Arquivo

Posts Tagged ‘Tambor Falante’

Diretoras do Anajô se reúnem com gestor da FMAC

14 de abril de 2016 Deixe um comentário
13020626_1028300337265014_184528960_n
Na manhã do dia 12 de abril, representantes do  Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô  – entidade do movimento negro vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) – estiveram na sede da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), órgão público da Prefeitura de Maceió.
O encontro foi solicitado por Maria Madalena da Silva e Helciane Angélica, respectivamente, Presidente e Secretária Geral e de Comunicação, que dialogaram com Marcos Sampaio – Diretor de Políticas Culturais da Fmac.
Na ocasião, foram elucidadas as dúvidas sobre os aspectos financeiros do projeto TAMBOR FALANTE – REFLETINDO, DEBATENDO E TRANSFORMANDO REALIDADES, que foi aprovado na categoria – Cultura Afro-brasileira do Prêmio Eris Maximiano 2015.
A previsão é iniciar o projeto no próximo mês. Tem como objetivo geral: realizar cinco encontros de formação/debates utilizando os aspectos culturais na formação sociopolítica da população afrodescendente e desencadeando a produção de um LIVRO e DVD sobre os temas discutidos.
Vamos aos trabalhos com muito axé!
Anúncios

Edital das Artes: Prefeitura divulga resultado final

7 de dezembro de 2015 Deixe um comentário
Coletiva na FMAC Sobre O Edital das Artes

Resultado do Edital das Artes foi divulgado nesta segunda-feira. Foto: Marco Antônio/Secom Maceió.

A Prefeitura de Maceió, por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), divulgou nesta segunda-feira (07), o resultado final do Edital de Concurso para seleção de Projetos Culturais e Artísticos para a Cidade, Prêmio Eris Maximiano. A ação selecionou 37 projetos culturais e artísticos para a cidade nos mais diversos segmentos culturais.

O Prêmio Eris Maximiano aporta R$ 1,4 milhão em prêmios com valores entre R$ 20 mil e R$ 80 mil para projetos de produção, difusão, circulação, manutenção e capacitação. Dos 168 projetos inscritos no edital, 133 passaram pela etapa de habilitação e foram analisados por comissões de seleção especializadas de acordo com a classificação do segmento cultural.

Foram selecionadas duas propostas na categoria Patrimônio Material, Imaterial, Arquivos e Museus; três em Artes Visuais, Arte Digital e Fotografia; três em Artesanato, Moda e Design; cinco projetos de Cultura Popular; quatro projetos de Cultura Afro-brasileira; quatro de Literatura livro e leitura; nove de Música; e sete de Artes Cênicas. Estes últimos, Música e Artes Cênicas, foram os segmentos com maior número de projetos apresentados.

Os proponentes que desejarem acesso às notas concedidas pela comissão julgadora devem documentar o pedido e protocolar o mesmo na sede da Fundação.

Acesso democrático

Em conversa com a imprensa nessa manhã o presidente da FMAC, Vinicius Palmeira, chamou a atenção para a importância da democratização do acesso aos recursos da cultura cada vez mais constantes na gestão municipal. “Com esse edital iniciamos o processo previsto na revisada Lei Municipal de Incentivo a Cultura e todos os projetos aprovados, são projetos incentivados, ou seja, eles já têm o recurso garantido para sua realização”, destaca.

Vinícius Palmeira - Secretário de Cultura

Presidente da Fmac, Vinícius Palmeira, conversou com a imprensa. Foto: Marco Antônio/Secom Maceió.

O presidente lembra que somados os recursos investidos no Prêmio Eris Maximiano e no recém-divulgado Edital do Audiovisual, a Prefeitura investe um total de R$ 2,3 milhões na produção cultural local. “Isso levando em consideração os editais para projetos de iniciativa da comunidade cultural; mas é preciso lembrar que os festejos populares tradicionais como São João e Carnaval também são construídos em parceria com a comunidade em processos seletivos cujo edital também é o meio de seleção prioritário”, explica Vinicius Palmeira.

O diretor de Políticas Culturais da FMAC, Marcos Sampaio, destaca a lisura do processo de seleção feito por comissões de trabalho formadas por especialistas em cada área avaliada. “Isso é importante, porque o avaliador não está levando em consideração nenhum tipo de conhecimento prévio que tenha dos artistas ou grupos envolvidos no projeto. A seleção é feita apenas a partir da análise do projeto e anexos escritos e apresentados”, afirma.

A presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais, Fátima Menezes, reconhece os editais como a melhor forma de promover o acesso de todos aos recursos públicos. “Nós que constituímos a comunidade cultural temos que cada dia mais investir em qualificação e capacitação para elaboração de projetos. Esse é o meio de acesso a patrocínios não só no município de Maceió, mas em todo território nacional e até internacional”, avalia.

