Arquivo

Posts Tagged ‘Prefeitura de Maceió’

Nota de Repúdio do Movimento Negro Alagoano

1 de março de 2021 Deixe um comentário

No dia 21 de janeiro de 2021, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, Maceió acordou com o nome da Praça Dandara dos Palmares, no Diário Oficial, sendo substituída para Praça Nossa Senhora da Rosa Mística. A iniciativa se tratava do Projeto de Lei nº 7.473, de autoria do vereador Luciano Marinho, que demonstra racismo e descaso com a história do povo negro alagoano.

A praça, localizada no bairro da Jatiúca, recebeu o nome de Dandara dos Palmares, após a sanção da Lei Municipal nº 4.423/95 e desde a sua criação, há 25 anos, é tida como espaço de reconhecimento da trajetória de líderes negros.


Após várias mobilizações do Movimento Negro e da apresentação de queixa por parte do Instituto do Negro de Alagoas (INEG-Al), junto ao Ministério Público Estadual de Alagoas, no mesmo dia em que ocorreu a ação arbitrária de mudança de nome, dia 21 de janeiro, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (JHC),
ouviu a queixa do movimento negro e tornou sem efeito a sanção da lei que alteraria o nome da Praça Dandara dos Palmares.


Na persistência de apagamento da nossa história, no dia 24 de fevereiro de 2021, o Movimento Negro de Alagoas recebe a notícia de mais um ataque. O vereador Leonardo Dias encabeça a proposta de mudança de nome da Praça
Dandara dos Palmares, acrescentando a mudança de local. E, novamente, sem o consentimento e consulta pública junto ao Movimento Negro e a sociedade civil.

É inaceitável essa postura de imposição de poder, confirmando o racismo estrutural e institucional. Queremos respeito ao patrimônio histórico-cultural por toda luta e resistência contra a escravidão que Dandara representa, sendo uma líder emblemática do Quilombo dos Palmares. Cabe ressaltar que estamos buscando garantir nossos direitos e a preservação da nossa história. Para tanto, estamos unidos enquanto movimento negro; o Fórum Afro de Maceió, no dia 27 de janeiro, esteve em reunião com a presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), Mirian Monte, para discutir e apresentar pautas, visando a relevância de uma calendário municipal de valorização permanente da tradição da cultura negra, ressaltando a ocupação com a realização de atividades na Praça Dandara, bem como em outros espaços públicos.

Também, estamos reivindicando, junto ao Legislativo Municipal, a manutenção do nome e local original, da Praça Dandara dos Palmares, quando tivemos no último dia 24 de fevereiro, reunião com a vereadora Teca Nelma, que
demonstrou apoio a causa, se disponibilizando a fortalecer ações para a população negra, ao exemplo da realização de uma audiência pública. A luta pela garantia do nome da praça está atrelada à cobrança pela revitalização e preservação dos espaços da memória preta da cidade. E, chamamos atenção para a necessidade de mais políticos comprometidos em manter o patrimônio histórico e negro vivo, afinal a Câmara de Maceió é composta por 25 vereadores eleitos, além dos quadros que compõem o governo.

É fundamental reconhecer a importância de quem fez e faz esse país, para que as próximas gerações não reproduzam a lógica colonial racista. Portanto, não vamos nos calar! Não vamos aceitar que sejamos deslegitimados! A Praça Dandara Resiste, Ontem, Hoje e Sempre!

Assinam esta Nota de Repúdio:

