Arquivo

Posts Tagged ‘LGBT’

MACRO CRISTIANISMO

7 de março de 2016 Deixe um comentário

Por: Helcias Pereira

Ao longo dos meus quase 53 anos, sendo mais da metade atuando e militando inicialmente na Pastoral da Juventude do Meio Popular – PJMP e Comunidades Eclesiais de Base – CEBs, seguindo-se no Movimento Negro através dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil – APNs, entidade pela qual tenho a honra de ser Coordenador Nacional na atualidade. Igualmente honra-me dizer que durante essa caminhada pude desfrutar dos mais memoráveis momentos de reflexão e confraternização intitulados em virtude do pertencimento étnico, como: Kizombas, Mushakás, Xirês de Malungos ou mais recentemente Tambores Falantes… Pude presenciar e vivenciar situações tanto desafiadoras quanto agradabilíssimas no tocante as relações étnicas, culturais, políticas e macrorreligiosas. E todas elas tornaram-se naturalmente momentos impares para se “beber da sabedoria” dos malungos e malungas que se fizeram sujeitos dessa história. Motivos pelos quais ainda continuo acreditando que vale a pena atuar e pertencer de fato e de direito. Pois bem, a narrativa acima serve apenas para atentar, positivamente é lógico, a um fato que pude recentemente VIVENCIAR. Vamos lá!…
No ultimo domingo de fevereiro de 2016 acompanhei minha esposa Marluce no culto da IGREJA BATISTA DO PINHEIRO em Maceió, após quase um mês em que ela se encontrava hospitalizada. Sabia do carinho e do amor que muitos daquela Comunidade de Fé demonstrariam com seu retorno, o que de fato constatou-se. No entanto, algo mais estaria prestes a acontecer para ampliar meu acervo de vivências extraordinárias.
Naquela manhã, anunciou-se que haveria durante o culto uma ASSEMBLEIA para que a Igreja tomasse uma importante decisão, e durante a pregação da Pastora Ódja Barros pude perceber quão iluminada foi ao reportar a todos sobre as primeiras Comunidades Cristãs no Ato dos Apóstolos. Suas palavras me provocaram imediata reflexão e lembranças do que um dia li sobre essas primeiras comunidades, suas articulações, confraternizações, conflitos e dificuldades em geral. No entanto, fez-me a Pastora Ódja reinteirar que tais comunidades eram verdadeiramente constituídas por grupos de seguidores de Jesus, a exemplo dos doze apóstolos.

Posteriormente outros grupos passaram a se reunir identificando seus dirigentes reconhecidos pelos demais, cujas localidades de oração também serviam para as reuniões e todos buscavam praticar a comunhão reforçada pela fé, sobretudo, partilhando seus bens. Essas comunidades uníssonas conviviam fraternalmente distribuindo seus serviços e aceitando os demais que a ela se apresentavam. Elas não se fechavam em si mesmas, mas ao contrário, em nome da sua maior liderança Jesus Cristo haveriam de testemunhar recorrentemente a Boa Nova com a presença do Espírito Santo. Não me cerceei em parabenizar a ilustre Pastora.
Continuando vi em pleno culto, o jovem Pastor Wellington na qualidade de Presidente declarar aberta a Assembleia, cujos membros efetivos da Igreja haveriam de referendar ou não, através do voto aberto uma RECOMENDAÇÃO do corpo diretivo daquela Comunidade de Fé. Leia-se, na presença de visitantes e/ou não associados como Eu por exemplo. A referida recomendação tratava-se de: SE A IGREJA BATISTA DO PINHEIRO DEVERIA OU NÃO ACEITAR MEMBROS HOMO-AFETIVOS NA SUA COMPOSIÇÃO ORGÂNICA. Pronto! Imaginei coisas e logo me questionei quando e em quais lugares seria possível isso acontecer, mediante tamanhas ideologias secularizadas, reforçadas pelo racismo, machismo, homofobia, e outros preconceitos correlatos.
Passei a observar os movimentos da equipe que conferia os votos, o olhar comedido do presidente que atentamente conduzia os trabalhos; o silêncio da maioria, bem como a inquietude de alguns, e no momento certo diante de um tema considerado historicamente complexo, evidenciado e debatido ao longo dos anos, abre-se a votação, e o que vi foi surpreendente. Uma comunidade unida através de um gesto, cuja grande maioria DELIBERAVA positivamente não apenas a inclusão, mas o acolhimento fraterno desses novos membros. Posteriormente quem usou a palavra para se referir ao resultado da votação, classificou-a como vitória incontestável do Amor de Deus.
Dizia um membro em sua cadeira de rodas: “Agradeço à Deus por está aqui neste dia. Pois para mim era uma questão de honra me fazer presente. O resultado da votação não é apenas pelos “meninos” ou pelas “meninas”, o resultado representa a verdadeira importância do amor e do respeito ao próximo”.
Ao término e bastante impactado com tudo o que vi e ouvi, cumprimentei algumas pessoas parabenizando pelo belíssimo resultado, pode constatar também surpreendentemente varias pessoas com os olhos encharcados de lágrimas dado a importância do acontecimento sem dúvida nenhuma, histórico e inabitual.
Sai maravilhado em saber que nem sempre a arrogância, a ignorância e a estupidez humana prevalecem em relação aos desafios de aceitação ao que é diferente ou mesmo inusitado. A Igreja Batista do Pinheiro que já tem uma Pastoral da Negritude como organismo interno, e tantos compromissos sócio-religiosos com várias comunidades carentes, inclusive no Sertão Alagoano, merece todo respeito e admiração. Merece o carinho e o reconhecimento enquanto uma verdadeira COMUNIDADE DE FÉ, sinergicamente aludida as primeiras Comunidades Cristãs. Isso para mim, que sou extremamente leigo, me faz ousar ao chamar de Macro Cristianismo.

