso; dos grandes jornais da imprensa negra nos anos 20 e 30 como o Clarim da Alvorada; das sesmarias e sociedades beneficentes de negros visando auto-valorização e ascensão sócio-cultural; das agremiações recreativas; e ainda: saber sobre o CCP – Centro Cívico Palmares, criado em 1926 em Campinas, que certamente fomentou a criação da FRENTE NEGRA BRASILEIRA – cujo 15 de setembro tornou-se também uma data no mínimo reflexiva mediante a sua importância histórica.

Hoje, ao saber que o malungo Abdias Nascimento está prestes a ser unificado ao solo sagrado da Serra da Barriga, outrora banhada pelo sangue dos guerreiros quilombolas palmarinos, nos resta aprofundar inerentes conhecimentos acerca dos bravos ativistas que fizeram valer a FRENTE NEGRA BRASILEIRA pelas suas intervenções políticas em sua década de existência, sobretudo, organizando, fomentando e politizando o povo negro brasileiro e toda sociedade afim.

Além dos diversos ativistas baluartes, Abdias é uma representação incontestável e vital para a dinamicidade dessa história. Seu nome será incontestavelmente agregado aos guerreiros de Palmares, e digo mais, sua história de imensuráveis contribuições já transforma-o como o nosso GANGA contemporâneo!

VALEU ABDIAS!

SARAVÁ MALUNGO…

 

 

  (*)  Helcias Roberto Paulino Pereira

Membro Diretor do ANAJÔ/APNs-AL

Membro da Equipe Técnica do CEASB/AL

Coordenador Nacional de Formação dos APNs

Conselheiro Nacional de Promoção da Igualdade Racial – CNPIR/SEPPIR

 

Negras e negros na Bíblia?

17 de novembro de 2010 Deixe um comentário

Por: Edmilson Schinelo


Os evangelhos sinóticos são unânimes em afirmar que um certo Simão de Cirene ajudou Jesus a carregar a cruz, a caminho do Calvário (Mt 27.32; Mc 15.21; Lc 23, 26). Ora, Cirene fica no norte da África, mas alguma vez você ouviu em prédica ou sermão, na catequese, na escola dominical ou no ensino confirmatório, que um africano ajudou Jesus a carregar a cruz? Estudiosos dirão que se trata de um judeu da diáspora, visto que no norte da África havia várias colônias judaicas. Mas com que argumentos ou intenções fazem esta escolha na interpretação?

Por contrariar os interesses da corte de Jerusalém, pouco antes da destruição da cidade pelas tropas babilônicas, o profeta Jeremias foi preso e lançado numa cisterna. Um africano, funcionário do rei (seu nome, Ebed-Melec, significa “ministro do rei”), liderou um movimento para libertar Jeremias (Jr 38,1-13). Quantas vezes você se lembra de ter estudado este texto, dando atenção a este “detalhe”?

Moisés, conta-nos Nm 12, casou-se com uma africana, da região de Cush – Etiópia. Na verdade, quase toda a historia do êxodo se passa na África. Uma simples leitura do Canto de Miriã (Ex 15,19-21), com certeza um dos textos mais antigos de toda a Bíblia, nos permite notar a proximidade da cena com a rica cultura dos povos negros: canto e dança ao redor dos tambores. Você já parou para pensar nisso?

O missionário Filipe, ao “aceitar a carona” na carruagem do negro e alto funcionário de Candace, rainha da Etiópia, tem uma grata surpresa: o africano já tem em suas mãos o livro do profeta Isaías (At 8, 26-40). E há quem continue afirmando que os foram os europeus que levaram a Bíblia para a África!

Pois bem, os exemplos acima são suficientes para nos provocar ao desafio: olhar a Bíblia na perspectiva da negritude!

Em primeiro lugar, porque seguimos acreditando que o Deus da Bíblia faz opção pelas pessoas e pelos grupos mais marginalizados. Em nossa sociedade, as mulheres, as pessoas negras e indígenas continuam sendo as maiores vítimas da gritante exclusão social. Com elas aprendemos a resistir. Em segundo lugar, porque queremos e podemos descobrir as raízes negras do povo hebreu e de toda a Bíblia. De fato, antes de ser européia, a Bíblia é afro-asiática. Não negamos a contribuição européia ao nosso continente, queremos seguir trocando saberes com o chamado “Velho Continente”. Mas denunciamos o cristianismo branco e opressor, com teologias que chegaram ao absurdo de justificar a escravidão negra (feita pelos brancos) e que continuam, muitas vezes, negando nossas raízes.

Não queremos fazer isso apenas pinçando textos bíblicos nos quais apareçam personagens africanas. Este até pode ser o primeiro passo, um exercício necessário e interessante. Mas é preciso mais do que isso, é preciso olharmos toda a Bíblia na perspectiva da negritude. Porque essa é nossa experiência, ainda que negada: vivemos num país onde metade da população é afro-descendente. “Coincidentemente”, é a metade mais pobre.

Que aceitemos o desafio de mergulharmos na Bíblia e na vida com nosso olhar afro-descendente. Afinal, por muitos séculos, fizemos isso apenas com o olhar europeu. Erramos e acertamos, agora vemos que é preciso mais. Ou manteremos a opção, muito mais cômoda e bem menos questionadora para nossa sociedade preconceituosa e racista, de continuar enxergando apenas um Jesus loiro, de olhos azuis e cabelos cacheados?

Fonte: Extraído de Bíblia e Negritude – Pistas para uma leitura afro-descendente.

São Leopoldo: CEBI/EST, 2005.
Para adquirir, acesse:  http://www.cebi.org.br/publicacoes-produto.php?produtoId=229