 

Veja a lista de projetos aprovados:

– Patrimônio Material, Imaterial, Arquivos e Museus

É DIA DE FEIRA – 50.000,00

JANGADA DE PAU – 80.000,00

 

– Artes Visuais, Arte Digital e Fotografia

EXPOSIÇÃO JARDINS SUSPENSOS – 30.000,00

CANTEIROS DE OBRAS – 40.000,00

LABORATÓRIO DE INTERVENÇÕES E NARRATIVAS URBANAS – 20.000,00

 

– Artesanato, Moda e Design

O BORDADO FILÉ – 30.000,00

NO TACHO DO RIACHO – 20.000,00

SURURU DAS ALAGOAS DA GASTRONOMIA A ARTE DE FAZER – 30.000,00

 

– Cultura Popular

PONTINHOS DE CULTURA DE BRINCADEIRAS POPULARES – 20.000,00

O COCO ALAGOANO “PRA TODO MUNDO PISAR” DA RAIZ AO CONTEMPORÂNEO – 30.000,00

CIRANDA DE MEMÓRIAS – 80.000,00

REDE SOCIOCRIATIVA DO COCO DE RODA – 50.000,00

ENCONTROS 2016 – MARACATU DE BAQUE VIRADO – MACEIÓ – AL – 40.000,00

 

– Cultura Afro-brasileira

BRASIL DOS ORIXÁS – 30.000,00

SARAVÁ – 50.000,00

A CODIFICAÇÃO CORPORAL DA DANÇA DE IANSÃ NAS COREOGRAFIAS DO AFOXÉ OJU OMIM OMOREWÁ – 20.000,00

TAMBOR FALANTE – REFLETINDO, DEBATENDO E TRANSFORMANDO REALIDADES – R$ 40.000,00

 

– Literatura, Livro e Leitura

AMORES ÉBRIOS – 30.000,00

EM CANTOS AFRICANOS – 40.000,00

PAPEL NO VARAL – POESIA DE TODO CANTO, POESIA PARA TODO MUNDO – 40.000,00

PENSANDO A CULTURA ALAGOANA: “A SENSABORIA DOS INDEFECTÍVEIS E DETESTÁVEIS MARACATUS”: O QUEBRA DE XANGÔ E OS MARACATUS EM ALAGOAS NO INÍCIO DO SÉCULO XX. E “DE JACINTO A TORORÓ”: A REINVENÇÃO DO SÃO JOÃO DE MACEIÓ. – 20.000,00

 

– Música

A INVENÇÃO É A MÃE DAS NECESSIDADES DO ARTISTA VITOR PIRRALHO E UNIDADE – 30.000,00

FESTIVAL MAIONESE 10 ANOS – MÚSICA ALTERNATIVA, ARTE LIVRE E CULTURA INDEPENDENTE – 40.000,00

BAIONANDO – 70 ANOS DE BAIÃO – 20.000,00

DVD WADO 15 ANOS – O MANIFESTO DE 1977 – 40.000,00

IV FALAME – FESTIVAL ALAGOANO DE MÚSICA ERUDITA – 40.000,00

RUMOS E RUMORES – 40.000,00

MASSALA – CIRCULAÇÃO – 30.000,00

RÁDIO CABEÇA – 30.000,00

DVD PROJETO PALCO ABERTO – 12 ANOS – 40.000,00

 

– Artes Cênicas

ESPETÁCULO VOLANTE DE PRAÇA EM PRAÇA – 30.000,00

A VELHA – 40.000,00

CADÊ MEU NARIZ?! – II ENCONTRO DE PALHAÇO DE MACEIÓ – 80.000,00

VOLTA À SECA – REVENDO O CANGAÇO EM ALAGOAS – 30.000,00

ENTRE RIO E MAR, HÁ LAGOANAS – 40.000,00

COMPANHIA DOS PÉS 16 ANOS – 50.000,00

ESPETÁCULO – A FARSA DA BOA MOÇA – 30.000,00

 

Clique aqui e confira a publicação no Suplemento do DOM com a lista dos projetos selecionados.

Clique aqui para conhecer a comissão julgadora dos projetos.