Vida longa a Igreja Batista do Pinheiro!

Olorum Kolofé Axé!

* HELCIAS ROBERTO PAULINO PEREIRA
Coordenador de Formação do Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJO / APNs-AL
Coordenador Nacional dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil – APNs
Membro do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial – CONEPIR

Anúncios

Conselho LGBT elege presidente e vice-presidente da entidade

20 de junho de 2015 Deixe um comentário

Conselho LGBT elege presidente e vice-presidente da entidade

Secretária Rosinha é indicada, mas ela defendeu a importância de um representante da sociedade civil

Fonte: Sirley Veloso/Ascom

 

O Conselho Estadual de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais elegeu, nesta terça-feira, 16, o presidente e o vice-presidente da entidade. Para presidência, foi eleito Allex Sander Porfírio de Souza, do Centro de Cultura de Estudos Étnicos Anajô, vinculado à Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs). A vice-presidência ficou com o representante da Secretaria de Segurança, Aarão José da Silva.

 

Membro do Conselho, Júlio Daniel Farias, defendeu o nome da secretária da Mulher e dos Direitos Humanos, Roseane Cavalcante, a Rosinha da Adefal, para a presidência. Ele afirmou que “o nome da secretária é excelente para nos ajudar na organização do conselho, pois o movimento encontra-se dividido”.

 

Vários conselheiros endossaram a proposta de Farias, inclusive o presidente eleito, Allex Sander, no entanto, Rosinha da Adefal ressaltou a importância de ser eleito um representante da sociedade civil. “É a primeira eleição do conselho, é importante para o fortalecimento do movimento que seja eleito um representante da sociedade civil”, enfatizou a secretária.

 

José Igor do Nascimento, do Grupo Direito à Vida de Alagoas, que também foi candidato à presidência, parabenizou o presidente eleito e destacou a criação do conselho como um importante avanço para o movimento LGBT.

 

Criado em 2013, o conselho somente foi empossado no início deste mês. A entidade é composta por vinte membros, sendo nove representantes do governo e onze de organizações não governamentais. Estão representados, a Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos, a Saúde, Educação, Segurança, Assistência e Desenvolvimento Social, Trabalho e Emprego, Cultura, Política sobre Drogas e a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal).

 

As organizações não governamentais que têm assento no conselho são, o Grupo Direito à Vida, Somos LGBT Arapiraca, Associação Arco Iris Paripueira, Afinidades GLST AL, Associação de Travestis e Transexuais de Alagoas, Associação Nacional dos Militares das Forças Armadas HIV Aids , União de Movimento de Moradia de Alagoas, Associação Construção Jovem, Centro de Cultura Étnicos, Instituto Feminista Jarede Viana e a Central de Movimento Populares de Alagoas.

 

Os integrantes da entidade reúnem-se novamente no próximo dia 30 para criação das comissões de trabalho e para dar início à organização das conferências no Estado de Alagoas.