  1. Abadá Capoeira
  2. Abassá de Angola oyá Igbale
  3. Afoxé Ofá Omin
  4. Afoxé Oju Omim Omorewá
  5. Aliança Nacional LGBTI+
  6. Associação Àdapo da Comunidade Muquém de Remanescentes Quilombolas de União dos
    Palmares/AL
  7. Associação Cultural Capoeira Tradição
  8. Associação Cultural Meu Berimbau tem Vida
  9. Associação de Negras e Negros da UFAL – ANU
  10. Bancada Negra
  11. Banda Afro Afoxé
  12. Banda Afro Dendê
  13. Banda Afro Mandela
  14. Banda Afro Zumbi
  15. Batuque Empreendimentos
  16. Bloco Sururu da Lama
  17. Capoeira Zuavos
  18. Centro Cultural Bobo Gaiato
  19. Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJÔ (APNs-AL)
  20. Centro de Educação Popular e Cidadania Zumbi dos Palmares – CEPEC
  21. Centro de Estudos e Pesquisa Afro Alagoana Quilombo
  22. Centro de Formação Social Inaê
  23. Cia. De Teatro e Dança Afro Aiê Orum
  24. Coletivo Afro Caeté
  25. Coletivo Cia Hip-Hop de Alagoas
  26. Coletivo de Apoio às Trabalhadoras e Trabalhadores – CATT
  27. Coletivo O “Quê” do Movimento
  28. Comissão de Defesa da Promoção da Igualdade Social OAB/AL
  29. Comissão de Jornalistas Pela Igualdade Racial (Cojira /Sindjornal)
  30. Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial de Alagoas – CONEPIR
  31. Coordenação Estadual de CRQs de Alagoas Ganga-Zumba
  32. Coordenação Feminina Quilombolas de Alagoas – As DANDARAS
  33. Dagô Produções
  34. Formmer Afro
    35.Fórum Afro de Maceió
  35. Fórum de Saúde Mental de Maceió
  36. Grupo de Capoeira Águia Negra
  37. Grupo Coração de Mainha
  38. Grupo Gay de Maceió
    40.Grupo Afojuba
  39. Grupo União Espírita Santa Barbara (GUESB)
  40. Grupo Pau e Lata – Palmeira dos Índios
  41. Ilê Axé Ofá Omin
  42. Ilé Alàketú As Asé Shòróké
  43. Ilê Nifé Omi Omo Posú Betá
  44. Ilê Egbé Àfàsókè Atílẹ́hìn Vodun Azírí
  45. Instituição Sócio cultural Acauã Brasil
  46. Instituto do Negro de Alagoas – INEG
  47. Instituto Mãe Preta
  48. Maracatu Baque Alagoano
  49. Maracatu Raízes e Tradições
  50. Massapê Corpo e Movimento
  51. Movimento dos Povos das Lagoas
  52. Movimenta Palmares
  53. Museu Cultura Periférica
  54. Negra-Mina Diversidade e Inclusão
  55. Núcleo de Cultura Afro Brasileira Iyá Ogunté
  56. ONG Ateliê Ambrosina
  57. ONG Axé Tribal
  58. ONG Patacuri Cultura e Formação
  59. Papo de Periferia
  60. Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro
  61. Ponto de Cultura Quilombo Cultural dos Orixás
  62. Projeto Erê
  63. Quilombo de Capoeira Pôr do Sol dos Palmares
  64. Rede CENAFRO
  65. Rede de Mulheres Negras de Alagoas
  66. Rede Mulheres de Comunidades Tradicionais
  67. Terreiro de Umbanda Aldeia dos Orixás

CULTURA AFRO EM MOVIMENTO NO VAMOS SUBIR A SERRA

28 de janeiro de 2021 Deixe um comentário

Valorizar o protagonismo negro nas mais significativas formas de expressão cultural, o pertencimento étnico e gerar oportunidades são os destaques do Projeto Vamos Subir a Serra Edição Especial

A ação Cultura Afro em Movimento contemplada no Prêmio Mestra Hilda – um dos editais da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei Federal nº 14.017/2020) – é um dos destaques na programação do VAMOS SUBIR A SERRA. Considerado um dos maiores projetos afro-culturais do Brasil e do calendário sociocultural e turístico de Alagoas, cuja edição especial acontecerá no período de 28 a 31 de janeiro na Praça Multieventos, na orla da Pajuçara em Maceió.

O objetivo é promover e fomentar a cultura afro da capital alagoana destacando sua diversidade e qualidade, além de possibilitar o intercâmbio entre os grupos culturais e a população em geral. A arte do povo negro como plataforma de resistência será apresentada a partir das 15h, intercalando com a programação científica e as rodas de conversas na Praça Dandara, que está localizada dentro da Tenda Cultural Zumbi dos Palmares instalada ao lado da Praça Multieventos.

