Arquivo

Posts Tagged ‘Movimento negro’

Live sobre subida e ocupação da Serra da Barriga

21 de novembro de 2020 Deixe um comentário

O Coletivo de Intelectuais de Negros e Negras (CDINN) convidou o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô para participar da Marcha Virtual Faremos Palmares de Novo.

A live intitulada “Subida e ocupação da Serra da Barriga: experiências e imersão virtual a partir de roteiros de visitas guiadas à Serra da Barriga”, foi mediada pelo Prof. Dr. José Nilton de Almeida (UFRPE), e ocorreu no dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra e de Zumbi dos Palmares – das 14h às 15h na página do coletivo no YouTube.

Participaram da atividade: Helcias Pereira, membro fundador do ANAJÔ; Benedito Jorge da Silva Filho, o atual coordenador geral; e Valdice Gomes, jornalista e integrante, que faz parte do conselho fiscal da entidade. Eles destacaram a atuação da entidade no movimento negro alagoano e ações desenvolvidas em prol da valorização da cultura afro; execução dos projetos Palmares in loco e Vamos Subir a Serra que contribuem para o pertencimento étnico e exaltação da história do Quilombo dos Palmares; além da importância do Parque Memorial Quilombo dos Palmares situado no platô da Serra da Barriga – Patrimônio do Mercosul.

Confira na íntegra:

VAMOS SUBIR A SERRA TERÁ EDIÇÃO ESPECIAL

17 de novembro de 2020 Deixe um comentário

Devido à pandemia do covid-19 e o período eleitoral, o projeto não acontecerá este mês, mas terá uma edição especial com os ajustes necessários, obedecendo os decretos governamentais e protocolos sanitários.

Pensando em marcar as celebrações do mês de novembro, dedicado às comemorações e reflexões sobre a importância histórica do Dia Nacional da Consciência Negra e de Zumbi dos Palmares – 20 de novembro, o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô realizará, na próxima terça-feira (24), o lançamento Projeto Vamos Subir a Serra (Edição Especial), que devido à pandemia do covid-19 e o período eleitoral, não será realizado este mês. A atividade, restrita a 150 pessoas, acontecerá às 17hs, na Praça Multieventos, na orla da Pajuçara, obedecendo as normas do decreto estadual Nº 71.467, de 29 de setembro de 2020, bem como os protocolos sanitários.

Durante lançamento, os responsáveis pelo projeto irão informar a data da edição especial, a programação prevista com as mudanças necessárias para se ajustar à nova realidade, as novidades desta edição e justificar os motivos da alteração de data. De acordo com a coordenadora geral do projeto, Valdice Gomes, o sucesso das edições anteriores tem despertado uma expectativa sobre a realização do projeto este ano.

 “O projeto tem atendido o seu objetivo de fomentar a reflexão sobre a realidade da população afrodescendente, valorizar e dar visibilidade à cultura afro-alagoana, e depois de três edições de sucesso é natural a expectativa quanto à sua realização este ano, por  isso decidimos fazer o lançamento já este mês como forma de dar respostas ao público que já conta com as atividades do Vamos Subir a Serra”, enfatizou.

O projeto Vamos Subir a Serra é uma iniciativa do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do movimento negro alagoano, vinculado aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs). O projeto éconsiderado um dos maiores eventos afro-culturais no Estado de Alagoas, destinado à valorização da população negra e da cultura afro, incentivo à geração de renda, o pertencimento étnico-racial e o combate ao racismo.

VAMOS SUBIR A SERRA por dignidade, respeito e reconhecimento do povo negro!

SERVIÇO:

Lançamento do Projeto

Vamos Subir a Serra – Edição Especial

Local: Praça Multieventos / Pajuçara – Maceió (AL)

Data:24 de novembro de 2020

Hora: A partir das 17h

Coordenação de Comunicação

Valdice Gomes / Helciane Pereira / Luíla de Paula

(82) 99999-1301 / 98831-3231 / 99616- 1053

Email: ascom.anajo@gmail.comvamossubiraserra.al@gmail.com

Gestão do Projeto

Simone Benchimol – (82) 99687.7907 / gestao@simonebenchimol.com.br

Anajô participa da live realizada pela UNIT

13 de novembro de 2020 Deixe um comentário

No dia 13 de novembro ocorreu a live organizada pelo Núcleo de Apoio Pedagógico e Psicossocial do Centro Universitário Tiradentes (Unit), por meio do Núcleo (Napps), com o tema “Precisamos falar sobre racismo”. A atividade também respeitou à acessibilidade e contou com intérprete de libras em tempo real.