Marcha LGBT em Maceió

16 de dezembro de 2014 Deixe um comentário

10382976_10200104932421748_2026849328443563994_n

Nessa sexta-feira(19.12) das 8h às 12h30, no auditório do Sindicato dos Urbanitários (Rua Moreira e Silva, 54, – Farol, Maceió), acontecerá o seminário “Estado Laico – Sua Religião Não É Nossa Lei”, com a apresentação do trabalho de pesquisa “Cristianismo, Política e Crimininalização da Homofobia no Brasil” de autoria do Mestre em Psicologia Paulo Nascimento, em seguida, a conferência da Pastora e Educadora Odja Barros (Igreja Batista do Pinheiro).

A atividade é uma realização do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô e Afinidades GLSTAL, respectivamente, vinculados aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) e a ong Grupo Gay de Maceió.

Também integra a programação da II Marcha Pelos Direitos LGBT 2014, no domingo (21) a partir das 15h, com concentração na Av. Antônio Gouveia na Praia de Pajuçara em direção a Praça Multieventos, onde a população LGBT e ativistas denunciarão os índices de assassinatos relacionados à homofobia, que foram levantados pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Esse é o momento propício para revindicar a efetivação de políticas públicas e o respeito ao direito de amar quem quiser. Mais informações e inscrições: marchalgbt.al@hotmail.com / (82) 8868.4838 – 9980.1099 –  9171.5115.

Anajô participa de Conselho Estadual LGBT

4 de dezembro de 2014 Deixe um comentário

composição-conselholgbt

No dia 28 de novembro, foi publicado no Diário Oficial de Alagoas, a composição do Conselho Estadual de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CECD/LGBT) referente a Lei nº7528 de 26 de julho de 2013.

Ao todo, são onze representantes de entidade da sociedade civil organizada: Central de Movimentos Populares de Alagoas (CMP); Grupo Direito à Vida de Alagoas; Instituto Feminista Jarede Viana; SOHMOS GLBT de Arapiraca; Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô; Associação Construção Jovem; Associação Arco-Íris de Paripueira; Afinidades GLSTAL – Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgêneros de Alagoas; Associação de Travestis e Transexuais de Alagoas (ASTTAL); Associação Nacional dos Militares das Forças Armadas – Vivendo com HIV/AIDS (ASNAMFA); União de Movimento em Moradia em Alagoas.

Os representantes do Anajô – entidade vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) – serão Allex Sander Porfírio e Filomena Félix.

A posse dos conselheiros e conselheiras dessa primeira gestão do conselho será no dia 10 de dezembro (quarta-feira) às 14h, no auditório da Secretaria de Estado da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos. Esperamos que o debate proporcione políticas públicas eficazes para combater a violência e o preconceito.

Veja a publicação na íntegra: http://www.doeal.com.br/portal/visualizacoes/jornal/#/p:48/e:23215

Audiência no MPE – 25.02.14

26 de fevereiro de 2014 Deixe um comentário

Nessa terça-feira(25.02), teve mais uma audiência no Ministério Público Estadual com lideranças de segmentos afros e LGBT, para obter informações sobre os encaminhamentos tomados pelo promotor Flavio Gomes. A Promotoria de Direitos Humanos solicitou esclarecimento do Governo de Alagoas sobre a demora na posse dos dois conselhos estaduais.

Também foram realizadas entrevistas presenciais e por telefone, com: Tv Alagoas, Gazetaweb, Rádio Gazeta, Rádio CBN, Site Alagoas 24H e Jornal Gazeta de Alagoas.

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô marcou presença nessa importante articulação!

A mobilização valeu a pena!!! Confira o registro fotográfico.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Lideranças solicitam apoio do MPE na efetivação de conselhos estaduais

25 de fevereiro de 2014 Deixe um comentário

Aconteceu nessa segunda-feira(24.02) uma audiência com Promotor de Justiça Flavio Gomes, na sala da Promotoria de Direitos Humanos localizado no Barro Duro em Maceió. Lideranças de movimentos sociais solicitaram o apoio do Ministério Público Estadual para reivindicar a posse imediata do Conselho Estadual de Políticas de Igualdade Racial (Conepir) e o Conselho Estadual de Políticas LGBT, cuja tramitação vem se prolongando por vários meses e compromete a legitimidade do processo. Veja abaixo como ficou a carta reivindicatória dos segmentos afros sobre o Conepir.