As manifestações artísticas e afroculturais dentro da tenda são: na quinta-feira (28) as performances Kizomba de Urungo; Igbonan Rocha e José luiz Romeiro; e Grupo Inaê. Na sexta-feira(29), Diego Verdino (Reles no Rules) e Mary Alves; no sábado(30), a performance da dançarina Leide Serafim Olodum e a apresentação de Wilson Santos & Orquestra de Tambores. E no domingo (31) o Grupo Afojubá; a dança afro contemporânea Heranças de Palmares apresentada pelo coreógrafo Edu Passos e percussão de Sandro Santana; e no encerramento a Banda afro Mandela.

Também está programada para o sábado(29) às 16h30, a palestra sobre o tema “Empreendedorismo Social e Cultural transformando realidades”; e três aulões culturais de percussão, dança afro e capoeira ministrados respectivamente por Letícia Santana, Lucélia Santos e Contra Mestre Arapuá. A entrada é gratuita e segue todos os protocolos de segurança contra a Covid-19 (coronavírus).

Realizado há três anos, o projeto VAMOS SUBIR A SERRA é assinado pelo Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do movimento negro alagoano, e conta com recursos de emenda parlamentar do então deputado federal JHC, por meio da Fundação Cultural Palmares (FCP), além do apoio da Prefeitura de Maceió através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC).  Toda a programação pode ser conferida nas redes sociais, pelo instagram @vamossubiraserra e na página https://www.facebook.com/vamosSubiraSerra.

VAMOS SUBIR A SERRA por dignidade, respeito e reconhecimento do povo negro!

SERVIÇO:

Vamos Subir a Serra (Edição Especial)

Período: 28 a 31 de janeiro de 2021

Local: Espaço Cultural Zumbi dos Palmares – Praça Multieventos / Pajuçara – Maceió (AL)

Horário: 15 às 22h

Entrada gratuita!

Ação: Cultura Afro em movimento

Período: 28 a 31 de janeiro de 2021

Horário: A partir das 15h

Local: Praça Dandara – Tenda instalada ao lado da Praça Multieventos / Pajuçara – Maceió (AL)

Coordenação de Comunicação: Valdice Gomes (82 99999-1301) / Helciane Pereira (98831-3231) / Luila de Paula (99616- 1053) / Email: ascom.anajo@gmail.comvamossubiraserra.al@gmail.com

Gestão do Projeto: Simone Benchimol (82 – 99687.7907 / simonebenchimol@hotmail.com)

MACEIÓ RECEBE EDIÇÃO ESPECIAL DO VAMOS SUBIR A SERRA

15 de janeiro de 2021 Deixe um comentário

Ancestralidade, valorização da cultura afro-brasileira e afroemprendedorismo são os pilares do projeto alagoano coordenado pela sociedade civil

Do dia 28 a 31 de janeiro a praia de Pajuçara receberá a edição especial do VAMOS SUBIR A SERRA, que é considerado um dos maiores projetos afroculturais do Brasil e destaque do calendário sociocultural e turístico de Alagoas. A programação acontece das 15h às 22h na Praça Multieventos respeitando todos os protocolos de segurança do covid 19 que o momento exige.

Realizado há três anos, o projeto é assinado pelo Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do movimento negro alagoano, com recursos via emenda parlamentar do então deputado federal JHC, por meio da Fundação Cultural Palmares (FCP), e conta com apoio da Prefeitura de Maceió através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC). 

Todas as atividades do projeto são gratuitas sendo necessário o uso de máscara e verificação da temperatura para acesso ao local. Destinado à valorização da população afro-brasileira, ao pertencimento étnico-racial e combate ao racismo, o projeto também incentiva a geração de renda com a Feira do Empreendedor Negro, praça de alimentação e Espaço Beleza Negra, dedicado à estética afro. A novidade nesta edição são as oficinas de estética afro (pertencimento, tranças, turbante, penteado e maquiagem), que serão ofertadas ao público no próprio espaço.

 Serão beneficiados mais de 50 afro-empreendedores, entre eles representantes de comunidades quilombolas do Estado de Alagoas. Na Praça Dandara serão realizadas palestras, debates e apresentações afro-culturais.