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô foi o convidado especial e foi representado pela malunga Valdice Gomes: jornalista, integrante do conselho fiscal do Anajô e coordenadora geral do projeto Vamos Subir a Serra.

Ela repassou informações relevantes sobre a história da nossa entidade e as ações desenvolvidas; discutiu a importância das políticas afirmativas; educação antirracista; os impactos do racismo na sociedade; dentre outros.

Acesse o YouTube e confira o vídeo completo no perfil Unit Alagoas:

Anajô no mês da consciência negra! ✊🏾

Comitê alagoano defende cotas e ações afirmativas na Lei Aldir Blanc

10 de setembro de 2020 Deixe um comentário

Entidades representativas do movimento negro, dos segmentos afro-culturais, grupos de capoeira, de comunidades quilombolas, afro-empreendedores e das casas de terreiro de Alagoas criaram o Comitê Alagoano em Defesa de Cotas e Ações Afirmativas na Lei Aldir Blanc. O objetivo é exigir a democratização, transparência, monitoramento e fiscalização pública do orçamento destinado ao Estado de Alagoas, e que parte dessas verbas seja distribuída proporcionalmente, à população afro-alagoana integrante de cadeia produtiva dos segmentos artísticos e culturais, e afro-negócios criativos.


Nesse sentido, uma representação do Comitê participa de audiência com o defensor-geral do Estado, Carlos Eduardo de Paula Monteiro, nesta sexta-feira, 11 de setembro, às 10hs, na sede da Defensoria Geral do Estado, situada na avenida Fernandes Lima, Farol. O comitê alagoano, assim como os demais criados em outros Estados, faz parte da mobilização em apoio à Campanha Nacional em Defesa de Cotas e Ações Afirmativas na Lei Aldir Blanc de emergência ao setor cultural.


De acordo com a Carta a Alagoas, manifesto assinado por 68 entidades, a Lei 14.017, de 29 de junho de 2020, conhecida como Lei Aldir Blanc, de autoria da deputada federal Benedita da Silva, tem destinação emergencial diante da crise humanitária que já causou mais de 128 mil mortes e mais de 4 milhões de infectados pelo covid-19 no País, sendo que a maioria é negra.

No caso de Alagoas, afirmam que dados do informe epidemiológico da Sesau mostram que a população negra (soma de pardos e pretos de acordo com o IBGE) representa 70,6% dos casos confirmados de covid-19, e 72% dos óbitos.


Os segmentos reivindicam aos poderes constituídos, órgãos e instituições competentes recomendação ao Estado de Alagoas e às Prefeituras Municipais com vistas a assegurar que no mínimo 54%, percentual correspondente população negra brasileira, dos recursos públicos destinados a Alagoas pela Lei nº 14.017, de 29 de junho de 2020, seja investido como medida de ação afirmativa de promoção da igualdade racial e reparação histórica.

______________________________________________________________________________

Comitê Alagoano em Defesa de Cotas e Ações Afirmativas na Lei Aldir Blanc
Informações: Valdice Gomes (82) 9999-1301 \ 8878-7484
Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL)

CONVOCATÓRIA: Assembleia Ordinária Eletiva

25 de abril de 2020 Deixe um comentário

logo-anajô

 

CONVOCATÓRIA

 

Maceió-AL, 25 de abril de 2020.

A presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, no uso de suas atribuições, convoca todos os/as integrantes associados/as para participarem da ASSEMBLEIA  ORDINÁRIA ELETIVA no dia 05 de maio (terça-feira) do corrente ano, a partir das 16 horas.