CARTA REIVINDICATÓRIA



Maceió-Alagoas, 21 de fevereiro de 2014.

 


O Conselho Estadual de Igualdade Racial de Alagoas (Conepir) tem como objetivo propor e deliberar sobre as políticas de ações afirmativas. Trata-se de um fato histórico, que visa atender os legítimos anseios da população negra, comunidades quilombolas, povos indígenas e outros segmentos étnicos vítimas de discriminação, acrescentando no âmbito estadual políticas de promoção da igualdade racial, com o objetivo de combater o racismo e o preconceito.


Busca-se a ampliação do processo de controle social, objetivando melhorias no aspecto econômico e financeiro, educacional, histórico-cultural, social e político, metas imperativas da política estadual de promoção da igualdade racial.


Atualmente, existem conselhos nessa área localizados nos estados de Pernambuco, Pará, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, São Paulo e Santa Catarina, e suas existências estimulam a organização dos segmentos e são capazes de promover o debate, além de propor a execução de políticas públicas. 


Porém, o Conepir-Alagoas ainda não foi oficialmente implantado. Diante da importância sociopolítica, o movimento social negro e demais segmentos étnicorraciais vem apresentar o presente documento:


1. Considerando que a articulação para o Conselho Estadual de Igualdade Racial de Alagoas (Conepir) iniciou a partir da visita da Ministra da Seppir, Luiza Bairros, em 24 de março de 2012, quando ocorreu o Ato de Assinatura do Acordo de Cooperação Técnica entre a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e o Governo do Estado de Alagoas, para atender as comunidades quilombolas mais carentes.


2. Considerando que no dia 30 de setembro de 2012, os segmentos do Movimento Negro de Alagoas entregaram para a Ministra Luiza Bairros um MANIFESTO sobre o Plano Juventude Viva, apresentando várias propostas que se configuravam como políticas de estado no combate à segregação sócio-étnica, inclusive, destacando a importância da criação do CONEPIR.


3. Considerando que o Movimento Negro acompanhou o processo de construção do projeto de lei e a tramitação na Assembleia Legislativa de Alagoas(ALE) por várias sessões ordinárias, onde precisou ter a sensibilização junto aos deputados estaduais para que entrasse na pauta da Ordem do Dia.


4. Considerando que a Lei Estadual nº7448 que dispõe sobre a criação, composição e competências do CONEPIR foi aprovada na ALE em 29 de novembro de 2012. Também ficou definido que seria composto por 26 membros titulares com seus respectivos suplentes, sendo 13 membros do Poder Público e 13 da sociedade civil.


5. Considerando que para participar do CONEPIR, as entidades da sociedade civil precisavam seguir os seguintes critérios: ter 2 (dois) anos de registro e atuação comprovada na promoção da igualdade racial em âmbito estadual ou regional; apresentar cópia da documentação registrada em cartório: Ata de fundação; Estatuto da entidade; Ata de eleição da atual diretoria; inscrição no CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica); ofício indicando os nomes dos representantes da entidade (um titular e um suplente), e, cópias da documentação pessoal (RG e CPF).


6. Considerando que no dia 09 de agosto de 2013, no Palácio República dos Palmares, foi realizada a Assembleia de Convocação e Eleição das entidades de sociedade civil, sendo eleitas: QUILOMBOLAS: Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado de Alagoas – Ganga Zumba; POVOS INDÍGENAS: Comunidade Wassu Cocal (Joaquim Gomes); COMUNIDADES TRADICIONAIS DE MATRIZ AFRICANA: Omi Omo Posu Betá; Núcleo de Cultura Afro Brasileira (Casa de Iemanjá); REPRESENTANTES DA POPULAÇÃO NEGRA, ENTIDADES SINDICAIS E SÓCIO-CULTURAIS: Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô/APNs; Centro de Formação e Inclusão Social Inaê/GUESB; Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL)/Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal); Coordenação de Direitos Humanos, Gênero, Raça e Etnia/Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal); Secretaria de Combate ao Racismo/Central Única dos Trabalhadores (CUT-AL); CIGANOS: Lechie (titular) e a Comunidade Tradicional de Ciganos do Município de Carneiros (suplente); CAPOEIRA: Federação Alagoana de Capoeira-Falc (titular) e Grupo Muzenza de Capoeira (suplente).