Um dos destaque dessa edição é o Sarau Acotirene que acontecerá na sexta-feira (29), com a roda de conversa sobre o tema “Direitos humanos e os caminhos para o antirracismo”; Poéticas Pretas; e a roda literária “Narrativas negras alagoanas” seguida de lançamento de livros. No sábado, acontece o poket show com a atração nacional Nando Cunha, que é ator, humorista, sambista e compositor. Já no domingo, encerrando a programação da Praça Dandara, acontecerá a ação Gira Palmares, que além de apresentações culturais, contará com aulões de dança afro, percussão e capoeira. Toda a programação do projeto pode ser conferida pelo Instagram @vamossubiraserra

KIZOMBA

Na grande arena da Praça Multieventos, a partir das 17hs, o público irá conferir a ação Kizomba – Arte, Cultura e Gastronomia Afro-brasileira. Serão 11 afro-empreendedores apresentando a ancestralidade negra em forma de sabor e aromas, com uma variedade de pratos típicos vendidos ao preço único de R$ 15,00. A partir das 20h, tem início as apresentações culturais, definidas por noites temáticas: quinta-feira com a Roda de Todos os Sambas; Sexta do Sagrado; Sábado das Yabás; e no domingo a Ciranda Afro. A entrada é gratuita.

VAMOS SUBIR A SERRA por dignidade, respeito e reconhecimento do povo negro!

SERVIÇO:

Vamos Subir a Serra (Edição Especial)

Período: 28 a 31 de janeiro de 2021

Local: Espaço Cultural Zumbi dos Palmares – Praça Multieventos / Pajuçara – Maceió (AL)

Horário: 15 às 22h

Entrada gratuita!

Coordenação de Comunicação

Valdice Gomes / Helciane Pereira / Luila de Paula

(82) 99999-1301 / 98831-3231 / 99616- 1053

Email: ascom.anajo@gmail.comvamossubiraserra.al@gmail.com

Gestão do Projeto

Simone Benchimol

99687-7907

simonebenchimol@hotmail.com

Anajô é selecionado em edital da FMAC

11 de dezembro de 2020 Deixe um comentário

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô foi uma das entidades selecionadas no edital MESTRA HILDA – CULTURA EM MOVIMENTO N° 07/2020 – organizado pela Prefeitura de Maceió por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac).

Nesta categoria, a premiação era destinada para 40 organizações da sociedade civil com o intuito de realizar projetos culturais de interesse coletivo – LEI ALDIR BLANC. O resultado foi publicado nessa sexta-feira(11/12) na edição do diário oficial do município de Maceió: http://www.maceio.al.gov.br/diario-oficial-11-12-2020/

Busca promover ações culturais coletivas que atendam aos diversos segmentos culturais existentes no Conselho Municipal de Políticas Culturais, através de instituições representativas de grupos culturais existentes na cidade de Maceió, com prioridade para as ações que possam ser transmitidas pela internet ou disponibilizadas por meio das redes sociais e outras plataformas digitais.

No caso de propostas para execução presencial, as instituições deverão seguir todas as normas apresentadas nos decretos estadual e municipal referentes ao período da Pandemia do Covid-19 e os protocolos sanitários em relação ao isolamento social.

Seguimos na luta!

ANAJÔ LANÇA LIVRO E DVD SOBRE PROJETO TAMBOR FALANTE

22 de março de 2018 Deixe um comentário

Com 12 anos de trajetória, a entidade do movimento negro alagoano foi uma das contempladas no Prêmio Eris Maximiniano da Prefeitura de Maceió

 DSC_0017

 

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô – entidade do movimento negro alagoano, vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) – realizará no dia 23 de março, o encerramento do projeto “Tambor Falante: Refletindo, Debatendo e Transformando Realidades”. A atividade é aberta ao público e iniciará às 19h, no Centro Cultural Arte Pajuçara em Maceió.

O projeto foi originário da parceria entre o Anajô, a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL) e a Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro. Com a aprovação no Prêmio Eris Maximiniano 2015, na categoria cultura afro brasileira, o Anajô recebeu o patrocínio da Prefeitura de Maceió através da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac) para a execução de cinco (5) encontros de formação/debates na periferia da capital alagoana: Benedito Bentes, Jaraguá, Trapiche da Barra, Ouro Preto e Ponta da Terra.

Dentre os temas discutidos estiveram: “Maioridade penal e extermínio da juventude negra”; “Os impactos do Governo Michel Temer nas políticas para a igualdade racial”; “Os desafios na atual conjuntura dos povos tradicionais”; “Intolerância Religiosa e preconceitos correlatos”; e “Racismo institucional e estatuto da igualdade racial”.

