Arquivo

Posts Tagged ‘violência’

Tambor Falante é realizado na Grota da Alegria

29 de maio de 2016 Deixe um comentário

IMG-20160531-WA0021

O Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô – entidade vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (ANPs) – iniciou os trabalhos do “TAMBOR FALANTE: Refletindo, Debatendo e Transformando Realidades”. O projeto foi um dos selecionados no Prêmio Eris Maximiniano 2015, uma realização da Prefeitura de Maceió, por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC).

A primeira etapa ocorreu no dia 28 de maio no bairro de Benedito Bentes 2, em parceria com o Centro de Educação Popular e Cidadania Zumbi dos Palmares (Cepec), que cedeu a sua sede localizada na Grota da Alegria para a discussão sobre o tema “MAIORIDADE PENAL E O EXTERMÍNIO DA JUVENTUDE NEGRA”.

Atualmente, o Estado de Alagoas é o 3º mais violento do país com 8,75 dos dados (muito acima da média nacional que é 2,7) e Maceió é a 5ª capital mais violenta com 55,63 das estatísticas e a 18ª cidade mais violenta do mundo. A crescente estatística de assassinatos e outras formas de violência no Brasil tem se configurado como um caso de calamidade pública nacional; a insegurança destrói famílias e o futuro de muitos jovens, especialmente, jovens negros. A violência no Brasil tem idade, raça e território: jovens entre 15 e 29, do sexo masculino, de cor preta ou parda e que moram em locais de vulnerabilidade social.

Cerca de 80 pessoas participaram desse momento de integração e formação sociopolítica, entre: crianças e adolescentes da comunidade, fiéis da Igreja Batista da Grota da Alegria, acadêmicos e integrantes do Movimento Social Negro. Dentre as instituições que estiveram representadas no local, estiveram: Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Zumbi dos Palmares (CEDECA), Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL/Sindjornal), Faculdade de Letras (FALE)-CAAL-UFAL, Instituto do Negro de Alagoas (INEG), Movimento Mulheres pela Democracia, Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da Universidade Federal de Alagoas (Neab-Ufal), ONG Moradia e Cidadania, Partido dos Trabalhadores (PT), Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (SINTEAL).

No encerramento da atividade, o Contra Mestre Alex D´Lua coordenou a apresentação do Grupo Yá Capoeira, que realizou uma bela roda de capoeira e interagiu com o público no samba de roda, demonstrando que a cultura e o esporte são mecanismos essenciais para a transformação social, cultura de paz e afastamento da marginalidade.

 

Currículo dos facilitadores

Para subsidiar o debate, apresentar dados e propostas de reflexão foram convidados como facilitadores: Rúbia Nascimento (PJMP-AL) e Vinícius Almeida (APNs-SP), ambos, membros do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve). Veja abaixo o currículo dos ativistas:

RÚBIA NASCIMENTO: Acadêmica de Ciências Sociais na Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Militante da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) no Estado de Alagoas; Representa a PJMP, pela cadeira de religiosos, no Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE); integra o GT de Juventude Negra e coordena a Comissão de Comunicação; Participou do processo de construção e eleição do Conselho Estadual de Juventude em Alagoas; Pela PJMP, fez parte da coordenação nacional da Campanha Contra Violência e Extermínio de Jovens; Possui Formação Técnica em Teatro pela ETA-UFAL e trabalha no Centro Educacional Municipal em Messias como professora de teatro.

VINÍCIUS ALMEIDA: Professor de Educação Física; Militante dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil no Estado de São Paulo (APNs-SP); Representa os APNs, pela cadeira Negros e Negras, no Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE); Coordenador de Esportes no Centro Educacional Unificado Tiquatira pela Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de São Paulo; Desenvolve o projeto Ocupação Preta em parceria com Secretaria Municipal de Cultura e o projeto Ciclo de Debates em parceria da ETEC Tiquatira; Em 2015, fundou com outros ativistas o Coletivo Glicério Pela Vida, promovendo a ocupação dos espaços públicos, com ações sociais e culturais contribuindo para redução da violência e violação dos direitos dos moradores e refugiados do bairro.

 

Confira o registro fotográfico do evento: AQUI!

Registro fotográfico – 9º Tambor Falante

18 de maio de 2015 Deixe um comentário

A 9ª edião do Tambor Falante ocorreu no dia 16 de maio de 2015, e o tema discutido foi: “Racismo Institucional & Violência contra a população negra”. Agradecemos a contribuição e partilha de conhecimento dos facilitadores Carlos Martins e Leandro Rosa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

9º TAMBOR FALANTE

10 de maio de 2015 Deixe um comentário

Participe desse importante momento de integração e formação!

cartaz.tamborfalante

Seminário sobre mulheres negras

28 de julho de 2014 Deixe um comentário

cartaz.seminário

NOTA DE REPÚDIO À POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS

12 de agosto de 2013 Deixe um comentário

apns-bandeiraEm virtude da ação truculenta, abuso de poderes e violação dos direitos humanos e prática de racismo por parte da Polícia Militar do Estado de Alagoas, ocorrida na tarde de ontem (11.08), aos nossos associados Benedito Jorge Silva Filho e sua esposa Franqueline Santos, a Direção Nacional da Associação dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) vem a público repudiar a ação desta polícia que segundo o governo do Estado de Alagoas afirma ser a segurança da sua população.

O casal foi covardemente algemado e colocado numa viatura policial, por defenderem amigos turistas que os acompanhavam após flagrarem um ato de espancamento à alguns jovens usuários de drogas por parte da PM em uma praça próximo a praia de Pajuçara. Os amigos do casal ao ficarem indignados resolveram filmar a cena, o que causou reação dos policiais que partiram para cima dos turistas obrigando a apagarem a gravação, Franqueline tentou argumentar que eles estavam errados, sendo empurrada por um dos policiais. Jorge que estava no carro, saiu para defender a esposa e outro policial ordenou que eles se afastassem imediatamente, como Jorge argumentou que estava defendendo e protegendo sua esposa, a ordem foi para algemar o casal por desacato a autoridade policial e colocá-los no camburão.