 

Fonte: Secom Maceió com Ascom Fmac

Registro fotográfico – 9º Tambor Falante

18 de maio de 2015 Deixe um comentário

A 9ª edião do Tambor Falante ocorreu no dia 16 de maio de 2015, e o tema discutido foi: “Racismo Institucional & Violência contra a população negra”. Agradecemos a contribuição e partilha de conhecimento dos facilitadores Carlos Martins e Leandro Rosa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

9º TAMBOR FALANTE

10 de maio de 2015 Deixe um comentário

Participe desse importante momento de integração e formação!

cartaz.tamborfalante

8º Tambor Falante

27 de julho de 2014 Deixe um comentário

Nesse sábado(26.07) ocorreu a oitava edição do projeto Tambor Falante, com o tema “Empoderamento da Mulher Negra”.  Foi no bar “O bom da charque” localizado no bairro do Trapiche em Maceió. As facilitadoras foram: a professora e pesquisadora, Angela Brito e a jornalista Valdice Gomes.

Os temas já discutidos foram: “A importância da Lei 10.639/03”; “Questões raciais e de gênero”; “Intolerância religiosa; Censo 2010 – Assuma a sua negritude!”; “Censo 2010 – Negritude e Periferia”; “Racismo e Homofobia na atual conjuntura”; e “As raízes africanas na História de Alagoas”.

Essa é uma importante iniciativa do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô – entidade vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) – busca a formação e integração entre membros do movimento negro.

Confira o registro fotográfico:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

7º Tambor Falante – Você é o(a) nosso(a) convidado(a)!

21 de novembro de 2012 Deixe um comentário

Acontecerá nesse sábado (24.11) a 7ª edição do Tambor Falante – Ciclo de Debates com o tema: “As raízes africanas na História de Alagoas”, a partir das 14h, no auditório da Faculdade Raimundo Marinho localizada no bairro do Tabuleiro do Martins em Maceió.

O evento é uma iniciativa do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô/APNs, em parceria com a Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL) e o Curso de Serviço Social da instituição de ensino.

Busca reunir lideranças dos segmentos afros, educadores, acadêmicos e formadores de opinião em um mesmo ambiente para compartilhar conhecimento e discutir uma nova maneira de participação na continuidade da luta e organização do povo afro-brasileiro.

O projeto Tambor Falante existe há dois anos, tem ampliado a discussão sobre assuntos ligados às questões étnicorracias e sociais, além de estimular a integração do movimento negro alagoano, além de refletir sobre temas polêmicos do cotidiano.


Bastidores: Tambor Falante (09.04.11)

10 de abril de 2011 Deixe um comentário

 Por: Helciane Angélica – Jornalista

 No sábado (09.04) ocorreu a sexta edição do Tambor Falante – Ciclo de Debates com o tema “Racismo e Homofobia na atual conjuntura” e a reflexão crítica sobre as declarações emitidas pelo Deputado Federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) no programa CQC da Band. A atividade ocorreu no espaço de eventos Brindar Festa, por trás do Ginásio Cenecista Jorge Assunção no bairro do Poço.

Estiveram presentes integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô vinculado aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs); Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial em Alagoas (Cojira-AL); Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro; Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu (Ceasb); a professora universitária e meteorologista Ângela Bahia; e a médica e vereadora por Maceió, Fátima Santiago (PP).

Eu sou uma mulher negra que tive uma educação e oportunidades diferenciadas, mas que batalhei muito. E por ter essa origem, sempre procuro aprender a cada dia, ter mais contato sobre as questões sociais e discutir mais sobre as diversas formas de preconceito. É um mundo novo e quero conhecer, para ajudar da melhor forma“, declarou a vereadora aos presentes.

Na ocasião, os participantes puderam assistir a entrevista de teor preconceituoso, além de vídeos sobre os efeitos danosos executados desde a infância que contribuem para a intolerância, a baixa-estima e práticas criminosas. Também foi discutido o racismo institucional, as abordagens policiais e a imagem negativa que as pessoas negras e pobres, moradoras de favelas, são vistas como bandidos.

Além disso, foram expostas as opiniões e estratégias de ação para que Alagoas seja incluída no movimento de repúdio ao parlamentar e para que a Lei seja cumprida. “Essa declaração sobre negros e gays, não é só ele. Tem um rebanho de pessoas que comungam do mesmo pensamento, e pior, que defendem o que ele fala e votaram nele“, desabafou o professor Allex Sander Porfirio. A presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas e integrante da COJIRA-AL, disse que o deputado já é conhecido por suas declarações bombásticas, e que o movimento nacional de jornalistas pela igualdade racial manifestaram seu repúdio. O ativista Helcias Pereira, defende uma punição para o parlamentar: “Ele está ganhando dinheiro público e fala essas babozeiras, pior, são práticas racistas e criminosas, e deve ser cassado“, disse.

O Tambor Falante existe há dois anos, busca ampliar a discussão sobre assuntos ligados às questões étnicossociais e a integração do movimento negro alagoano, além de refletir sobre temas polêmicos do cotidiano.