DSC_0633Segundo a Presidente do Anajô, Madalena da Silva, o patrocínio foi essencial na estruturação e desenvolvimento do projeto. “Com a aprovação no edital, foi possível investir na organização e ampliar as ações. Também estimulamos o encontro entre gerações, vivências e opiniões de ativistas do movimento social negro e pessoas das mais diversas formações. Nós estamos muito felizes com a conclusão desse trabalho”, exaltou.

Para celebrar o encerramento oficial do projeto, na noite desta sexta-feira terá o lançamento do livro com vários artigos e registro fotográfico, que será distribuído em instituições do movimento negro, bibliotecas, Núcleo de Estudo Afro Brasileiro (NEABs) e escolas; além de um DVD com o registro dos principais momentos do projeto.

Para abrilhantar o momento, também terão as apresentações artísticas do Grupo Vocal Afro Ameríndio; além da cantora e compositora Mel Nascimento.

 

26850101_539955443044116_2004752388398949857_o

 

SERVIÇO:

Encerramento do projeto “Tambor Falante: Refletindo, Debatendo e Transformando Realidades”

Data: 23/03/2018 (sexta-feira)

Hora: 19h

Local: Centro Cultural Arte Pajuçara – Av. Dr. Antônio Gouveia, 1113, Pajuçara, Maceió/AL.                                

Contatos: (82) 98878-7484 / 99905-3515

Entrada gratuita!

Convite: Festa de encerramento do Projeto Tambor Falante

18 de março de 2018 Deixe um comentário

29314760_565445130495147_7074942856099528704_o

Ocupação no IPHAN terá edição do Tambor Falante

13 de julho de 2016 Deixe um comentário

Ativistas discutirão sobre os impactos do Governo Interino de Michel Temer nas políticas públicas de Igualdade Racial no Brasil

 

BANNERPor: Helciane Angélica – Jornalista

Nesse sábado(16.07) às 15h, no hall do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no histórico bairro do Jaraguá em Maceió, o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô realizará uma importante edição do Tambor Falante sobre o tema: “Os Impactos do Governo Interino de Michel Temer nas Políticas para a Igualdade Racial”.

A instituição do movimento negro alagoano atendeu ao convite dos(as) manifestantes que estão na OCUPAÇÃO FORA TEMER há mais de 50 dias na sede do IPHAN/AL. O protesto foi iniciado após o anúncio da extinção do Ministério da Cultura e as intervenções do presidente em exercício – considerado golpista por grande parte da população brasileira – que tem contribuído para o retrocesso nas políticas públicas.

Em relação às políticas de igualdade racial, foi publicado um decreto que transferiu dotações orçamentárias constantes do Orçamento Fiscal da União (Lei nº 13.255, de 14 de janeiro de 2016), do extinto Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos para a Presidência da República, no valor de R$ 12.927.981,00 (doze milhões, novecentos e vinte e sete mil, novecentos e oitenta e um reais). Michel Temer também exonerou vários funcionários, excluiu órgãos e secretarias extremamente importantes para o desenvolvimento social, a exemplo da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi).

Aiê Orum  (2)O evento é direcionado aos ativistas dos segmentos afros, integrantes de grupos artísticos, produtores culturais, lideranças de movimentos sociais, povos tradicionais, religiosos de matrizes africanas, pesquisadores e estudantes. No encerramento, terá a performance artística da Companhia de Teatro e Dança Afro Aiê Orum criada em 2009, com o objetivo de trabalhar a história e a cultura afro-brasileira por meio de oficinas de Danças Afro Brasileira para jovens de comunidades periféricas e de escolas públicas.

“Com esse projeto queremos proporcionar o debate, a troca de experiências e chegarmos onde a valorização, o respeito e a qualidade de vida ainda está a desejar. Com esse tema sobre análise de conjuntura política, vamos refletir sobre a política de igualdade racial e as ações desse presidente ilegítimo que não nos representa. Ultimamente, estamos vivendo um caos no país!”, exaltou Maria Madalena da Silva, presidente do Anajô.