A polícia ordenou que o casal só fosse solto caso as imagens gravadas pelos turistas fossem apagadas. O casal preso eram os únicos negros do grupo.

Enquanto entidade do Movimento Negro Brasileiro conclamamos ao Excelentíssimo Governador Teotônio Vilela Filho e ao Comandante Geral da Polícia Militar que tome as providencias cabíveis imediatamente. Estaremos atentos ao desenrolar deste fato.

Senhor Governador, a sociedade brasileira tem demostrado que já não aguenta mais os abusos das autoridades e os discursos falaciosos, clamando por medidas definitivas que garantam os direitos e o fim do racismo institucional por nós combatido já por décadas. Admira-nos ainda esse tipo de ação policial advinda de um Estado que mereceu por parte do Governo Federal o titulo de Estado “Piloto do Plano Juventude Viva”.

Nuno Coelho
Coordenador Nacional dos APNs

Grupo denuncia policiais militares por abuso de autoridade em Alagoas

12 de agosto de 2013 Deixe um comentário

 

Turistas estavam entre as pessoas que denunciaram os PMs.
Eles prestaram queixa na Central de Flagrantes da Polícia Civil.
 
Foto: Carolina Sanches /G1
 
Um grupo de turistas e alagoanos denunciou policiais militares de Alagoas por abuso de autoridade e racismo. Eles estiveram na Central de Flagrantes na noite de domingo (11) para prestar queixa contra uma equipe da Polícia Militar. Segundo a denúncia, após terem sido flagrados agredindo um adolescente, os policiais teriam obrigado os turistas a apagar filmagens de uma câmera fotográfica.
 
 
Três turistas contaram que estavam sentados em um banco na Praça Lions, na Pajuçara, quando presenciaram militares agredindo um adolescentes com chutes e tapas. “O rapaz já estava imobilizado e ainda o agrediam. Nós vimos a cena e decidimos registrar em filmagem. Quando os policiais perceberam que estávamos filmando, partiram em nossa direção”, disse o turista Davi Fantuzzi, que é de Recife, Pernambuco.
 
 
Fantuzzi contou que ele e dois amigos, que chegaram sexta-feira (9) para passear em Alagoas, foram obrigados a apagar as imagens. “Nos recusamos a apagar e os policiais nos ameaçaram de prisão. “Falamos que os policiais são agentes públicos e que não é proibido filmar, mas eles não nos ouviram e pediram reforços”, disse.
 
 
Dois amigos dos turistas que são alagoanos disseram que chegaram à praça quando estava acontecendo a confusão e foram detidos. “Tentei argumentar para que deixassem meus amigos irem embora, mas não permitiram e ainda deram voz de prisão a mim e a um amigo”, expôs a assistente social e professora Franqueline Terto dos Santos.
 
 
Franqueline disse que ela e seu esposo, o administrador Benedito Jorge da Silva Filho,  foram algemados e colocados em uma viatura. “Foi um absurdo o que aconteceu. Os policiais disseram que só iriam nos soltar quando as imagens na câmera do nosso amigo fossem apagadas. O estranho é que chegaram mais quatro motos e teve até um helicóptero sobrevoando a área”, falou.
 
 
O administrador disse que prestou queixa por racismo porque os militares não prenderam os turistas, só ele e a amiga alagoana. “Sou negro e acho que houve racismo na ação dos policiais. Eu e minha amiga estávamos tendo a mesma reação dos nossos amigos turistas, mas não os renderam”, reclamou.
 
 
O dono da câmera, Talles Adriano dos Reis, que é de Minas Gerais, disse que um dos militares pegou seu equipamento e apagou as imagens. “Foi um absurdo o que aconteceu. Estávamos aguardando nossos amigos na praça para ver o pôr do sol na orla e passamos por esse constrangimento”, falou.
 
 
O grupo diz não saber o nome de todos os militares que estavam na ação, mas que conseguiram anotar alguns deles e placas de veículos. “Vi os nomes nas fardas. Eram L. Santos, F. Guimarães e Enor, mas esses não foram os que agiram com truculência. Os que nos deram voz de prisão não estavam com identificação. Espero que a investigação apure quem realmente estava no local”, disse a assistente social.
A reportagem do G1 falou com o assessor da Polícia Militar, o major Amorim, que informou que a denúncia ainda não chegou à corporação. “Tudo deverá ser investigado. O ideal é que as pessoas que fizeram a denúncia procurem a Corregedoria da PM para relatar o que aconteceu. Sobre os nomes citados, só poderemos falar quando a denúncia chegar oficialmente”, disse o militar.
 
 
Fonte: G1-Alagoas

Bastidores – Reunião no Akuaba (05.09.12)

6 de setembro de 2012 Deixe um comentário

Nessa quarta-feira (05.09.12), integrantes do Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô – entidade associada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs) – estiveram no restaurante Akuaba, para participar do primeiro bate-papo  sobre o Plano Nacional de combate ao extermínio da juventude negra, antes da instalação oficial do projeto piloto, que estar prevista para o dia 27 de setembro no Estado de Alagoas.

Estiveram presentes ativistas do movimento negro alagoano e de entidades que defendem os direitos da juventude, além de gestores estaduais e do Governo Federal: Secretaria Nacional de Juventude/Ministério da Justiça, Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e do Ministério da Educação.

Em breve mais informações!

Este slideshow necessita de JavaScript.