7. Considerando que o Sistema Nacional de Políticas pela Igualdade Racial (SINAPIR) instituído pelo Estatuto da Igualdade Racial através da Lei 12.288/2010, é uma forma de organização, articulação e execução de políticas e serviços para a superação das desigualdades étnicas no país. E que os entes federativos (estados e municípios) que aderirem ao Sinapir assumem compromissos no âmbito da política de igualdade racial e recebem incentivos como recursos públicos já a partir de 2014, sendo necessária a existência dos conselhos municipais e estaduais.


8. Considerando que a Presidenta Dilma Rouseff assinou na abertura da III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CONAPIR) o Decreto 8136/2013, que aprovou o regulamento da SINAPIR, demonstrando que tal publicação fomenta a viabilização da operacionalização do sistema e a adesão dos municípios e estados para a implementação dessa política, potencializando os resultados e garantindo o acesso prioritário.


9. Considerando que ocorreu um descaso por parte dos órgãos públicos, pois a divulgação dos seus representantes (titulares e suplentes) se estendeu por vários meses. E que o Governo de Alagoas apresentou inúmeras datas para a solenidade de posse do CONEPIR, porém, foram canceladas sem qualquer justificativa comprometendo a legitimidade do processo.


10. Considerando que o Estado de Alagoas, terra de Zumbi dos Palmares, carrega em sua trajetória o modelo de luta e resistência do Quilombo dos Palmares, não podemos nos omitir diante desse momento histórico que é resultado das bandeiras de lutas do Movimento Negro nesse país.


Solicitamos que o Ministério Público Estadual, através da Promotoria de Direitos Humanos, possa nos representar e tomar as devidas providências visando a imediata posse dos conselheiros e conselheiras, titulares e suplentes, do Poder Público e da sociedade civil.


Assinam esse documento, as instituições:


*ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE CAPOEIRA LIBERDADE

*ASSOCIAÇÃO POSU BETÁ

*BANDA AFRO MANDELA

*CENTRO DE CAPOEIRA LUA DE SÃO JORGE

*CENTRO DE CULTURA E CIDADANIA MALUNGOS DO ILÊ (CCCMI)

*CENTRO DE CULTURA E ESTUDOS ÉTNICOS ANAJÔ/APNs

*CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS AFRO ALAGOANO QUILOMBO (CEPA-QUILOMBO)

*COLETIVO AFRO CAETÉ

*COMISSÃO DE JORNALISTAS PELA IGUALDADE RACIAL EM ALAGOAS/SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DE ALAGOAS (COJIRA-AL/SINDJORNAL)

*COMPANHIA DE TEATRO E DANÇA AIÊ ORUM

*COORDENAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS, GÊNERO, RAÇA E ETNIA/SINDICATO DOS TRABALHADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS (SINTUFAL)

*COORDENAÇÃO ESTADUAL DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO ESTADO DE ALAGOAS – GANGA ZUMBA

*FEDERAÇÃO ALAGOANA DE CAPOEIRA (FALC)

*FEDERAÇÃO DE CAPOEIRA DO ESTADO DE ALAGOAS (FECEAL)

*GRUPO UNIÃO ESPÍRITA SANTA BÁRBARA – GUESB/INAÊ

*INSTITUTO RAÍZES DE ÁFRICA

*NÚCLEO DE APOIO E DESENVOLVIMENTO DA CAPOEIRA (NADEC-ALAGOAS)

*NÚCLEO DE CULTURA AFRO BRASILEIRA IYA OGUNTE

*ORQUESTRA DE TAMBORES

*PASTORAL DA NEGRITUDE DA IGREJA BATISTA DO PINHEIRO

*SECRETARIA DE COMBATE AO RACISMO/CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT-AL)

 

 Fonte: Cojira-AL

Audiência no MPE – 24.02.14

24 de fevereiro de 2014 Deixe um comentário

Aconteceu nessa segunda-feira(24.02) uma audiência com promotor de justiça Flavio Gomes, na sala da Promotoria de Direitos Humanos localizado no bairro Barro Duro em Maceió.

Lideranças de movimentos sociais solicitaram o apoio do Ministério Público Estadual para reivindicar a posse imediata do Conselho Estadual de Políticas de Igualdade Racial (Conepir) e o Conselho Estadual de Políticas LGBT, cuja tramitação vem se prolongando por vários meses e compromete a legitimidade do processo.

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô marcou presença nessa importante mobilização!!!

Confira o registro fotográfico:

Este slideshow necessita de JavaScript.