Facilitadores

A atividade contará com as intervenções de dois ativistas alagoanos, que atuam efetivamente na luta pela valorização das questões étnicorraciais, combate do racismo e intolerância religiosa. Os facilitadores serão:

CLÉBIO ARAÚJO: Historiador; Vice Reitor da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal); Coordenador do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros (NEAB-Uneal); Vice Presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Conepir/AL); e Pesquisador da história e cultura afroalagoana.

VALDICE GOMES: Jornalista; Presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Conepir/AL); Integrante da Comissão de Jornalistas pela Igualde Racial (Cojira-AL); Diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal); e Vice Presidenta do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô (APNs-AL).

Projeto

O projeto “TAMBOR FALANTE: Refletindo, Debatendo e Transformando Realidades” foi um dos selecionados no Prêmio Eris Maximiniano 2015, uma realização da Prefeitura de Maceió por intermédio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC). Ao todo, serão cinco edições com temas diversos e busca contribuir para a troca de conhecimentos e a formação sociopolítica, que resultará na produção de um livro e DVD.

O Anajô é uma organização não-governamental fundada em dezembro de 2005, vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs), instituição nacional do Movimento Negro que encontra-se presente em 14 estados brasileiros. Promove atividades de formação sobre a história do Quilombo dos Palmares; pertencimento étnico; conjuntura sociopolítica da população afro-brasileira; ações de combate ao racismo e preconceitos correlatos.

 

SERVIÇO:

Tambor Falante sobre conjuntura política e igualdade racial

Dia: 16/07/2016 (sábado)

Hora: 15h00

Local: IPHAN/AL – Rua Sá e Albuquerque, nº 157, Jaraguá, Maceió/AL – próximo à Praça Dois Leões

ENTRADA FRANCA!

Tambor Falante aborda: “Os Impactos do Governo Interino de Michel Temer nas Políticas para a Igualdade Racial”

10 de julho de 2016 Deixe um comentário

cartaz.tamborfalante-16.07.16

Encontro discute agenda com segmento cultural afro-brasileiro

23 de junho de 2016 Deixe um comentário

AFRO07-430x270O presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), Vinícius Palmeira, reuniu-se na última segunda-feira (20) com representantes do segmento  de cultura afro-brasileira e de entidades do movimento negro de Maceió para definição de ações relacionadas à área na capital alagoana.

O encontro resultou na formação de uma comissão que irá propor novos encaminhamentos para a política pública cultural relacionada ao setor.  Nesta quarta-feira (22), os participantes confirmaram uma nova reunião, que deve acontecer no próximo dia 6 de julho, no auditório da própria Fundação.

Na pauta de discussões está a realização dos eventos já consolidados e apoiados pela Prefeitura de Maceió, por meio da Fmac, que são o Saurê Palmares, comemorativo ao Dia Internacional da Consciência Negra – 20 de novembro; a Festa das Águas, realizada pela passagem do Dia de Iemanjá – 8 de dezembro e o Xangô Rezado Alto, que acontece dia 2 de fevereiro.  De acordo com o diretor de Políticas Culturais da fundação, Marcos Sampaio, a comissão formada por 14 integrantes do segmento de cultura afro-brasileira, deve apresentar sugestões para a execução das festividades culturais.

Coordenada por Vinícius Palmeira, a reunião contou com representantes de 24 entidades, entre as quais o Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô e a Comissão de Jornalistas Pela Igualdade Racial em Alagoas, o Instituto Federal de Alagoas (Ifal), Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), além de diversas comunidades tradicionais de matriz africana e do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Maceió. Os representantes pediram à Palmeira, que intermediasse uma reunião com o prefeito Rui Palmeira, para que possam fortalecer e sugerir novas políticas públicas culturais para a comunidade afrodescendente em Maceió.

Desse encontro destaco as lideranças e instituições veteranas do segmento de cultura afro-brasileira, que se somam ao lado de novas representantes, reforçando e renovando o movimento”,  ressalta Vinícius Palmeira. Ele enfatiza o compromisso da atual gestão, para a realização de ações culturais afro-brasileira em Maceió, fortalecidas nos últimos anos.

Na reunião com o segmento, além de discussões e avaliações sobre as ações executadas pela Fmac, os participantes vivenciaram momentos de alegria, como a declarada  pelo jovem professor de dança Diego Bernardes, que fez questão de tornar público  emoção que sentiu, ao se ver ao lado de lideranças mais antigas. “Eles são as minhas referências”, confessou.