O objetivo é aprovar o regimento interno da instituição, e ainda, eleger a Coordenação Executiva e o Conselho Fiscal conforme orientações aprovadas no novo Estatuto Social. A gestão terá duração de três anos (2020-2023) sendo constituída por um coordenador geral, um coordenador adjunto e o coordenador financeiro-administrativo; já o conselho fiscal será composto por três membros.

A atividade acontecerá por meio de videoconferência no aplicativo DUO, diante da pandemia do Covid-19 (Coronavírus) e a necessidade de manter o isolamento social para conter o contágio, e ainda, devido a impossibilidade da realização de reuniões presenciais.

LUILA DE PAULA E LIMA
Presidenta

ANGOLA JANGA, ANCESTRALIDADES E HONRAS

7 de fevereiro de 2019 Deixe um comentário

Helcias Roberto Paulino Pereira
Membro do Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJÔ
Militante do Movimento Negro desde 1988

 

Poderia ser apenas um ato ou sentimento nostálgico de identificar a nova terra como “Pequena Angola”, ou simplesmente a sensação literal de “voltar pra terrinha”, ou ainda, remeter tudo isso ao passado na forma indubitável e singular de ser, de se organizar, resistir, lutar e viver. Angola Janga passou a ser de maneira imensurável uma utopia vital para se galgar uma longínqua experiência rumo ao inimaginável apogeu da liberdade.

A princípio tornaram-se imprescindíveis os rompimentos dos grilhões, tantos físicos, quanto psicológicos. Era preciso insurgir-se contra os opressores para terem de volta o mínimo necessário de dignidade humana, aliás, nem assim eram considerados (as) visto suas condições miseráveis de homens e mulheres escravizados (as), tratados (as) abruptamente como animais de carga, moedas de barganha, objetos de escambos, etc. etc. Lutar era mais que preciso!

Depois de aproximadamente trinta e três anos de resistência (1597-1630) e busca incansável por resiliência, o Quilombo dos Palmares finalmente mostrava-se aos governantes de Pernambuco que sua existência estava sem sombra de dúvidas sedimentada na Zona da Mata, cujos malungos desta feita aquilombados e livres, poderiam deleitar-se em Xirês (rodas e danças invocando Orixás, N´kises e Vodus) e Quizombas (grandes festas) por ser essa, uma expressão cultural eminentemente africana, considerando sua complexidade continental.

E assim, entre tempos de paz e alguns de guerra, Palmares que se tornou República livre, mesmo que edificada em montes íngremes repletos de “cafuas” e pequenos Mukambus, e se fortificou a cada dia ampliando sua população e se fazendo valer como um Estado independente dentro do Estado de Pernambuco.

Durante algumas décadas, seus habitantes passaram de três mil em média para mais de vinte mil, constituídos por agricultores, ferreiros, lenhadores, caçadores, conselheiros, guerreiros, e outros, cuja participação feminina apesar de em menor quantidade se fez forte e certamente com indiscutível equanimidade. As pindobas ou pindoramas assim chamadas pelos indígenas (grande quantidade de palmeiras) foram determinantes quanto a origem do nome do quilombo, mas foi a Serra do outeiro que se chamou Macacos, hoje SERRA DA BARRIGA a capital inconteste do grande Quilombo (Mukambu) dos Palmares, cuja extensão geográfica se expandiu para um raio superior a duzentos quilômetros quadrados em toda Zona da Mata, hoje, entre Pernambuco e Alagoas. Palmares, o grande Quilombo conseguiu manter-se organizado por um século quando sofreu sua grande derrocada na madruga do dia seis de fevereiro de 1694, entretanto, mesmo com o tombo fatal do seu último Comandante-em-chefe ZUMBI em vinte de novembro de 1695, ainda assim em meados de 1704, em pleno século XVIII Camuanga, Banga e Souza tentavam corajosamente fazer resistir a Saga de Palmares.

Subir o SOLO PALMARINO em vigília na madrugada do seis de fevereiro, tem sido uma forma singular do Movimento Negro Contemporâneo em todas as suas faces organizativas e representativas, enquanto momento de honras e homenagens aos ancestrais que sonharam, vivenciaram, resistiram e lutaram até o ultimo momento de suas vidas, pela verdadeira liberdade, aquela que se entranhou no solo tornando-o sagrado ao ser fecundado com todo sangue derramado dos guerreiros e guerreiras ali tombados.