 

Fonte: Marcelo Amorim/Ascom Fmac

Tambor Falante é realizado na Grota da Alegria

29 de maio de 2016 Deixe um comentário

IMG-20160531-WA0021

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô – entidade vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (ANPs) – iniciou os trabalhos do “TAMBOR FALANTE: Refletindo, Debatendo e Transformando Realidades”. O projeto foi um dos selecionados no Prêmio Eris Maximiniano 2015, uma realização da Prefeitura de Maceió, por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC).

A primeira etapa ocorreu no dia 28 de maio no bairro de Benedito Bentes 2, em parceria com o Centro de Educação Popular e Cidadania Zumbi dos Palmares (Cepec), que cedeu a sua sede localizada na Grota da Alegria para a discussão sobre o tema “MAIORIDADE PENAL E O EXTERMÍNIO DA JUVENTUDE NEGRA”.

Atualmente, o Estado de Alagoas é o 3º mais violento do país com 8,75 dos dados (muito acima da média nacional que é 2,7) e Maceió é a 5ª capital mais violenta com 55,63 das estatísticas e a 18ª cidade mais violenta do mundo. A crescente estatística de assassinatos e outras formas de violência no Brasil tem se configurado como um caso de calamidade pública nacional; a insegurança destrói famílias e o futuro de muitos jovens, especialmente, jovens negros. A violência no Brasil tem idade, raça e território: jovens entre 15 e 29, do sexo masculino, de cor preta ou parda e que moram em locais de vulnerabilidade social.

Cerca de 80 pessoas participaram desse momento de integração e formação sociopolítica, entre: crianças e adolescentes da comunidade, fiéis da Igreja Batista da Grota da Alegria, acadêmicos e integrantes do Movimento Social Negro. Dentre as instituições que estiveram representadas no local, estiveram: Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Zumbi dos Palmares (CEDECA), Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL/Sindjornal), Faculdade de Letras (FALE)-CAAL-UFAL, Instituto do Negro de Alagoas (INEG), Movimento Mulheres pela Democracia, Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da Universidade Federal de Alagoas (Neab-Ufal), ONG Moradia e Cidadania, Partido dos Trabalhadores (PT), Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (SINTEAL).

No encerramento da atividade, o Contra Mestre Alex D´Lua coordenou a apresentação do Grupo Yá Capoeira, que realizou uma bela roda de capoeira e interagiu com o público no samba de roda, demonstrando que a cultura e o esporte são mecanismos essenciais para a transformação social, cultura de paz e afastamento da marginalidade.

 

Currículo dos facilitadores

Para subsidiar o debate, apresentar dados e propostas de reflexão foram convidados como facilitadores: Rúbia Nascimento (PJMP-AL) e Vinícius Almeida (APNs-SP), ambos, membros do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve). Veja abaixo o currículo dos ativistas:

RÚBIA NASCIMENTO: Acadêmica de Ciências Sociais na Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Militante da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) no Estado de Alagoas; Representa a PJMP, pela cadeira de religiosos, no Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE); integra o GT de Juventude Negra e coordena a Comissão de Comunicação; Participou do processo de construção e eleição do Conselho Estadual de Juventude em Alagoas; Pela PJMP, fez parte da coordenação nacional da Campanha Contra Violência e Extermínio de Jovens; Possui Formação Técnica em Teatro pela ETA-UFAL e trabalha no Centro Educacional Municipal em Messias como professora de teatro.

VINÍCIUS ALMEIDA: Professor de Educação Física; Militante dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil no Estado de São Paulo (APNs-SP); Representa os APNs, pela cadeira Negros e Negras, no Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE); Coordenador de Esportes no Centro Educacional Unificado Tiquatira pela Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de São Paulo; Desenvolve o projeto Ocupação Preta em parceria com Secretaria Municipal de Cultura e o projeto Ciclo de Debates em parceria da ETEC Tiquatira; Em 2015, fundou com outros ativistas o Coletivo Glicério Pela Vida, promovendo a ocupação dos espaços públicos, com ações sociais e culturais contribuindo para redução da violência e violação dos direitos dos moradores e refugiados do bairro.

 

Confira o registro fotográfico do evento: AQUI!