Ancestralmente, não é motivo de choro nem lamento por causa da derrocada inaceitável, é de fato uma oportunidade impar de se refletir, entender e saudar todos os guerreiros e guerreiras ali martirizados e materializados no chão das entranhas da barriga da Serra, a qual se constitui hoje numa forma de Muxima, pulsando em cada um de nós que naturalmente nos deixamos enveredar pelas mesmas utopias do passado, na certeza que nossa liberdade está dentro de nossas mentes e corações. Sejamos guerreiros na luta e fortaleçamos a coletividade.

Viva Aqualtune dos Palmares e todos os Gangas, Viva Zumbi, Dandara e Andalaquituche.  Saravá N´Zambi!

 

TAMBOR FALANTE – SBPC AFRO E INDÍGENA

16 de julho de 2018 Deixe um comentário

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô participará da SBPC AFRO E INDÍGENA, com o projeto Tambor Falante: Feminismos Negros.

O tema reforça a importância de estarmos no período comemorativo pelo “Dia Internacional da Mulher Negra Latina e Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela” – celebrado em 25 de julho -, fazendo referência às identidades das mulheres negras, seus laços e suas lutas no dia a dia, onde são levadas a desconstruir a invisibilidade imposta pela sociedade.

O Tambor Falante tem o formato de um debate reflexivo. Sendo facilitadoras as professoras e feministas: Cida Batista (Ufal), Regina Lopes (ISER) e Marluce Remigio (Sinteal).

O evento acontecerá dia 23 de julho de 2018, das 13h30 às 15h30, no Campus A.C. Simões da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Maceió.Aberto ao público! Inscrições: https://doity.com.br/sbpc-afro-e-indgena

Contatos: (82) 99616-1053 / 98894-5962 / onganajo@hotmail.com

Convocatória: Assembleia Extraordinária

17 de janeiro de 2018 Deixe um comentário

logo-anajô

 

CONVOCATÓRIA

  

Maceió-AL, 17 de janeiro de 2018 

 

         A presidente do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô no uso de suas atribuições, convoca todos os/as integrantes associados/as para participarem da ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA com o objetivo de discutir a prorrogação do mandato da diretoria (GESTÃO 2015-2017). A atividade acontecerá no dia 31 de JANEIRO do corrente ano a partir das 19h, na Travessa Dr. José Joaquim de Araújo, 248, Jacintinho, Maceió (AL).

 

 Maria Madalena da Silva

Presidente

Anajô é agraciado com comenda na Câmara de Maceió

6 de dezembro de 2017 Deixe um comentário

A manhã do dia 5 de dezembro de 2017 foi mais uma data histórica, no plenário da Câmara Municipal de Maceió, com mais uma sessão solene para a entrega das comendas afros Zumbi dos Palmares e Dandara.

A vereadora Tereza Nelma fez as indicações em reconhecimento às ações em prol da diversidade étnicorracial na capital alagoana, assim como, no combate da discriminação racial e cultural.

Os homenageados foram: o pesquisador Edson Moreira Silva; o contra mestre de capoeira Denivan Costa; o produtor cultural, Amaurício de Jesus; além das instituições, a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL) e o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô.

A solenidade também contou com a apresentação do Grupo Vocal Afro-Ameríndio, coordenado pelo maestro Jailson Natividade.

Fotos: Carlos Bispo e Helciane Angélica

 

Movimento Negro nacional em convergência

15 de julho de 2016 Deixe um comentário

Nesse sábado(16.07), na cidade de Aracaju/SE, está acontecendo uma reunião de mobilização nacional do Movimento Negro. De Alagoas, participa o malungo Helcias Pereira – Coordenador Geral dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (Apns Do Brasil) e Secretário de Formação e Pesquisa do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (Anajô Apns). Desejamos sucesso nas discussões e deliberações!

13689700_1090082994420081_28837946_n